Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

652 – A realidade real
652 – A realidade real
Vivemos um tempo no qual muita gente tem dificuldades ...

Ver mais

651 – Era uma vez…
651 – Era uma vez…
A melhor forma de ensinar política para crianças – e ...

Ver mais

650 – A Espiral do Silêncio
650 – A Espiral do Silêncio
Temos um sexto sentido para perceber a tendência da ...

Ver mais

649 – Quando eu tiver 64
649 – Quando eu tiver 64
Fui dar uma olhada nos comentários dos ouvintes do Café ...

Ver mais

LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
Doutor em Ciência da Informação, jornalista, escritor e ...

Ver mais

Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Está chegando a Temporada 11 do LíderCast!

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade
Henrique Szklo
Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em ...

Ver mais

Noblesse Oblige
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo ...

Ver mais

Venezuela, Reforma Previdência & Futuro PT
Carlos Nepomuceno
Resumo da Live: Assistir completa: Formação Digital Bimodal: Programa de Formação Bimodal Lives antigas: https://nepo.com.br/category/o-melhor-de-2019/lives-do-nepo-o-digital-na-politica/

Ver mais

Metade cheia do copo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Metade cheia do copo Um pouco de otimismo, pra variar  “A troca está para a evolução cultural como o sexo está para a evolução biológica.” Matt Ridley Em agosto do ano passado, a convite do ...

Ver mais

Cafezinho 151 – Chato à Bessa
Cafezinho 151 – Chato à Bessa
É impressionante ver como o mundo mudou.

Ver mais

Cafezinho 150 – O PAI
Cafezinho 150 – O PAI
No Brasil, imediato é longo prazo.

Ver mais

Cafezinho 149 – Nação, não governo
Cafezinho 149 – Nação, não governo
O Ministro da Educação anuncia que vai impulsionar o ...

Ver mais

Cafezinho 148 – Os Hostis
Cafezinho 148 – Os Hostis
Neste final de semana o Brasil parou para assistir a ...

Ver mais

O bis

O bis

Luciano Pires -

Em uma de minhas palestras encontrei uma amiga que, 15 anos atrás, trabalhou na minha equipe quando eu dirigia o departamento de marketing de uma multinacional. Entre as lembranças dos bons tempos ela me fez uma surpresa: abriu a bolsa e tirou de dentro um punhado de embalagens de Bis, aquele chocolate da Lacta que a gente não consegue parar de comer, sabe? E com os olhos brilhando me entregou, dizendo:

– Você não faz idéia de como isto era importante.

Surpreso, examinei cada papelzinho. Todos assinados por mim. Ela havia guardado aquilo por quinze anos!

Toda vez que um dos meus funcionários realizava algo que eu julgava interessante eu dava a ele ou ela um Bis. A pessoa comia o Bis imediatamente e me dava o papel que o embrulhava. Eu escrevia no verso do papel a razão de ela ter recebido o Bis, assinava e a pessoa guardava. No final do ano, em nosso jantar de comemoração eu colocava na parede do restaurante uma série de cartazetes com vários prêmios, de “aumento de salário” a “três dias de folga”, passando por “viagem a lugar x”, “um exemplar do livro y”, “um jantar” e até “um aperto de mão”. Era um barato ver a turma chegando e analisando a listagem de prêmios na parede. No final do jantar cada um entregava sua coleção de Bis e a contagem mostrava quem havia recebido mais “Bises” e teria o direito de ser o primeiro a escolher qual dos prêmios receberia. O processo seguia por ordem de quantidade de “Bises” até que todos os prêmios fossem retirados da parede. É evidente que o ganhador sempre escolhia o “aumento de salário”…

A escolha de quando dar o Bis era prerrogativa minha, subjetiva, conforme meus critérios sobre o que teria sido um trabalho ou uma atitude que mereceria, mas qualquer funcionário podia advogar o Bis para quem achasse que valia a pena. Cada vez que um gerente entrava em minha sala acompanhado de um funcionário para contar o que ele havia feito e pedir o Bis, era um momento de celebração, de reconhecimento e de vitória. Aquele chocolatinho tinha um poder mágico de agradar a mim, ao gerente e ao funcionário.

Eventualmente até mesmo o funcionário vinha me contar o que havia feito e na cara de pau perguntava:

– Não vale um Bis?

Eu fazia questão de não marcar quantos Bis havia dado para cada um, para que a coisa toda fosse uma surpresa. O processo ficou famoso na empresa e até para gente de outros departamentos eu dei o chocolate, como um reconhecimento simbólico.

Sem frescuras, fogos de artifício, balangandãs ou planilhas complicadas, aquele processo de reconhecimento não custava nada e o valor daquela atitude singela foi demonstrado pela coleção de papéis de Bis guardada por quinze anos e mostrada a mim com brilho nos olhos.

Um Bis custa 15 centavos. Mas aqueles, não tem preço.

Luciano Pires