Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

O Garimpeiro

O Garimpeiro

Luciano Pires -

Achei! Num sebo, a coleção completa da enciclopédia “Conhecer” que a Editora Abril lançou no final dos anos sessenta. Linda, novinha… Eu não estava procurando, mas foi irresistível. Voltei pra casa com doze volumes mais três “dicionários” e um frio no estômago.

Quando cheguei preparei minha viagem. Sim, a lembrança que eu tenho de minha experiência – aos onze anos de idade – com aquela enciclopédia era de viajar. Pelo tempo e pelo espaço, sem limites de lugares ou assuntos. Afinal, a curiosidade é o atributo mais presente numa criança de onze anos de idade, não é? A Abril Cultural lançou em 1967 a enciclopédia Conhecer em fascículos que eram colecionados até formar um volume da coleção. Então eles lançavam a capa que a gente comprava e levava para um encadernador que nos devolvia um belo livro vermelho sangue com o nome “Conhecer” em dourado. Um mundo de conhecimento com cerca de 4 mil páginas!

Passou a ser rotina aguardar ansioso a chegada do novo fascículo. Que assuntos seriam abordados? E os caras da editora eram espertos, viu?. Num mundo dominado por enfadonhas enciclopédias em preto-e-branco com muito texto e pouquíssimas imagens, a “Conhecer” vinha repleta de ilustrações dramáticas, enormes e coloridas. Cada página virada revelava uma explosão de cores! E o que acontecia então eu relatei no texto “Quirópteros” em meu livro Brasileiros Pocotó:

“Eu tinha 12 anos. E minha professora de Ciências pediu um trabalho escolar sobre Quirópteros: a ordem dos morcegos. Comprei cartolina (lembra-se?). Pincel atômico. Cola Tenaz (a grande novidade que substituía a goma arábica). E mergulhei na minha enciclopédia Conhecer. Para encontrar os Quirópteros, eu navegava pela enciclopédia, passando pela Grécia Antiga. Depois, pela história da Grande Muralha da China. Pelos dinossauros. Por como funciona um navio. Pelos satélites artificiais… Motivado pela curiosidade infinita de criança eu viajava pelas páginas, pelas ilustrações multicoloridas, durante horas. Até achar os tais morcegos. Aí, copiava o texto, recortava revistas, colava na cartolina, e, na segunda- feira, levava aquela coisa amassada para a escola e via a professora examinar e me dar a nota. Era assim o processo. E nunca mais esqueci o que são Quirópteros. Ou como funciona um navio. Ou como morreram os dinossauros…”.

Sem perceber, como um garimpeiro eu estava aos poucos juntando um tesouro que seria fundamental para meu futuro: conhecimento. Cada parada naquelas páginas da Conhecer dava-me uma pepita que eu colocava em meu repertório. Que sorte a minha.

Pois refletindo sobre essa garimpagem e a diferença dos processos de hoje que – após o surgimento da internet e de “São” Google – levaram quase ao infinito nossa capacidade de buscar informações, dei de cara com uma contradição.

A curiosidade daquele garoto só podia ser saciada por ele ter um estoque praticamente ilimitado de… tempo. Eu podia investir o tempo que quisesse em minhas viagens pela enciclopédia. E assim montei meu tesouro.

Hoje, quarenta anos depois, “tempo” passou a ser meu ativo mais escasso. A internet me dá a oportunidade de otimizar meu tempo. Encontro em segundos o que preciso! Sou um garimpeiro supersônico! Que sorte eu tenho! Mas não tenho tempo…

Não posso desviar minha busca dos Quirópteros para mergulhar fundo na vida de um dinossauro colorido. Ou no telescópio Hubble. Ou no Timor Leste. Preciso ir direto ao ponto. Rápido. Sou um garimpeiro supersônico. De superfície. Mergulho no raso, dou uma olhada e volto correndo. O telefone está tocando. Alguém está me esperando…

Minha nova enciclopédia Conhecer está ali, na minha frente, linda.

Esperando que eu tenha tempo pra ela.