Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O desengajamento moral

O desengajamento moral

Luciano Pires -

O psicólogo e pedagogo canadense Albert Bandura estudou psicologia clínica e se destacou como pesquisador da teoria da aprendizagem social. Em seus estudos, desenvolveu o conceito do Desengajamento Moral, tratando dos mecanismos que chamou de “lacunas na consciência humana”, através dos quais as pessoas permitem a si mesmas praticar atos desumanos sem sofrer a angústia da autocondenação.

Normalmente jamais nos envolvemos em condutas prejudiciais a terceiros sem antes justificar a nós mesmos a moralidade de nossas ações. Nesse processo, tentamos fazer com que a conduta prejudicial a outros seja apresentada como algo valioso para propósitos morais e sociais superiores. E assim o que seria reprovável passa a ser aceitável. É quando vemos gente “de bem” cometendo as maiores barbaridades enquanto se considera agente da moralidade.

É o desengajamento moral que explica o guerreiro decapitando o inimigo na televisão… os homossexuais sendo atirados do alto de um prédio pelo crime de serem homossexuais… mulheres sendo apedrejadas por serem adúlteras… E para ficar aqui pertinho, dinheiro roubado em nome da causa; sua vizinha tão pacata saqueando o mercado quando não tem polícia… O que não falta são exemplos.

Bandura definiu 8 mecanismos de desengajamento moral: a Justificação Moral, a Linguagem Eufemística, a Comparação Vantajosa, a Difusão da Responsabilidade, o Deslocamento da Responsabilidade, a Distorção das Consequências, a Desumanização e a Atribuição da Culpa. Publiquei um Podcast no qual falo de cada um: http://www.portalcafebrasil.com.br/podcasts/543-desengajamento-moral/

O quem mais me fascina é a linguagem eufemística, que suaviza palavras ou expressões que possam ser rudes ou desagradáveis. É a arma perfeita para o desengajamento moral.

Você usa eufemismos desde que começou a falar. Por exemplo, chamando pênis de “piu-piu”. Não suaviza?

E então passamos a chamar caixa dois de “recursos não contabilizados”; ditadura de “democracia social”; censura à imprensa de “controle social”; demissões se transformam em “colaboração descontinuada”; privatização é chamada de “desestatização”. Percebe?

Cada eufemismo dá um alívio moral.

Uma das formas de eufemismo mais eficiente é a higienização, quando atividades perniciosas são disfarçadas de ações inocentes ou pelo bem de todos. Exemplos? Chamar “invasão” de “ocupação”; dizer que as pedaladas foram para pagar o Bolsa família; em vez de “operações de crédito”, chamar as operações ilegais entre a Caixa e o governo de “inadimplemento”. Na Odebrecht, o Departamento de Propinas foi chamado de ‘Departamento de Negócios Estruturados’. Viu só?

Nas guerras, “danos colaterais” são usados no lugar de “morte de civis inocentes”. Sentiu a pegada? “Danos colaterais” parece para-lamas amassado, não é? Já “morte de civis” é assassinato.

Quando você muda o rótulo, muda o sentido da ação. Mas o resultado permanece o mesmo.

Sabe onde é possível verificar o desengajamento moral em sua plenitude? No trânsito. Tem placa, tem lombada, tem marcações, mas a gente anda acima do limite, dirige com celular, estaciona em vagas proibidas ou em fila dupla. Ultrapassa pelo acostamento. E o infrator sempre tem uma justificativa racional para a transgressão, não é?

Racionalizar a conduta delituosa. É disso que trata o Desengajamento Moral.

Bandura disse: “Todas as pessoas são capazes de construir ideologias morais para justificar seus comportamentos, e geralmente tendem a convencer a si e aos outros de seus princípios conforme lhes convêm.”

Viu só? Não sei se você reparou, mas “todas as pessoas” incluem eu… e você.

Tudo bem, se me convém.