Artigos Café Brasil
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Na Dúvida

Na Dúvida

Luciano Pires -

Num artigo anterior escrevi sobre o problema da escolha diante de muitas opções. E eu dizia que temos dificuldades de lidar com a liberdade de escolha. A consciência dessa liberdade dá medo.

Pois bem, faltou comentar sobre uma curiosa atitude que está presente na maioria dos contatos profissionais que venho realizando com grandes empresas, agora como um mero fornecedor.

Converso, levanto informações, crio e envio um projeto. E então as pessoas desaparecem. E a cada nova tentativa de contato vem um previsível: “o projeto está sendo analisado.”

Mas que tanto analisam? E enquanto analisam a coisa fica empatada. Qual é o problema de dizer ”não queremos” ou “não nos serve” ou até mesmo um “não gostamos”? Qualquer retorno é melhor que nenhum. Mesmo uma negação é um alívio, pois abre caminho para que nossa energia seja focada em outras frentes.

Mas não. Não vem nem um sim, nem um não. Só um “estamos analisando”.

Sobre esse assunto,recebi um email interessante do amigo leitor Pedro Lanzoni, que me apresentou um conceito delicioso: a paralisia pela análise.

Escreveu o Pedro:

“…minha percepção no que tange ao desaparecimento acelerado daquilo que se pode qualificar como visão estratégica é a mesma que a sua.(…) Esses rapazes e moças poliglotas, recém-saídos de cursos de MBA, são extremamente eficientes em fazer coisas. Desde que alguém lhes diga o que fazer. Deixados à própria sorte para tomar decisões, ou não as tomam (há uma expressão que usávamos em outra empresa, onde trabalhei por muito tempo, para demonstrar a maneira pela qual projetos não avançavam – paralisis by analysis) ou quando as tomam fazem-nos sentir aquele arrepio na espinha que Napoleão também sentia quando se deparava com soldados com excesso de imaginação ou com generais sem imaginação alguma.”

Paralisia por análise, que delícia!

Em minhas palestras tenho batido naquilo que chamo de “a espiral destrutiva do pensamento””. Tudo começa com nosso repertório, que é a base para nossas reflexões, que são a base para nossas análises, julgamentos e escolhas. Um repertório fraco leva a reflexões tortas, que induzem a análises errôneas, julgamentos falhos e escolhas erradas. É este ciclo que precisa ser quebrado e o conceito da “paralisia por análise” cai como uma luva.

A falta de experiência (repertório) dessa moçada impetuosa e um medo terrível de correr riscos causam a paralisia pela análise. No afã de resolver o assunto, mais gente é colocada no processo: se é pra errar, que seja em conjunto. Assim a responsabilidade é compartilhada. E lá vem mais opiniões inseguras. Mais dados a serem analisados. E a dança em círculos torna-se perene, com as decisões sendo postergadas, os processos avolumando-se e “todo mundo ocupado demais”.

Essa armadilha precisa ser vencida por quem espera crescer profissional e pessoalmente. E para vencê-la não existe segredo: mais repertório e o exercício constante, diário, sistemático da re-fle-xão. Reflita antes de escrever aquele email. Reflita antes de fazer sua escolha. Reflita antes de abrir a boca naquela reunião. Mas jamais perca de vista que suas reflexões serão resultado de seu repertório.

E, quando estiver em dúvida, siga o conselho de Abrahan Lincoln, o ex- presidente dos Estados Unidos: “É melhor ficar calado e deixar que todos pensem que você é um idiota do que abrir a boca e acabar com a dúvida.”