Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O Champinha

O Champinha

Luciano Pires -

O CHAMPINHA


Champinha é o apelido de Roberto Aparecido Alves Cardoso, que em meados de 2005 chocou o Brasil ao liderar o assassinato do casal de namorados Liana e Felipe, que acampavam na região do Embu, em São Paulo. A descrição da tortura e do assassinato de Liana é uma das peças mais aterradoras que já li. Felipe foi morto às 8h de um domingo. Liana foi degolada na quarta-feira, às 3h. Preso, Champinha confessou os crimes e afirmou, sem remorso: “Matei porque senti vontade de matar.” Pobre e filho de pai alcoólatra, Champinha estudou até a terceira série do ensino básico. Aos 14 anos, principalmente pela falta de medicamentos, começou a sofrer convulsões. E saiu de casa, passando a viver nas ruas de Embu-Guaçu, prestando serviços a quadrilhas especializadas no desmanche de automóveis roubados. Sempre com um facão na cintura, transmitia medo aos vizinhos. Aterrorizava as vítimas fazendo roleta-russa: apontava a arma contra a cabeça da pessoa, girava o tambor com apenas uma bala e apertava o gatilho. Chegou a cortar parte do dedo de um comerciante que se recusou a entregar dinheiro durante um assalto. Também é acusado de ter matado um caseiro antes do assassinato de Liana e Felipe.
Champinha tinha 16 anos quando praticou a barbaridade contra o casal de namorados. Foi preso e recolhido à Febem onde se submeteu a uma bateria de exames psicológicos que determinariam seu destino. O psiquiatra forense Bruno Montari Ramos emitiu o primeiro laudo. Lê-lo é também um exercício aterrador, que demonstra como a frieza do técnico transforma um fato absurdo numa planilha insensível. Bruno Ramos escreveu que: “Se ele vive com pessoas bêbadas, vai virar um bêbado. Mas, se for para um mosteiro, será um monge”.”… ele é treinável e educável. Mas é capaz de chegar, no máximo, até a terceira série do Ensino Fundamental”. “A moça foi assassinada no primeiro golpe, que atingiu a jugular. Pelos testes, ele deu as demais facadas porque ficou inseguro, queria ter certeza que ela estava morta. Não estava dando as facadas por prazer, mas por dúvida”. A conclusão de que Champinha é “treinável e educável” e sentiria culpa pelo crime praticamente elimina a chance de mantê-lo longe do convívio social. Ele tem que ficar em liberdade…
Esse laudo deixou indignado outro psiquiatra forense, Guido Palomba, que concluiu que Champinha sofre de encefalopatia, apresentando diminuição da inteligência, o chamado retardo mental, distúrbios de comportamento, e sintomas e sinais ligados a epilepsia.
Segundo ele, é provável que essa patologia tenha origem em partos difíceis, quando há falta de oxigênio no cérebro. Guido afirma que Champinha é uma pessoa perigosa, provavelmente irrecuperável, porque apresenta uma deformidade orgânica e, por isso, não pode voltar a conviver em sociedade. Por conta da polêmica, o Conselho Regional de Medicina abriu uma sindicância. O caso está na Câmara Técnica de Psiquiatria Forense e ainda não tem conclusão. E em 9 de dezembro de 2006, ao completar 18 anos, Champinha pode voltar às ruas. Com a ficha limpa.
Pô, não parecem engenheiros discutindo cálculo estrutural? Ou economistas debatendo a melhor forma de calcular a inflação? Ou padeiros tratando da melhor receita para fazer pão?
Não entendo nada de psicologia, gostaria sinceramente de receber emails de conhecedores do assunto comentando essa situação. Por enquanto, o que fiz foi conversar com outras pessoas sobre o tema. Falei com o vigilante de um estacionamento, o Zé. Ele disse que o que tem é medo.
Perguntei se era medo por saber que a burocracia e a tecnicidade estão decidindo o futuro de um assassino. Ele disse que não.
Perguntei se era medo de que a justiça estivesse amarrada. Ele disse que não.
Perguntei se era medo de que o crime estivesse tomando conta da sociedade. Ele disse que não.
– Medo de quê então, Zé?
– Tenho medo de encontrar com ele.