Artigos Café Brasil
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

O Artista

O Artista

Luciano Pires -

Cheguei de volta de minha aventura para o Pólo Norte. A viagem foi tudo que eu imaginava e mais um pouquinho. Nada como cair fora do dia-a-dia…
Como estava a bordo de um navio numa das mais remotas regiões do planeta, experimentei algumas coisas inéditas. Quinze dias sem e-mail, internet e celular, por exemplo. Não dá para me imaginar vivendo e trabalhando sem celular, sem internet e sem e-mail hoje em dia, mas ali não havia escolha. Tive que passar quinze dias sem e então fiz outras coisas. Li. Conversei com pessoas. Assisti a palestras. Dormi.
E um dia aconteceu uma coisa interessante.
A bordo do navio havia um artista plástico contratado para realizar com os passageiros algumas atividades especiais. Não me interessei por pintar quadros ou fazer instalações e fiquei na minha, mas durante um jantar com o artista, contei de minhas atividades e falei que eu era cartunista. Ele insistiu para que eu participasse das atividades. Quando cheguei à biblioteca, após o jantar, ele me deu um bloco de papel para aquarelas, um marcador, um lápis e uma borracha e disse pra eu me divertir.
Repentinamente eu estava ali, com tudo que sempre amei: lápis, borracha e papel. E comecei a desenhar. Desde 1982 não me lembro de ter dedicado tantas horas ao cartum. Fiz um, dois, três… No começo meio enferrujado, mas aos poucos as idéias foram brotando e no dia seguinte pela manhã eu havia feito dezoito cartuns. Todos focados nos assuntos da viagem. Ao final do terceiro dia eram 28 cartuns, sem nenhum problema, sem sofrimento, de primeira, naturalmente.
Que coisa curiosa. A falta da internet, do celular e do e-mail fez com que eu retomasse minha velha atividade de cartunista com amor e com paixão. Virei um artesão outra vez. Sem querer nada em troca, apenas a oportunidade de expressar-me através de minha arte. E as idéias foram fluindo como se estivessem guardadas à espera de uma chance para sair. Eu mesmo me impressionei com a facilidade e lembrei-me que uma vez o Zélio Alves Pinto comentou que o cartunista nunca perde a mão. Mesmo parado, seu traço está amadurecendo internamente. E deu o exemplo do Borjalo que – como eu – ficou mais de vinte anos sem “cartunar”. Quando retomou, seu traço estava melhor que antes…
Pois bem, naqueles dias a caminho do Pólo Norte em que voltei a ser um cartunista, refleti sobre minhas escolhas, sobre o tempo que passei e passo “trabalhando” enquanto deixo de lado pequenas coisas que são minha essência. No caso dos cartuns, eles foram deixados de lado porque fui levado a acreditar que eles não são “sérios”. São apenas manifestações artísticas, veadagens que não levam a lugar nenhum. Molecagens que nada valem diante das dificuldades de ganhar a vida, de produzir, de fazer algo de útil para a sociedade. Como o meu vizinho engenheiro. Ou seu cunhado médico. Ou sua irmã advogada. Ou seu amigo empresário…


A experiência artística foi aos poucos jogada para escanteio diante de uma sociedade cada vez mais pragmática, acostumada a valorizar apenas aqueles que produzem bens tangíveis, materiais. E com isso milhares, milhões de artistas ganham suas vidas hoje como escriturários, bancários e padeiros. Ou vendendo seu talento para a publicidade – a forma que a sociedade encontrou para transformar arte em mercadoria.


Pois quero propor um exercício. Dentro de alguns dias começam as Olimpíadas. Assista a cerimônia de abertura e veja quanto tem ali de arte. E depois reflita sobre a razão daquilo tudo se a sociedade não dá valor à arte.


O ser humano precisa de arte. Um quadro que nos comove, um poema que nos enleva a alma, uma música que nos leva às lágrimas, uma peça de teatro que nos faz refletir, um cartum que nos faz sorrir, uma escultura que nos prende o olhar… São experiências necessárias para quem quer uma vida completa.


Naquele navio a caminho do Pólo Norte – sem as armadilhas que consomem o meu tempo –  através da arte voltei a ser aquilo que eu sempre quis ser: simplesmente eu.


Agora preciso ir. Tenho três mil e-mails atrasados pra responder.