Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Mudei de ideia

Mudei de ideia

Luciano Pires -

Em minha palestra Geração T, comento que a humanidade sempre se desenvolveu em tribos. Fazer parte de uma tribo é um exercício de cooperação e solidariedade, além de dar aquela sensação de pertencimento, de segurança e de compartilhamento de um propósito com gente que pensa como a gente. E isso é bom!

O que mantém uma tribo coesa é o compartilhamento de crenças e  valores, muitos dos quais adquirimos não por uma análise racional, mas por simplesmente copiar o que os outros fazem e como pensam. E é exatamente essa conformidade de linha de pensamento que faz com que acreditemos em certas coisas sem nem mesmo uma avaliação racional. O resultado? O falso consenso, quando superestimamos a quantidade de pessoas que pensam como nós.

Claro! Se eu passo minha vida dentro de minha tribo, rodeado de gente que pensa como eu, é natural que eu ache que a verdade da minha tribo é a definitiva. Com as mídias sociais, então, atingimos o estado da arte do falso consenso. O Google e o Facebook, por exemplo, trabalham com algoritmos, programações que seguem uma receita para que tarefas sejam realizadas. Por meio desses algoritmos eles “aprendem” quem eu sou, do que gosto, o que quero, e passam a expor para mim aquilo que possa ser de meu interesse. Assim sou bombardeado diariamente de notícias e fatos identificados com minha visão de mundo. O Facebook mostra para mim mais que uma tribo, um mundo onde todos pensam parecido comigo. Daí a imaginar que esse é o mundo real, que minhas ideias, e só elas, é que valem, é um pulo.

Surge então o viés de confirmação: acabo até mesmo inconscientemente me rodeando de notícias, opiniões, pessoas e ideias que confirmem aquilo que eu acho que é o certo. E não sou exposto a ideias e opiniões contrárias às minhas. Na verdade, passo a combate-las.

O resultado? Polarização. Os debates tendem a ter apenas um lado, o que faz com que as pessoas reforcem cada vez mais seus credos numa mesma direção, e a tribos, agarradas a suas visões extremas, tornam-se selvagemente defensoras de suas verdades, ressentidas, odiosas, vingativas.  E você, como indivíduo, fica prontinho para ser chocado.

– Cara, mas todo mundo ia votar na Hillary!

– Meu, mas o Dória não tinha a menor chance!

– Como assim, foram a favor do Brexit?

Meu caro, minha cara, “todo mundo” não existe. O que existe é “minha tribo”. E muitas outras tribos. Aquele jornalista sabido está defendendo as ideias da tribo dele. Aquele professor, fala da tribo dele. Aquela empresária, fala da tribo dela. O religioso, fala da tribo dele. Nenhum deles fala por ou para “todo mundo”. Falam para “seus mundos”.

Eu, aqui, escrevo para minha tribo!

Isso é ruim? De maneira alguma. A única forma de construir uma sociedade melhor é começando por mim e depois com meus companheiros de tribo, questionando nossas crenças e mostrando que existe vida inteligente lá fora.

Muito bem, meus votos para 2017 é que você diga muitas vezes ao longo do ano uma frase mágica:

-Mudei de ideia.

Sabe o que isso significará? Que você está atento para o que acontece além de sua tribo. Que você terá aprendido valores de outras tribos. Que terá aumentado seu repertório. Que terá ficado mais rico.

Simples, né?

Feliz 2017.