Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

571 – Fala sério
571 – Fala sério
Podcast Café brasil 571 - Fala Sério - Todo povo tem o ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

No Mundo Do Joystick

No Mundo Do Joystick

Luciano Pires -

Fui alfabetizado em 1963, em Bauru. E tenho um privilégio que poucas pessoas têm: a professora que me alfabetizou no primeiro ano primário do Grupo Escolar Rodrigues de Abreu chama-se Helena Pires. Minha mãe.


Lembro-me da cartilha usada na época e de ficar escrevendo cada letrinha, preenchendo espaços vazios e treinando, treinando, treinando. Até caderno de caligrafia eu usava e era proibido usar canetas. Só lápis. Caneta era pra quem sabia escrever.


Quando decorei o alfabeto fiquei sabendo que os caras tinham tirado fora um tal de “k” e o “w” e o “y”. Alguém disse que tinha acontecido uma mudança, que hoje chamamos de “reforma ortográfica”.


Só fui bom aluno de português durante um curto período no ginásio e a vida toda lutei com o “por que”, “porque” e “por quê”. Com as malditas crases, com os hífens, com os “estes” e “esses” e com a grafia de algumas palavras. Mas quem não lutou?


Considero-me um semi-letrado (Xi! Não tem mais hífen?) que conhece o suficiente para não passar fome e juntar umas palavrinhas. Tenho plena ciência de minhas limitações gramaticais, mas isso não impede que eu me expresse e me corrija sempre que descubro um erro.


A língua que falamos está viva, cresce e modifica-se. Coisas como “malufar”, “mensalão”, “deletar” tornaram-se corriqueiras e têm que ser incorporadas a nosso dia-a-dia. Se isso não acontecer ela vai estagnar e morrer… William Sheakespeare, um dos maiores escritores do idioma inglês, trabalhava com um universo de 110 mil palavras que hoje, 500 anos depois, ampliou-se para 540 mil palavras! O idioma é uma coisa viva, que cresce e evolui.


Recentemente vivi uma experiência interessante relacionada à forma como a tecnologia está impactando nosso idioma. Minha filha é absolutamente viciada pelo MSN e domina totalmente aquele jeito louco de escrever, cheio de “naum”, “vc”, “kd”, “rsssss” e outros truques que aumentam a velocidade das conversas ao teclado. O resultado é um dialeto horrível e indecifrável, que me preocupava.


Mas no último ano, quando ela passava dos 16 para os 17 anos de idade, notei uma fantástica evolução em seu vocabulário e redação. Fora da internet ela está escrevendo direitinho, sem os vícios do MSN. A conclusão é que a garotada – desde que receba educação suficiente – consegue separar as coisas e comportar-se conforme o ambiente em que está. É uma adaptabilidade, flexibilidade e capacidade de assimilação que nós, os tiozinhos e tiazinhas não temos… Nenhum de nós consegue prestar atenção em mais de três coisas ao mesmo tempo, capacidade que a molecada desenvolveu apoiada na tecnologia do tripé televisão/internet/ celular.


Isso é bom? No mundo onde fui criado, não. E me lembra da história de um amigo que foi a um Salão do Automóvel na Alemanha e experimentou um sistema de navegação no qual – em vez de volante – o carro tinha um joystick igual aos dos videogames.


Ao terminar a experiência meu amigo comentou com o técnico:


– O sistema é impressionante. Mas esse joystick é horrível.


A resposta foi arrasadora:


– É que para nós o senhor já morreu. 


Reformas ortográficas são bem-vindas. Se vão ser feitas direito, é outra história. Essa que estamos assistindo está sendo conduzida por vetustos senhores de vetustas academias, respeitadas por sua antigüidade (ou antiguidade?). No mundo do joystick estão mudando a cor do volante.


Precisa ser feito? Claro que sim. Mas enquanto eles vêm com a reforma a molecada aparece com a revolução.