Artigos Café Brasil
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Natais Legais

Natais Legais

Luciano Pires -

Escrever sobre Natal – no Natal – é uma obrigação. Mas com o tempo a gente meio que esgota o assunto. Apesar disso, em minhas pesquisas encontrei uma frase genial da escritora e humorista estadunidense Erma Bombeck:
– Nada é mais triste neste mundo do que acordar numa manhã de Natal e não ser criança.
Pronto. Bastou para me abrir um turbilhão de lembranças… Engraçado como o melhor Natal de nossas vidas é sempre um daqueles quando éramos crianças, não é? Parece que depois o Natal perde a graça. E acho que perde mesmo. Lembro-me de um em especial. O ano era 1966. Ou 67. Eu acabara de colocar meu primeiro par de óculos. Desde os oito anos eu percebia nas missas de domingo que cada vez ficava mais difícil enxergar a cara do padre. Afinal, lá em Bauru a igreja Santa Terezinha era gigantesca para uma criança que sempre sentava nos bancos lá do meio. Devia ter uns cinqüenta ou sessenta metros até o padre. Reclamei pra minha mãe e lá fui eu pro oculista. Interessante: a maioria das pessoas com quem converso diz que descobriu em sala de aula que precisava usar óculos. Comigo foi na missa… E hoje, quando vejo as fotos da época, fico com vergonha. Minha mãe comprou uma armação horrível, gigantesca. E as lentes eram verdes. Fiquei com uma cara de não sei o quê.
E então chegou o Natal. Meus natais sempre foram especiais, passados em família – e que família – na casa de meus avós maternos. Seu Duarte e Dona Dora recebiam filhos e netos para pelo menos três dias de bagunça. Quando eu tinha dez anos, devíamos ser vinte pessoas. Todos os adultos davam presentes pra todas as crianças. Era uma festa! Mas naquele ano a coisa foi diferente. Só ganhei presentes que crianças detestam: meias, cintos, lenços… Fiquei frustradíssimo. Meus primos com brinquedos, todo mundo feliz e eu emburrado. Findo o jantar, voltamos pra casa. E eu não me conformava. Outro Natal, só dali a um ano. E eu com aqueles presentinhos mequetrefes…
Quando chegamos em casa, meu pai estranhamente pediu que eu fosse na frente para acender a luz do quarto. Não lembro que argumento ele usou, mas fui. Quando abri a porta de meu quarto, todo escuro, senti um cheiro forte de coisa nova. Acendi a luz e lá, bem no meio, havia uma maravilhosa bicicleta. Uma Monareta vermelha e branca, a bicicleta mais linda que já vi na vida. Com um desenho diferenciado, rodas pequenas e aparência mais robusta que as bicicletas tradicionais, a Monareta era o sonho de qualquer garoto. E ali estava a minha. O Natal que se configurava o maior mico transformou-se para mim no melhor Natal de todos os tempos. Quando penso em Natal, me lembro daquele momento.
No dia seguinte acordei mais cedo, agitado. E corri encher o pneu da bicicleta para inaugurar meu presente. Saí da garagem com cuidado, pois eu ainda não me entendia muito bem com bicicletas e fui me equilibrando como pude. Quando cheguei próximo da esquina perdi o equilíbrio e quase fui ao chão. Tive que fazer uma manobra estranha para não cair. Um garoto que vinha passando assistiu a cena e gritou:
– Vai ô quatro-olho!
Naquele momento meu melhor Natal acabou. Fui cuspido de volta para a realidade, para encarar a verdade terrível: eu usava óculos! Era um “quatro-olho”, motivo de piada pelo resto da vida. Não sabia que no futuro as coisas mudariam e usar óculos seria “fashion”. Até quem não precisasse pagaria uma fortuna para ostentar um “Armani” sobre o nariz. Um dia escreverei a respeito.
Agora quero voltar pra minha Monareta. É dela que quero lembrar.
Enquanto isso deixo com você, como presente de Natal, uma outra frase. Esta eu não sei quem escreveu, mas é tão genial quanto a que usei para abrir este texto:


“Uma das coisas legais do Natal é que você pode fazer as pessoas esquecerem o passado com um presente.”


Feliz Natal.