Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O Balonista

O Balonista

Luciano Pires -

Ele nasceu numa pequena cidade, era inteligente e articulado. Um dia, já maduro, decidiu colocar em prática um sonho: subiria aos céus num tipo de balão e ao sabor dos ventos faria uma viagem inédita, como nunca antes havia sido feita. Muitos acharam que havia perigo, que a aeronave não era segura, que não havia condições de dirigibilidade e que as conseqüências podiam ser ruins. Mas ele tinha fé em sua competência para lidar com o imprevisto. Quando confrontado com argumentos contrários, respondia com a certeza dos obcecados. Algumas experiências prévias com balões deram-lhe ainda mais certeza de que seu sonho era viável. Levantou os recursos com gente que nele acreditou e construiu o balão conforme suas necessidades. Quando entrou na aeronave foi saudado por uma multidão que torcia por ele. E acenando entusiasmado subiu em direção ao céu. Para nunca mais ser visto. Muitas buscas foram feitas, sem sucesso. O balonista sonhador desapareceu com o vento…


Estou falando do padre Adelir Antônio de Carli que na manhã do dia 20 de abril de 2008 partiu de Paranaguá, no Paraná, a bordo de uma espécie de balão feito de centenas de balões de festa gigantes, não é? O padre desapareceu algumas horas depois sobre o oceano no litoral de Santa Catarina e ninguém mais soube dele. Esta história podia ser sobre o padre sim, mas é a de Salomon August Andrée, um engenheiro e aeronauta sueco que no dia 11 de julho de 1897, com dois companheiros, decolou de uma ilha no círculo polar para cruzar o Ártico num balão que batizou como “Águia”. Andrée desenvolveu um sistema rudimentar de dirigibilidade por meio de cordas que, tocando o solo, fariam com que o balão corrigisse a rota conforme necessário. Seu plano era frágil, repleto de falhas, mas quem o confrontou foi repelido pela teimosia do aventureiro.
O “Águia” voou até que, após dois dias e 475 quilômetros, vazamentos de hidrogênio provocaram um pouso em meio à desolação do gelo ártico. Mal equipados para caminhar no gelo e alimentando-se basicamente de ursos polares abatidos a tiros, os três exploradores chegaram quatro meses depois à ilha de Kvitoya onde morreram nas semanas seguintes. Seus corpos foram encontrados trinta e três anos depois.


Andrée e o padre Adelir eram loucos, irresponsáveis, megalomaníacos ou simplesmente teimosos? Talvez tenham sido presas de seu próprio sucesso. Tiveram um sonho, contaram para o mundo, conseguiram os recursos, a mídia deu-lhes destaque e eles não tiveram outra opção a não ser ir em frente. Admitir que pudessem estar errados não fazia parte de seus repertórios. Deu no que deu.
No entanto, não há como negar que ambos eram corajosos. E aqui cabe a pergunta: o que é coragem? É ausência de medo? Não. Ausência de medo é estupidez. Coragem é a capacidade de agir apesar do medo. Vem da segurança que temos quando sabemos do que estamos falando. As melhores e mais importantes  decisões de minha vida eu tomei com o estômago gelado. Essa sensação, misto de medo com ansiedade, indicava que eu estava no limite e que assim saía do “normal”, fazendo a diferença.
Usei o medo a meu favor.


Pois bem. No próximo dia 20 de Junho é minha vez. Embarco para a Rússia onde, a bordo de um quebra-gelos nuclear do exército russo, farei minha viagem para o Pólo Norte. Diferente do padre e de Andrée, cerquei-me de todas as garantias. Existem riscos? Sempre. Mas a vida me ensinou a diferenciar coragem de estupidez. Por isso, vou pro meu Pólo Norte. Com o estômago gelado. Que Delícia!
 
Volto dia 8 de julho com histórias pra contar.