Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Mudei de ideia

Mudei de ideia

Luciano Pires -

Em minha palestra Geração T, comento que a humanidade sempre se desenvolveu em tribos. Fazer parte de uma tribo é um exercício de cooperação e solidariedade, além de dar aquela sensação de pertencimento, de segurança e de compartilhamento de um propósito com gente que pensa como a gente. E isso é bom!

O que mantém uma tribo coesa é o compartilhamento de crenças e  valores, muitos dos quais adquirimos não por uma análise racional, mas por simplesmente copiar o que os outros fazem e como pensam. E é exatamente essa conformidade de linha de pensamento que faz com que acreditemos em certas coisas sem nem mesmo uma avaliação racional. O resultado? O falso consenso, quando superestimamos a quantidade de pessoas que pensam como nós.

Claro! Se eu passo minha vida dentro de minha tribo, rodeado de gente que pensa como eu, é natural que eu ache que a verdade da minha tribo é a definitiva. Com as mídias sociais, então, atingimos o estado da arte do falso consenso. O Google e o Facebook, por exemplo, trabalham com algoritmos, programações que seguem uma receita para que tarefas sejam realizadas. Por meio desses algoritmos eles “aprendem” quem eu sou, do que gosto, o que quero, e passam a expor para mim aquilo que possa ser de meu interesse. Assim sou bombardeado diariamente de notícias e fatos identificados com minha visão de mundo. O Facebook mostra para mim mais que uma tribo, um mundo onde todos pensam parecido comigo. Daí a imaginar que esse é o mundo real, que minhas ideias, e só elas, é que valem, é um pulo.

Surge então o viés de confirmação: acabo até mesmo inconscientemente me rodeando de notícias, opiniões, pessoas e ideias que confirmem aquilo que eu acho que é o certo. E não sou exposto a ideias e opiniões contrárias às minhas. Na verdade, passo a combate-las.

O resultado? Polarização. Os debates tendem a ter apenas um lado, o que faz com que as pessoas reforcem cada vez mais seus credos numa mesma direção, e a tribos, agarradas a suas visões extremas, tornam-se selvagemente defensoras de suas verdades, ressentidas, odiosas, vingativas.  E você, como indivíduo, fica prontinho para ser chocado.

– Cara, mas todo mundo ia votar na Hillary!

– Meu, mas o Dória não tinha a menor chance!

– Como assim, foram a favor do Brexit?

Meu caro, minha cara, “todo mundo” não existe. O que existe é “minha tribo”. E muitas outras tribos. Aquele jornalista sabido está defendendo as ideias da tribo dele. Aquele professor, fala da tribo dele. Aquela empresária, fala da tribo dela. O religioso, fala da tribo dele. Nenhum deles fala por ou para “todo mundo”. Falam para “seus mundos”.

Eu, aqui, escrevo para minha tribo!

Isso é ruim? De maneira alguma. A única forma de construir uma sociedade melhor é começando por mim e depois com meus companheiros de tribo, questionando nossas crenças e mostrando que existe vida inteligente lá fora.

Muito bem, meus votos para 2017 é que você diga muitas vezes ao longo do ano uma frase mágica:

-Mudei de ideia.

Sabe o que isso significará? Que você está atento para o que acontece além de sua tribo. Que você terá aprendido valores de outras tribos. Que terá aumentado seu repertório. Que terá ficado mais rico.

Simples, né?

Feliz 2017.