Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Nulo, branco ou praia

Nulo, branco ou praia

Luciano Pires -

Uma leitora me escreve: “Luciano, sugiro que você esclareça como podemos anular nossos votos para que não seja nem Dilma nem Serra, e que pelo percentual possam ver a indignação de um povo, que só tem a opção do menos pior.”

O comentário da leitora merece uma reflexão que alguns acharão óbvia, mas que pode ser útil. Vamos lá.

Na votação do dia 31 estaremos diante de cinco opções de voto: Dilma, Serra, nulo, branco ou simplesmente não aparecer para votar. Para muita gente as duas primeiras opções exigirão aquilo que a leitora chamou de “escolher o menos pior”.

Já o voto nulo é um voto de protesto: “Não concordo com nada do que está aí, não quero fazer parte desse circo, portanto voto em ninguém”. É uma opção válida, uma opinião que o eleitor dará sobre sua insatisfação com os candidatos e com a política nacional. É o voto da indignação

O voto em branco é diferente. Ele quer dizer: “não sei em quem votar. Fiquei em dúvida e prefiro me abster”. Também é uma opção válida. É o voto da dúvida.

O não comparecimento à votação pode querer dizer que “não vale a pena me deslocar até o local da votação para escolher o menos pior. Vou pra praia”. É o “voto” do desprezo.

Resumo: temos Dilma, Serra, Indignação, Dúvida ou Desprezo.

No primeiro turno tivemos o potencial de comparecimento de 135.804.433 eleitores às urnas. Desse total, 6.124.254 votaram nulo (4,51%); 3.479.340 votaram em branco (2,56%) e 24.610.296 não apareceram para votar (18,12%!).

A soma dos nulos, brancos e abstenções reduziu o potencial de 135 milhões de votos para pouco mais de 101 milhões, que chamamos de “votos válidos”. O candidato que conseguisse mais da metade dos votos válidos teria sido eleito Presidente. Nenhum conseguiu e os dois mais votados foram para o segundo turno.

Agora imaginemos uma situação hipotética. Suponha que a soma dos nulos, brancos e abstenções no segundo turno seja de 135.804.433. Nesse caso os votos válidos serão reduzidos a… 3 (três). E o candidato que obtiver 2 votos será eleito presidente. Não existe essa história que circula de que se tivermos mais de 70% de votos nulos a eleição é anulada. Essa é mais uma lenda que a ignorância perpetua ao longo dos anos.

A opção pela não escolha deixa o eleitor em paz com sua consciência, já que ele sente que não participou do circo. Mas apesar de ser uma opção válida, é egoísta. E o pior, essa sensação de “lavar as mãos” é um engano. Quem opta pelo nulo, branco ou abstenção está ajudando o candidato mais forte ao reduzir a quantidade de votos válidos. Sendo assim, seu “protesto, dúvida ou desprezo” também é uma escolha política, com conseqüências nas eleições. Pensando que não participou, você participou igual…

Portanto, respondendo à leitora: o que você pede é impossível. Apesar dos nulos, brancos ou da praia, será Dilma ou Serra. A reação possível está depois das eleições: transformar a indignação, a dúvida e o desprezo em ações efetivas de cobrança sobre seu vereador, seu deputado, seu senador e sobre o presidente eleito. Não aceitar bovinamente as mentiras, desmascarar a falsidade, ridicularizar os malandros, chamar bandido de bandido e vigarista de vigarista. Defender a lei e deixar claro que punguista eleitoral não tem mais vez.

Coisinhas simples que o brasileiro desaprendeu a fazer.

Bom voto.

Luciano Pires