Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

Café Brasil 584 – O muitos e o um
Café Brasil 584 – O muitos e o um
Que loucura é essa na qual embarcamos? As pessoas estão ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Irmãos cara de pau
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Tudo bem, o Brasil todo tá cansado de saber que ministério é apenas moeda de troca política; bons tempos em que servia só para alavancar os assuntos, prioridades e planejamento de cada pasta. ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Cafezinho 17 – Oportunismo disciplinado
Cafezinho 17 – Oportunismo disciplinado
Oportunismo disciplinado. Mais que os 60% de ...

Ver mais

Morda a isca.

Morda a isca.

Luciano Pires -

Uma das bases do meu trabalho, que chamo de “fitness intelectual”, é a distribuição de “iscas intelectuais”. A definição das iscas está no nome: iscas não matam a fome, apenas abrem o apetite. Iscas intelectuais servem, portanto, para despertar o apetite intelectual das pessoas. Um fragmento de texto, uma música, uma ideia, um argumento, um poema, uma frase… são gatilhos que, para quem pratica o fitness intelectual, servem como motivação para sair atrás de autores, artistas, escritores, gente com conteúdo relevante capaz de enriquecer repertórios. E recebo constantemente mensagens de agradecimento de leitores e ouvintes, felizes com as descobertas que fazem a partir de minhas iscas.

Mas para que as iscas funcionem, é necessária uma contrapartida do leitor ou ouvinte. Ele ou ela tem que exercer a curiosidade, mergulhar mais fundo, sair atrás. Tem que buscar compreender aquela ironia, o que há por trás daquele texto, daquela música. Caso contrário, as iscas não funcionam.

Quer um exemplo? Publiquei uma frase polêmica, de Bill Levitt, parecida com as que sempre uso, nas Iscas Intelectuais semanais que posto no Facebook: “Alguns têm talento. Outros compensam a falta de talento com trabalho duro. Para o resto existem os sindicatos.”

Eu sabia que viria a reação, que não demorou, com comentários como este, que resume os outros:

“Puro lixo! Os sindicatos surgiram para ganhar direitos para os trabalhadores e combater a exploração pelos patrões capitalistas. Seguro que você conheça a história. Falar que os sindicatos são para gente que não tem talento ou não se esforça é um argumento muito ruim. Gosto do seu programa mas este tipo de comentário só serve para desacreditar seu discurso.”

Pois é, a isca não funcionou…

Indignado com uma afirmação que vai contra seus credos, o leitor não praticou o fitness intelectual, não ficou curioso por saber quem é o autor da frase. Tivesse ido atrás, e bastariam dois cliques, teria aprendido que Bill Levitt foi o sujeito que revolucionou o sistema de construção de casas nos Estados Unidos, reduzindo o tempo e o custo da obra drasticamente, para atender os veteranos que retornavam da II Guerra Mundial. Ele teve que reinventar um processo antigo e como resultado criou o conceito do bairro de subúrbio planejado, que acabou se tornando uma marca cultural dos Estados Unidos. Bill Levitt foi um dos responsáveis pela criação do “American Dream”, que ajudou a tornar os Estados Unidos a nação mais poderosa do planeta. E para isso, Bill teve que quebrar paradigmas gigantescos. Um deles, talvez o maior, foi enfrentar as pressões dos sindicatos, que sentiram-se ameaçados por suas ideias inovadoras.

Quem mordeu a isca, aprendeu um pouco sobre a história dos Estados Unidos, sobre o gênio empreendedor e a personalidade polêmica de Levitt, que foi acusado, entre outras coisas, de racismo.  Quem mordeu a isca, teve uma lição de empreendedorismo e liderança e saiu da leitura do texto mais rico do que entrou.

Quem não mordeu, não aprendeu nada, não ganhou nada, não aproveitou nada. Saiu da leitura do texto do mesmo jeito que entrou.

Fica a dica então:

Seja sempre bem-vindo ao Café Brasil.

Mas morda a isca.