Artigos Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

CAPITULO 2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Que falta faz Roberto Campos!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Que falta faz Roberto Campos!  Homenagem em três livros “O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele nos pode dar é sempre menos do que nos pode tirar.” Roberto Campos ...

Ver mais

O copo, a água e o STF
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157256876268631 RESUMO DAS LIVES ANTERIORES: https://www.youtube.com/playlist?list=PL7XjPl0uOsj8TxfUISqzcl4YrxYBC0vOw

Ver mais

O Rock, Bruce Springsteen e uma lição sobre liderança!
Jeison Arenhart De Bastiani
Outro dia assisti boquiaberto algo que não sei muito bem como descrever, mas posso afirmar que foi incrível e vou contar para você como um músico (que confesso não acompanhar muito) me deu uma ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Cafezinho 166 – O nobre
Cafezinho 166 – O nobre
Este Brasil de 2019 é muito diferente daquele de 2015.

Ver mais

Noticiários Fortes

Noticiários Fortes

Luciano Pires -

Fico imaginando o horror que devem ser as reuniões de pauta dos telejornais brasileiros neste final de ano. As televisões precisam atingir as metas de faturamento e lucro e para isso necessitam de audiência. E este ano vinha muito bem: eleições no Brasil e nos EUA; crise global; Olimpíada; guerra de polícias… E os grandes sucessos de audiência: os casos Isabela Nardoni e Eloá Pimentel.

Mas este último trimestre promete ser magrinho, né? Se não aparecer uma tragédia pavorosa em breve, vamos ter cabeças rolando nas redações! Quer ver? Na Folha de S.Paulo, o colunista Daniel Castro dá a seguinte informação:

“Os telejornais da Record perderam audiência depois das coberturas dos casos trágicos de Isabella Nardoni e Eloá Pimentel. Durante a cobertura do caso Isabella, entre abril e maio, o “Balanço Geral” teve média de 11 pontos na Grande SP. Em setembro, a média do programa caiu para 5,5 pontos. O “SP Record” apresentou um crescimento de 26% durante o caso Eloá, em outubro. Já nos primeiros dias de novembro,  perdeu 16% de audiência. Outro noticiário que se beneficiou das tragédias foi o”Jornal da Record”, que apresentou uma pequena queda em novembro. Durante o mês de outubro, o programa teve crescimento de 12%. No dia da invasão do cativeiro de Eloá, foi registrado um pico de 17,6 pontos. Em nota, a emissora de Edir Macedo disse que seus telejornais sempre crescem com noticiários fortes e não apenas em casos policiais.”

“Noticiários fortes”. O que faz um noticiário ser forte? O fato noticiado ou a cobertura que se dá ao fato? As duas coisas, não é mesmo? Mas há uma diferença. Uma tragédia, um atentado, tem uma carga “forte” natural que tanto é mais forte quanto mais espetacular o acontecimento. A queda das torres gêmeas, por exemplo. Ou o buraco do metrô. Mas a tragédia esgota-se. Após algum tempo, passou. Acabou. Quem prolonga os efeitos, dramatiza as conseqüências e transforma os espectadores em parte do acontecimento é a imprensa, ao repetir as imagens, montar os videoclipes do terror, buscar lágrimas e dor incessantemente.

Pô, a função da imprensa não é informar? É. Mas onde se encaixa o “noticiário forte”? Na função de informar ou no espetáculo? Você tem alguma dúvida?

Isso é igualzinho à questão das drogas. A produção e tráfico de drogas só existem em função dos consumidores. Enquanto houver gente para comprar drogas, essa indústria vai proliferar.

E com as televisões despejando drogas em nossas salas de jantar acontece o mesmo. Quem dá audiência aos telejornais somos nós, os consumidores da “droga televisiva”. E eles sabem que quanto mais sangue e tragédias, mais nossa audiência terão. E os programadores de mídia das agências de publicidade ficam ouriçados com suas planilhas. E os gerentes de marketing dos anunciantes mais ouriçados ainda com as “oportunidades” de faturar algum. E nesse turbilhão, perdem-se as referências.

Quem não se lembra das promotoras de um energético fazendo uma “ação promocional” na cratera do metrô? Para os “comunicadores” da empresa a cratera era apenas um evento com muita gente reunida e a mídia assanhada. Lugar perfeito para uma ação promocional…

Essa é a lógica que transforma Isabela e Eloá em produtos explorados avidamente pelos apresentadores histriônicos dos telejornais, cuja função é fabricar “noticiários fortes”.

Mas eles só existem por terem a audiência que você dá. Sem audiência não existem anunciantes. Sem anunciantes não existe dinheiro. Sem dinheiro não dá pra botar “noticiários fortes” no ar. E sem “noticiários fortes, a audiência cai…

Entendeu o jogo? Você é a parte mais importante dele.