Artigos Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

Manual de disrupção do marketing
Mauro Segura
Transformação
17 fenômenos acontecendo no marketing que nem todo mundo está enxergando

Ver mais

O Dedo De Buda

O Dedo De Buda

Luciano Pires -


O DEDO DE BUDA


Olha só a notícia que recebi por e-mail:


“Há alguns dias os meios de comunicação divulgaram notícias sobre as cerimônias religiosas em torno da chegada do dedo de Buda à Coréia do Sul, local onde ficaria exposto à visitação dos budistas por 42 dias. O pedaço de osso foi descoberto numa câmara escondida do Templo Famen, na China, em 1987, aonde é considerado tesouro de estado. Acreditam os fiéis que se trata do dedo médio da mão esquerda de Sidarta Gautama, fundador do budismo há 2500 anos. O dedo viajou da China até Seul encerrado em cofre de jade, cristal, prata e ferro, escoltado por 108 budistas. Cerca de mil budistas celebraram uma cerimônia de despedida do dedo, no templo Famem de Xian (centro do país) que guarda habitualmente a relíquia.”


Cara, que coisa mais fascinante! Um dedo venerado. Lembrei-me imediatamente das cabeças dos cangaceiros expostas à visitação num museu do nordeste durante anos. Eram objetos de visitação – e até veneração – por milhares de pessoas. Alguns anos atrás, numa catedral em Brugge, na Bélgica, vi um pequeno recipiente venerado, pois dizem conter um pouco do sangue sagrado de Jesus. O cadáver de Lênin está lá na Rússia, exposto num mausoléu para visitação pública. Não sei se é venerado. O pênis do cadáver de Napoleão Bonaparte desapareceu. Roubado talvez por um admirador. E o cadáver inteiro de Eva Perón foi roubado também, ficando pra lá e pra cá na Argentina durante anos, motivo de veneração. No Museu do Ipiranga tem uns cachos de cabelo de um dos dois D. Pedros… E assim vai. O homem encontra formas sempre interessantes de demonstrar sua fé.
Mas quero voltar ao dedo de Buda. Como será que ele perdeu o dedo, hein? Terá sido roubado depois de morto? Ou foi algum acidente de trabalho como o dedo do Lula? Pô! Me ocorreu um pensamento… E se alguém guardou o dedo mindinho do Lula, perdido num torno anos atrás, para transformá-lo em relíquia quando o dono entrasse para a história?
Já imaginou uma procissão com 108 monges petistas levando o dedo de Lula de São Bernardo para Garanhuns? Seria a “Marcha da ´Famiglia´ com o Dedo pela Libertinagem”. A Banda Calypso puxando o corso, com direito a rasantes do Aerolula. Zé Dirceu à frente, seguido por Genoino, Berzoini, Palocci e Silvinho. Numa urna de sisal carregada por um emocionado Delúbio, a relíquia: o dedo de Lula. Todos de vermelho, entoando cânticos. Na verdade jingles compostos por Duda. Cuidando da infra, Valério. Comandando um grupo agitado, Bruno Maranhão. Okamoto teria ido na frente pra pagar umas despesas. Com capuz, Jader Barbalho e Zé Sarney. Uns sujeitos mal encarados distribuiriam uns santinhos esquisitos, verdes e com a cara de Benjamin Franklin. Fechando a procissão, um grupo de penitentes no qual se destacam o professor Luizinho, o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, o Freud Godoy e, vestindo espetaculares túnicas de Verônica, Ideli Salvati e Marta Suplicy.
Eduardo Suplicy seria a ausência notada. Perdeu a hora.
Fechando o corso, uma gordinha dançando…
E lá, numa janela distante, torcendo para que chova, Bob Jeff.
A caminho de um churrasco preparado por Lorenzetti, a procissão passa pela esplanada dos Ministérios em Brasília, cruzando a Praça dos Três Poderes, onde é vista por um assessor, na sala do Presidente.
– Presidente, presidente, venha ver! Uma procissão! Com um dedo! De quem será? De quem será?
E o presidente, rapidamente enfiando no bolso a mão esquerda:
– Meu que não é. Meu que não é! Não sei de nada, companheiro…