Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Mundos morais

Mundos morais

Luciano Pires -

Estes dias de embates políticos têm sido um aprendizado só. As mídias sociais estão se revelando verdadeiros laboratórios do comportamento humano diante de quem pensa diferente. Desde que forcei a mão nas questões político-ideológicas, assumindo a defesa dos ideais liberais-conservadores em minhas páginas e em meu Podcast, tenho experimentado situações inusitadas. Por um lado, aumentei minha audiência dramaticamente, por outro perdi leitores e ouvintes que antes admiravam minha suposta imparcialidade e se decepcionaram quando descobriram que tenho uma visão de mundo diferente da deles.

– Como é que um cara tão legal, tão sensível e aparentemente tão inteligente pode defender uma barbaridade dessas?

Fica difícil conviver com essa questão, não é? Especialmente quando admiramos de verdade uma pessoa. Batizei essa sensação de Síndrome de Chico Buarque.

– Mas, se a pessoa é assim tão admirável… Será que o errado sou eu?

É essa possibilidade de estar do lado errado que nos provoca angústia. Não raro me pego diante de situações assim, e me questiono profundamente. Será que quanto mais estuda, mais idiota a pessoa fica? Ou o idiota sou eu?

Mas o fato de uma pessoa ser inteligente, talentosa, inovadora, não quer dizer que ela comungue os mesmos valores morais que eu. Pode ser que ela viva num mundo moral diferente. Ambos queremos um mundo melhor, mais justo, mais respeitoso, mais abundante, mas divergimos profundamente na forma de chegar lá.

Para mim, esse “chegar lá” significa respeitar a lei, respeitar a autoridade, respeitar a liberdade individual, reconhecer que não sei tudo, que o mundo e o homem são imperfeitos e que é impossível resolver as coisas com uma revolução. O que dá para fazer é consertar o que está errado e conservar o que está certo, dar liberdade para o indivíduo. Se alguém queima a bandeira do Brasil, fico indignado, pois vejo ali valores desrespeitados. Quando erro, primeiro acho que a culpa é minha e devo arcar com as consequências.

Já meu amigo do “outro lado” entende que por um bem maior, a lei pode ser “contornada”. Questiona a autoridade e acha que algo que não prejudica ninguém não deve ser proibido, que queimar a bandeira é só queimar um pedaço de pano, que todos têm o direito de se expressar. Quando erra, culpa fatores externos e não acha justo assumir sozinho a responsabilidade.

Eu e meu amigo somos igualmente inteligentes, temos acesso aos mesmos fatos, mas chegamos a conclusões diferentes, pois partimos de valores morais distintos. Nossas disputas políticas não são resultantes de ignorância ou maldade. Sim, é claro que existem os bandidos contumazes, mas não é a eles que me refiro, e sim ao meu vizinho, com quem tomo chopp, divido o churrasco e falo da vida.

No máximo em alguns momentos compartilharemos alguns valores ou nos toleraremos mutuamente, desde que as concessões não sejam grandes demais. Mas sei que dificilmente conseguirei convencê-lo a compartilhar minha visão de mundo. Nem ele a mim. A menos que mudemos nossos valores.

Em minha palestra Tudo Bem Se Me Convém afirmo que valores morais, e por consequência a ética, dependem do espaço geográfico e temporal que você ocupa. Onde e quando você está. Uma vez adquiridos, esses valores morais resistem a mudar mediante simples argumentos. Mas talvez dependam também do como você está. Onde, quando e como.

Enquanto alguns valores morais têm raízes biológicas, outros são resultado de pressões sociais, condicionamento emocional, imitação ou exposição aos grupos nos quais convivemos. Alguns têm a ver com racionalidade, outros com a natureza humana. Existiriam então múltiplas moralidades?

Talvez vivamos, tal como dimensões paralelas, em mundos morais diferentes e nenhum discurso político nos levará ao consenso.

Quem não entender isso continuará xingando.

Me ajuda a continuar essa reflexão?