Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

O Cara Do Espelho

O Cara Do Espelho

Luciano Pires -


O CARA DO ESPELHO





Sabe como eu voto? No dia da eleição acordo cedo, vou pro banheiro e me olho no espelho. Aí converso com o cara que está me encarando.


– Meu, que diferença faz um insignificante voto entre milhões?


– Seu pequeno e insignificante voto vai mexer no governo.


– Que governo?


– O governo da democracia recente; das dificuldades econômicas; do Congresso paralisado; da corrupção, escândalos; povo imerso na apatia política… Seu voto vai mexer na economia dos déficits públicos crescentes; inflação à espreita; pressões especulativas sobre a moeda; crises cambiais; juros internos excessivos; indicadores econômicos e sociais desastrosos; desemprego; dívida interna avassaladora; indisciplina e evasão fiscal… Seu votinho mexerá na ordem jurídica com códigos obsoletos; sistema judiciário em descalabro administrativo; justiça inacessível para a maioria da população; desafios abertos à ordem institucional; reformas emperradas pelo corporativismo; envolvimento com o crime organizado… Seu insignificante voto vai mexer na saúde das instituições públicas em colapso; filas; superlotação hospitalar; medicamentos caríssimos, pirataria; doenças e endemias fora de controle; mortalidade infantil ainda elevada… Seu pobre votinho vai mexer na segurança ineficaz, na corrupção e no descrédito da polícia; assaltos, seqüestros, roubos a mão armada, fraudes e crimes de colarinho branco; crime organizado; uso indiscriminado e ilegal de armas; taxas de homicídio das mais elevadas do planeta; corporativismo e competição nas instituições de segurança pública… Seu microvoto vai mexer na educação dos milhões de crianças fora da escola; altos índices de evasão escolar; escolas mal-equipadas, improvisadas; professores desatualizados, sem recursos, mal pagos, despreparados; universidades fracas; ensino pago visto como um grande negócio… Aquele seu votinho vai mexer no trânsito dos milhares de mortos e feridos em acidentes; frota em estado precário; assaltos, furtos de cargas, seqüestros de caminhões e latrocínios; da inexistência de um registro unificado de veículos; códigos de trânsito conflitantes, vulneráveis à impunidade e à corrupção; estradas em abandono… Seu invisível voto mexerá no trabalho, no mercado de mão de obra em declínio; automação, crises cambiais, concorrência predatória de empresas de fora da região, afetando a geração e a estabilidade do emprego; migrações internas malsucedidas, hordas de moradores de rua, favelas, etc… Seu votico mexerá nos salários e na seguridade, no salário mínimo irrisório; na mão de obra sem registro; legislação e encargos trabalhistas que estimulam o subemprego; sistemas de seguridade social decrépitos e com déficits brutais; aposentados à míngua; reformas previdenciárias emperradas…


– Chega, pô! Talvez meu voto não seja tão insignificante assim!


– Pois é… Os problemas são tantos, tão grandes, tão complexos, que você não tem o direito de ficar de fora da busca de soluções. Não tem o direito de achar que, apenas pagando seus impostos, já faz o suficiente. O Brasil dos seus sonhos ainda tem de ser construído. E ninguém vai fazê-lo por você. Tem que participar! E seu voto é o primeiro passo…


O cara do espelho me manda então para o local da votação, encarando aquele dia como a grande festa da democracia. Ele me alerta e ajuda a escapar da confusão ideológica que teima em desqualificar o exercício do voto pois “tem de acabar com tudo o que está aí”. Ele me ensinou a ler os jornais, a assistir à televisão, ouvir o rádio e perceber a manipulação de interesses por trás da enxurrada de declarações, escândalos e análises “isentas”. Com ele aprendi que é impossível viver sem política. Que política é uma arte e que, se no Brasil virou o circo que está aí, a culpa é minha também, afinal o agente das mudanças sou eu!


O cara do espelho um dia me disse que, se quero um Brasil ético, voto no ético. Se quero um Brasil honesto, voto no que não rouba. Se quero um Brasil culto, voto na não ignorância. Se quero um Brasil unido, voto em quem não prega o ódio. Se quero um Brasil digno, voto em quem me respeita… E naquele dia discuti com ele.


– Ah, mas não existe político ético, honesto, culto…


– Ah, não, é? Só tem bandido? E quem colocou eles lá?


– Não fui eu!


– Foi sim… No tempo em que você tratava seu voto como se fosse merda.


– …



Viu como é simples?


É assim que eu voto.