Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O Artista

O Artista

Luciano Pires -

Cheguei de volta de minha aventura para o Pólo Norte. A viagem foi tudo que eu imaginava e mais um pouquinho. Nada como cair fora do dia-a-dia…
Como estava a bordo de um navio numa das mais remotas regiões do planeta, experimentei algumas coisas inéditas. Quinze dias sem e-mail, internet e celular, por exemplo. Não dá para me imaginar vivendo e trabalhando sem celular, sem internet e sem e-mail hoje em dia, mas ali não havia escolha. Tive que passar quinze dias sem e então fiz outras coisas. Li. Conversei com pessoas. Assisti a palestras. Dormi.
E um dia aconteceu uma coisa interessante.
A bordo do navio havia um artista plástico contratado para realizar com os passageiros algumas atividades especiais. Não me interessei por pintar quadros ou fazer instalações e fiquei na minha, mas durante um jantar com o artista, contei de minhas atividades e falei que eu era cartunista. Ele insistiu para que eu participasse das atividades. Quando cheguei à biblioteca, após o jantar, ele me deu um bloco de papel para aquarelas, um marcador, um lápis e uma borracha e disse pra eu me divertir.
Repentinamente eu estava ali, com tudo que sempre amei: lápis, borracha e papel. E comecei a desenhar. Desde 1982 não me lembro de ter dedicado tantas horas ao cartum. Fiz um, dois, três… No começo meio enferrujado, mas aos poucos as idéias foram brotando e no dia seguinte pela manhã eu havia feito dezoito cartuns. Todos focados nos assuntos da viagem. Ao final do terceiro dia eram 28 cartuns, sem nenhum problema, sem sofrimento, de primeira, naturalmente.
Que coisa curiosa. A falta da internet, do celular e do e-mail fez com que eu retomasse minha velha atividade de cartunista com amor e com paixão. Virei um artesão outra vez. Sem querer nada em troca, apenas a oportunidade de expressar-me através de minha arte. E as idéias foram fluindo como se estivessem guardadas à espera de uma chance para sair. Eu mesmo me impressionei com a facilidade e lembrei-me que uma vez o Zélio Alves Pinto comentou que o cartunista nunca perde a mão. Mesmo parado, seu traço está amadurecendo internamente. E deu o exemplo do Borjalo que – como eu – ficou mais de vinte anos sem “cartunar”. Quando retomou, seu traço estava melhor que antes…
Pois bem, naqueles dias a caminho do Pólo Norte em que voltei a ser um cartunista, refleti sobre minhas escolhas, sobre o tempo que passei e passo “trabalhando” enquanto deixo de lado pequenas coisas que são minha essência. No caso dos cartuns, eles foram deixados de lado porque fui levado a acreditar que eles não são “sérios”. São apenas manifestações artísticas, veadagens que não levam a lugar nenhum. Molecagens que nada valem diante das dificuldades de ganhar a vida, de produzir, de fazer algo de útil para a sociedade. Como o meu vizinho engenheiro. Ou seu cunhado médico. Ou sua irmã advogada. Ou seu amigo empresário…


A experiência artística foi aos poucos jogada para escanteio diante de uma sociedade cada vez mais pragmática, acostumada a valorizar apenas aqueles que produzem bens tangíveis, materiais. E com isso milhares, milhões de artistas ganham suas vidas hoje como escriturários, bancários e padeiros. Ou vendendo seu talento para a publicidade – a forma que a sociedade encontrou para transformar arte em mercadoria.


Pois quero propor um exercício. Dentro de alguns dias começam as Olimpíadas. Assista a cerimônia de abertura e veja quanto tem ali de arte. E depois reflita sobre a razão daquilo tudo se a sociedade não dá valor à arte.


O ser humano precisa de arte. Um quadro que nos comove, um poema que nos enleva a alma, uma música que nos leva às lágrimas, uma peça de teatro que nos faz refletir, um cartum que nos faz sorrir, uma escultura que nos prende o olhar… São experiências necessárias para quem quer uma vida completa.


Naquele navio a caminho do Pólo Norte – sem as armadilhas que consomem o meu tempo –  através da arte voltei a ser aquilo que eu sempre quis ser: simplesmente eu.


Agora preciso ir. Tenho três mil e-mails atrasados pra responder.