Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Momento Kodak

Momento Kodak

Luciano Pires -

Quando visitei a Disney pela primeira vez, quase trinta anos atrás, fiquei impressionado com um dos pavilhões menos badalados do Epcot Center: o da Kodak. Logo ao entrar, assisti a uma apresentação audio-visual sofisticada na tecnologia, mas muito simples no conteúdo: fotografias singelas, sem efeitos, apenas mostrando pessoas no dia a dia. Me dei conta, emocionado, da importância que uma empresa pode ter na vida das pessoas. Havia ali uma história sendo contada, utilizando a tecnologia que George Eastman criou. Foi ele quem inventou o filme em rolo em 1884 e, quatro anos mais tarde, a primeira câmera “Kodak”. Era uma câmera quadrada e preta, de plástico. Eu tive uma…

Em 1892 nasceu a George Eastman Kodak Company seguindo uma estratégia clara: enquanto todo mundo fabricava câmeras, ela dedicou-se a fabricar filmes. E deu no que deu. Assim que começou a ganhar dinheiro, George transformou-se num dos maiores filantropos da história. Doou mais de 100 milhões de dólares (imagine quanto representava isso entre 1900 e 1930!) especialmente para a criação de institutos voltados à educação, tecnologia e saúde pública. Ele não queria publicidade e doou grandes somas ao MIT (Massachussets Institute of Technology) sob a alcunha de Mr. Smith…

Sofrendo com uma doença degenerativa na coluna vertebral, George Eastman suicidou-se em 1932, deixando um bilhete: “Meu trabalho está feito. Para quê esperar?”.

Em 1935 a Kodak lançou um filme com a marca Kodachrome. E o mundo ficou mais colorido, especialmente no cinema.

Onde está o verdadeiro valor do processo criado por George, que transformou o complicadíssimo ato de fotografar em algo simples, ao alcance de todos? Dê uma olhada numa foto que está em sua carteira, ou que você colocou aí sobre a mesa. É na capacidade que ela tem de acionar sua memória, de trazer à tona uma história, um momento, uma emoção, que está seu valor. George Eastman criou uma chave mágica para acionar nossas memórias, que seus marqueteiros brilhantemente batizaram de “momento Kodak”. Por isso a Kodak sempre foi mais que simplesmente uma empresa ou um produto, cumprindo um papel importante em minha vida. É nesses momentos que fico maravilhado com a capacidade criativa do homem.

Toco neste assunto diante da notícia de que a Kodak, atropelada pela tecnologia digital, pediu concordata. Eu poderia tratar aqui da miopia empresarial que levou a empresa à essa situação, mas quero falar de outra coisa: de magia. Um pouco dela já havia desaparecido quando a fotografia digital liquidou com aquele a ansiedade com que abríamos o envelope com as fotos reveladas sem saber direito o que iríamos encontrar. Me lembro do friozinho no estômago… Cada foto era uma surpresa! Comparado à fotografia digital aquele processo é caro, demorado e ultrapassado, mas a ansiedade era uma delícia.

Não pense que é saudosismo. É constatação: é assim que a humanidade evolui, substituindo o velho pelo novo.

As fotografias ficam, mas o fim da velha Kodak leva um mais pouco da magia embora.

Luciano Pires