Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

571 – Fala sério
571 – Fala sério
Podcast Café brasil 571 - Fala Sério - Todo povo tem o ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Morda a isca.

Morda a isca.

Luciano Pires -

Uma das bases do meu trabalho, que chamo de “fitness intelectual”, é a distribuição de “iscas intelectuais”. A definição das iscas está no nome: iscas não matam a fome, apenas abrem o apetite. Iscas intelectuais servem, portanto, para despertar o apetite intelectual das pessoas. Um fragmento de texto, uma música, uma ideia, um argumento, um poema, uma frase… são gatilhos que, para quem pratica o fitness intelectual, servem como motivação para sair atrás de autores, artistas, escritores, gente com conteúdo relevante capaz de enriquecer repertórios. E recebo constantemente mensagens de agradecimento de leitores e ouvintes, felizes com as descobertas que fazem a partir de minhas iscas.

Mas para que as iscas funcionem, é necessária uma contrapartida do leitor ou ouvinte. Ele ou ela tem que exercer a curiosidade, mergulhar mais fundo, sair atrás. Tem que buscar compreender aquela ironia, o que há por trás daquele texto, daquela música. Caso contrário, as iscas não funcionam.

Quer um exemplo? Publiquei uma frase polêmica, de Bill Levitt, parecida com as que sempre uso, nas Iscas Intelectuais semanais que posto no Facebook: “Alguns têm talento. Outros compensam a falta de talento com trabalho duro. Para o resto existem os sindicatos.”

Eu sabia que viria a reação, que não demorou, com comentários como este, que resume os outros:

“Puro lixo! Os sindicatos surgiram para ganhar direitos para os trabalhadores e combater a exploração pelos patrões capitalistas. Seguro que você conheça a história. Falar que os sindicatos são para gente que não tem talento ou não se esforça é um argumento muito ruim. Gosto do seu programa mas este tipo de comentário só serve para desacreditar seu discurso.”

Pois é, a isca não funcionou…

Indignado com uma afirmação que vai contra seus credos, o leitor não praticou o fitness intelectual, não ficou curioso por saber quem é o autor da frase. Tivesse ido atrás, e bastariam dois cliques, teria aprendido que Bill Levitt foi o sujeito que revolucionou o sistema de construção de casas nos Estados Unidos, reduzindo o tempo e o custo da obra drasticamente, para atender os veteranos que retornavam da II Guerra Mundial. Ele teve que reinventar um processo antigo e como resultado criou o conceito do bairro de subúrbio planejado, que acabou se tornando uma marca cultural dos Estados Unidos. Bill Levitt foi um dos responsáveis pela criação do “American Dream”, que ajudou a tornar os Estados Unidos a nação mais poderosa do planeta. E para isso, Bill teve que quebrar paradigmas gigantescos. Um deles, talvez o maior, foi enfrentar as pressões dos sindicatos, que sentiram-se ameaçados por suas ideias inovadoras.

Quem mordeu a isca, aprendeu um pouco sobre a história dos Estados Unidos, sobre o gênio empreendedor e a personalidade polêmica de Levitt, que foi acusado, entre outras coisas, de racismo.  Quem mordeu a isca, teve uma lição de empreendedorismo e liderança e saiu da leitura do texto mais rico do que entrou.

Quem não mordeu, não aprendeu nada, não ganhou nada, não aproveitou nada. Saiu da leitura do texto do mesmo jeito que entrou.

Fica a dica então:

Seja sempre bem-vindo ao Café Brasil.

Mas morda a isca.