Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Nóis Qui Inverte As Coisa

Nóis Qui Inverte As Coisa

Luciano Pires -

No Brasil não é mais o mérito que determina o valor das pessoas, mas sua ideologia, sua cor, sua raça, sua condição física ou social. Falar bem o idioma é motivo de piada. Ser elite é quase uma maldição. Música de sucesso é a mais escatológica. O homem honesto aparece na televisão como algo excepcional. Roubar é normal. Bala perdida é normal. Corrupção é normal.

Vivemos uma inversão de valores sem precedentes e é contra esse estado das coisas que devemos gritar.

Meu grito começou em 2003 quando lancei o livro “Brasileiros Pocotó – Reflexões sobre a mediocridade que assola o Brasil”, iniciando uma luta pela “despocotização”do país.

“Despocotizar” vem de “pocotizar” que vem de “pocotó”… Criei esse neologismo a partir do funk “Eguinha Pocotó” que infestou as rádios e televisões do Brasil neste começo de milênio.

Uma pessoa pocotó é um bovino resignado que vive em manadas e é levado para onde os mais espertos querem. Alguém decide o que ela vai ler, comer, ouvir, vestir e… quem eleger! Sempre conformado e obediente, o pocotó não tem espírito crítico. Diante da oportunidade de escolher, prefere seguir a multidão. O pocotó é o representante daquele atributo que faz parte da natureza humana e que existirá enquanto houver um ser humano vivo: a mediocridade. O desafio é saber reconhecê-la e lutar para escapar dela.

Pois bem, passados seis anos desde que lancei o Brasileiros Pocotó, a impressão é que a coisa piorou. Os pocotós ficaram mais desinibidos, mais poderosos e perigosos. O Brasil mergulhou numa mistura de ideologia barata com comércio, oportunismo e ganância, que está empurrando o país para um buraco intelectual de onde penará a sair.

E é a partir dessa constatação que estou preparando o lançamento de meu novo livro: NÓIS. O título fica mais expressivo se for acompanhado do subtítulo: NÓIS QUI INVERTEMO AS COISA.

E antes que os linguistas – principalmente os que utilizam a linguística como ferramenta para pregação marxista – caiam de pau, devo informar que o “nóis” que escolhi como título não é aquele curioso jeito de falar do matuto, inocente e representativo de uma cultura. Não é o “nóis” que designa a primeira pessoa do plural. Não é o termo que indica um grupo de pessoas unidas pelo mesmo sonho, mesmo objetivo, mesmo ideal. O “nóis” que escolhi é resultado de um longo processo de incompetência educacional, indigência cultural e desfaçatez política. Escapa do informal para invadir o formal. Traz consigo atitudes, valores e convicções rasas. Abriga o pior do popular. O “nóis” que escolhi é aquele que vulgariza, diminui e empobrece. É o “nóis” transformado em ferramenta ideológica, em ícone de luta entre classes, em padrão de dignidade. Não é o “nóis” humilde. É o “nóis” burro. O “nóis” que revela a verdadeira miséria do Brasil: a intelectual.

Meu novo livro trata do emburrecimento nacional. É minha peça de resistência, para compartilhar com outros brasileiros as angústias e perplexidades que mantém nosso gigante eternamente adormecido.

São 284 páginas com textos inéditos e revisões e atualizações de artigos que publiquei desde 2004 e que, quando colocados em conjunto, ilustrados com meus cartuns e contextualizados, formam um painel destes tempos sob a ótica “Luciânica”.
São textos curtos. Apenas “iscas” cuja pretensão é fazer você refletir. Só. Quer ir mais fundo? Vire-se. Pesquise, leia, vá atrás dos grandes pensadores, estude, invista seu tempo enriquecendo seu repertório. Eu só levanto poeira, é um bom começo neste país de ressentimentos passivos.

No mais, concorde, discorde, fique puto, ria, desdenhe, reflita… Qualquer reação que minhas reflexões provocarem, será lucro.

Só a indiferença é perigosa. É ela que alimenta os Pocotós.