Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Na Dúvida

Na Dúvida

Luciano Pires -

Num artigo anterior escrevi sobre o problema da escolha diante de muitas opções. E eu dizia que temos dificuldades de lidar com a liberdade de escolha. A consciência dessa liberdade dá medo.

Pois bem, faltou comentar sobre uma curiosa atitude que está presente na maioria dos contatos profissionais que venho realizando com grandes empresas, agora como um mero fornecedor.

Converso, levanto informações, crio e envio um projeto. E então as pessoas desaparecem. E a cada nova tentativa de contato vem um previsível: “o projeto está sendo analisado.”

Mas que tanto analisam? E enquanto analisam a coisa fica empatada. Qual é o problema de dizer ”não queremos” ou “não nos serve” ou até mesmo um “não gostamos”? Qualquer retorno é melhor que nenhum. Mesmo uma negação é um alívio, pois abre caminho para que nossa energia seja focada em outras frentes.

Mas não. Não vem nem um sim, nem um não. Só um “estamos analisando”.

Sobre esse assunto,recebi um email interessante do amigo leitor Pedro Lanzoni, que me apresentou um conceito delicioso: a paralisia pela análise.

Escreveu o Pedro:

“…minha percepção no que tange ao desaparecimento acelerado daquilo que se pode qualificar como visão estratégica é a mesma que a sua.(…) Esses rapazes e moças poliglotas, recém-saídos de cursos de MBA, são extremamente eficientes em fazer coisas. Desde que alguém lhes diga o que fazer. Deixados à própria sorte para tomar decisões, ou não as tomam (há uma expressão que usávamos em outra empresa, onde trabalhei por muito tempo, para demonstrar a maneira pela qual projetos não avançavam – paralisis by analysis) ou quando as tomam fazem-nos sentir aquele arrepio na espinha que Napoleão também sentia quando se deparava com soldados com excesso de imaginação ou com generais sem imaginação alguma.”

Paralisia por análise, que delícia!

Em minhas palestras tenho batido naquilo que chamo de “a espiral destrutiva do pensamento””. Tudo começa com nosso repertório, que é a base para nossas reflexões, que são a base para nossas análises, julgamentos e escolhas. Um repertório fraco leva a reflexões tortas, que induzem a análises errôneas, julgamentos falhos e escolhas erradas. É este ciclo que precisa ser quebrado e o conceito da “paralisia por análise” cai como uma luva.

A falta de experiência (repertório) dessa moçada impetuosa e um medo terrível de correr riscos causam a paralisia pela análise. No afã de resolver o assunto, mais gente é colocada no processo: se é pra errar, que seja em conjunto. Assim a responsabilidade é compartilhada. E lá vem mais opiniões inseguras. Mais dados a serem analisados. E a dança em círculos torna-se perene, com as decisões sendo postergadas, os processos avolumando-se e “todo mundo ocupado demais”.

Essa armadilha precisa ser vencida por quem espera crescer profissional e pessoalmente. E para vencê-la não existe segredo: mais repertório e o exercício constante, diário, sistemático da re-fle-xão. Reflita antes de escrever aquele email. Reflita antes de fazer sua escolha. Reflita antes de abrir a boca naquela reunião. Mas jamais perca de vista que suas reflexões serão resultado de seu repertório.

E, quando estiver em dúvida, siga o conselho de Abrahan Lincoln, o ex- presidente dos Estados Unidos: “É melhor ficar calado e deixar que todos pensem que você é um idiota do que abrir a boca e acabar com a dúvida.”