Artigos Café Brasil
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 120 – Alexandre Correia
LíderCast 120 – Alexandre Correia
Luciano: Bom-dia, boa-tarde, boa-noite. Bem-vindo, ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os millennials não são tão criativos quanto pensam
Henrique Szklo
Tenho um amigo, o Rodriguez, que parece ter sido gerado não pelo útero da mãe, mas pelo intestino grosso dela. Seu mau humor é folclórico. E infinito. Estamos num boteco um dia desses quando ele ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Os advogados e jornalistas que insistem que não existe ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

Nulo, branco ou praia

Nulo, branco ou praia

Luciano Pires -

Uma leitora me escreve: “Luciano, sugiro que você esclareça como podemos anular nossos votos para que não seja nem Dilma nem Serra, e que pelo percentual possam ver a indignação de um povo, que só tem a opção do menos pior.”

O comentário da leitora merece uma reflexão que alguns acharão óbvia, mas que pode ser útil. Vamos lá.

Na votação do dia 31 estaremos diante de cinco opções de voto: Dilma, Serra, nulo, branco ou simplesmente não aparecer para votar. Para muita gente as duas primeiras opções exigirão aquilo que a leitora chamou de “escolher o menos pior”.

Já o voto nulo é um voto de protesto: “Não concordo com nada do que está aí, não quero fazer parte desse circo, portanto voto em ninguém”. É uma opção válida, uma opinião que o eleitor dará sobre sua insatisfação com os candidatos e com a política nacional. É o voto da indignação

O voto em branco é diferente. Ele quer dizer: “não sei em quem votar. Fiquei em dúvida e prefiro me abster”. Também é uma opção válida. É o voto da dúvida.

O não comparecimento à votação pode querer dizer que “não vale a pena me deslocar até o local da votação para escolher o menos pior. Vou pra praia”. É o “voto” do desprezo.

Resumo: temos Dilma, Serra, Indignação, Dúvida ou Desprezo.

No primeiro turno tivemos o potencial de comparecimento de 135.804.433 eleitores às urnas. Desse total, 6.124.254 votaram nulo (4,51%); 3.479.340 votaram em branco (2,56%) e 24.610.296 não apareceram para votar (18,12%!).

A soma dos nulos, brancos e abstenções reduziu o potencial de 135 milhões de votos para pouco mais de 101 milhões, que chamamos de “votos válidos”. O candidato que conseguisse mais da metade dos votos válidos teria sido eleito Presidente. Nenhum conseguiu e os dois mais votados foram para o segundo turno.

Agora imaginemos uma situação hipotética. Suponha que a soma dos nulos, brancos e abstenções no segundo turno seja de 135.804.433. Nesse caso os votos válidos serão reduzidos a… 3 (três). E o candidato que obtiver 2 votos será eleito presidente. Não existe essa história que circula de que se tivermos mais de 70% de votos nulos a eleição é anulada. Essa é mais uma lenda que a ignorância perpetua ao longo dos anos.

A opção pela não escolha deixa o eleitor em paz com sua consciência, já que ele sente que não participou do circo. Mas apesar de ser uma opção válida, é egoísta. E o pior, essa sensação de “lavar as mãos” é um engano. Quem opta pelo nulo, branco ou abstenção está ajudando o candidato mais forte ao reduzir a quantidade de votos válidos. Sendo assim, seu “protesto, dúvida ou desprezo” também é uma escolha política, com conseqüências nas eleições. Pensando que não participou, você participou igual…

Portanto, respondendo à leitora: o que você pede é impossível. Apesar dos nulos, brancos ou da praia, será Dilma ou Serra. A reação possível está depois das eleições: transformar a indignação, a dúvida e o desprezo em ações efetivas de cobrança sobre seu vereador, seu deputado, seu senador e sobre o presidente eleito. Não aceitar bovinamente as mentiras, desmascarar a falsidade, ridicularizar os malandros, chamar bandido de bandido e vigarista de vigarista. Defender a lei e deixar claro que punguista eleitoral não tem mais vez.

Coisinhas simples que o brasileiro desaprendeu a fazer.

Bom voto.

Luciano Pires