Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

O Choque

O Choque

Luciano Pires -

O CHOQUE


A vida toda aprendi que o Brasil é um país abençoado por Deus e bonito por natureza. “Nestepaíz” não tem terremoto, tufão, tsunami nem vulcão. Tem sol que não acaba mais. Em se plantando, tudo dá. Tem água como nenhum outro. Tem vento. Tem terra, terra e mais terra. Aprendi também que o Brasil é o país do futuro, que tem o maior estoque de energia renovável do planeta, que estaria em situação privilegiada quando o petróleo faltasse, bla bla bla. Num evento promovido pelo Movimento Brasil Competitivo em Brasília, alguns técnicos dos Estados Unidos foram unânimes: o Brasil está com a faca e o queijo na mão quando se fala em energia renovável. E é isso que temos de explorar. Em se tratando de Brasil, Deus fez sua parte. Agora é a vez dos brasileiros…
Aí, chocado, leio uma notícia: comparado com os 32 países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, as tarifas de energia elétrica brasileiras só perdem para a Itália, o Japão e a Turquia. Pelos dados da Agência Nacional de Energia Elétrica, a tarifa para a indústria em dezembro de 2005 estava em torno de US$107 por MW/h, já considerando os impostos médios de 35% praticados no Brasil. A tarifa industrial na Itália estava em torno de US$170,40. No Japão era de US$134,80. E na Turquia US$108,10. Os Estados Unidos, cuja eletricidade provém de combustíveis fósseis não renováveis como carvão, petróleo e gás natural, praticam uma tarifa inferior à metade da brasileira, em torno de US$52 por MW/h. Na França, onde a maior parte da eletricidade é gerada em usinas nucleares, a tarifa é de US$52,60. A menor tarifa industrial é a da África do Sul, com a média de US$23,40 por MW/h. No Brasil, cerca de 90% da energia elétrica é gerada por hidrelétricas, cujo combustível é a água, renovável. Isso deveria implicar custos mais baixos, mas as tarifas brasileiras são praticamente o dobro das vigentes nos dois outros países onde as hidrelétricas predominam: Noruega (US$42,60) e Canadá (US$56,10). Quando leio essas comparações em dólares, fico cismado. Dólar é dólar em qualquer lugar do mundo, mas o dólar não representa o poder de compra das sociedades não dolarizadas. Fui, então, buscar o “Hamburger Standard” conforme a revista The Economist, que se baseia no conceito de paridade do poder de compra: um dólar deveria comprar a mesma quantidade de determinado produto em qualquer país. Um Big Mac é um Big Mac em qualquer lugar do mundo: os mesmos ingredientes, o mesmo tamanho, o mesmo sistema e tempo de preparo, tudo igual. Se o Big Mac fosse transformado em moeda, seria a forma mais justa de comparar os valores, pois seriam eliminados vários fatores que provocam distorções nos cálculos. Pois fiz a conta, pagando em Big Macs. Um MW/h no Japão, equivale a 63 Big Macs. Na Itália, 46. Na Turquia, 40. No Brasil, 36. No Canadá, 18. Nos EUA, 17.  Na França, 14. Na África do Sul, 12. Ou seja: não muda nada. A energia brasileira é uma das mais caras do mundo em dólares. Ou em Big Macs…
Não conheço a questão da energia. Mas como consumidor, tenho perguntas. Simplórias e ingênuas: quem é que fixa os preços da energia no país? Tem alguma fiscalização? Que critério define esses valores? E com valores como esses, como é que ainda tivemos um apagão? E a todo momento somos lembrados de que pode haver outro? Pra onde vão os investimentos?… E por aí vai… Ingênuo, né? Mas necessário.
Volto então àquela questão que tratei no artigo A Entropia: alguém tem de tocar o alarme. O sistema está tão viciado, tão largado, a sociedade está tão excluída dos processos, que nos tornamos meros espectadores da incompetência, da ganância, da desonestidade, da irresponsabilidade, da falta de civilidade, da hipocrisia e do amadorismo social dos que nos dirigem. Sejam eles do PSDB, do PT, do PMDB ou da PQP.
A República dos Políticos está velha. Desatualizada. É má. Incompetente. Burra. Não pode assumir as rédeas.
O Brasil precisa de um choque.
Ou de Deus, pra fazer a parte que caberia aos brasileiros…