Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Natais Legais

Natais Legais

Luciano Pires -

Escrever sobre Natal – no Natal – é uma obrigação. Mas com o tempo a gente meio que esgota o assunto. Apesar disso, em minhas pesquisas encontrei uma frase genial da escritora e humorista estadunidense Erma Bombeck:
– Nada é mais triste neste mundo do que acordar numa manhã de Natal e não ser criança.
Pronto. Bastou para me abrir um turbilhão de lembranças… Engraçado como o melhor Natal de nossas vidas é sempre um daqueles quando éramos crianças, não é? Parece que depois o Natal perde a graça. E acho que perde mesmo. Lembro-me de um em especial. O ano era 1966. Ou 67. Eu acabara de colocar meu primeiro par de óculos. Desde os oito anos eu percebia nas missas de domingo que cada vez ficava mais difícil enxergar a cara do padre. Afinal, lá em Bauru a igreja Santa Terezinha era gigantesca para uma criança que sempre sentava nos bancos lá do meio. Devia ter uns cinqüenta ou sessenta metros até o padre. Reclamei pra minha mãe e lá fui eu pro oculista. Interessante: a maioria das pessoas com quem converso diz que descobriu em sala de aula que precisava usar óculos. Comigo foi na missa… E hoje, quando vejo as fotos da época, fico com vergonha. Minha mãe comprou uma armação horrível, gigantesca. E as lentes eram verdes. Fiquei com uma cara de não sei o quê.
E então chegou o Natal. Meus natais sempre foram especiais, passados em família – e que família – na casa de meus avós maternos. Seu Duarte e Dona Dora recebiam filhos e netos para pelo menos três dias de bagunça. Quando eu tinha dez anos, devíamos ser vinte pessoas. Todos os adultos davam presentes pra todas as crianças. Era uma festa! Mas naquele ano a coisa foi diferente. Só ganhei presentes que crianças detestam: meias, cintos, lenços… Fiquei frustradíssimo. Meus primos com brinquedos, todo mundo feliz e eu emburrado. Findo o jantar, voltamos pra casa. E eu não me conformava. Outro Natal, só dali a um ano. E eu com aqueles presentinhos mequetrefes…
Quando chegamos em casa, meu pai estranhamente pediu que eu fosse na frente para acender a luz do quarto. Não lembro que argumento ele usou, mas fui. Quando abri a porta de meu quarto, todo escuro, senti um cheiro forte de coisa nova. Acendi a luz e lá, bem no meio, havia uma maravilhosa bicicleta. Uma Monareta vermelha e branca, a bicicleta mais linda que já vi na vida. Com um desenho diferenciado, rodas pequenas e aparência mais robusta que as bicicletas tradicionais, a Monareta era o sonho de qualquer garoto. E ali estava a minha. O Natal que se configurava o maior mico transformou-se para mim no melhor Natal de todos os tempos. Quando penso em Natal, me lembro daquele momento.
No dia seguinte acordei mais cedo, agitado. E corri encher o pneu da bicicleta para inaugurar meu presente. Saí da garagem com cuidado, pois eu ainda não me entendia muito bem com bicicletas e fui me equilibrando como pude. Quando cheguei próximo da esquina perdi o equilíbrio e quase fui ao chão. Tive que fazer uma manobra estranha para não cair. Um garoto que vinha passando assistiu a cena e gritou:
– Vai ô quatro-olho!
Naquele momento meu melhor Natal acabou. Fui cuspido de volta para a realidade, para encarar a verdade terrível: eu usava óculos! Era um “quatro-olho”, motivo de piada pelo resto da vida. Não sabia que no futuro as coisas mudariam e usar óculos seria “fashion”. Até quem não precisasse pagaria uma fortuna para ostentar um “Armani” sobre o nariz. Um dia escreverei a respeito.
Agora quero voltar pra minha Monareta. É dela que quero lembrar.
Enquanto isso deixo com você, como presente de Natal, uma outra frase. Esta eu não sei quem escreveu, mas é tão genial quanto a que usei para abrir este texto:


“Uma das coisas legais do Natal é que você pode fazer as pessoas esquecerem o passado com um presente.”


Feliz Natal.