Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
545 – Explicando Política Para Crianças – Revisitado
Podcast Café Brasil 545 - Explicando Política Para ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata T02 04
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 4 Você reparou ...

Ver mais

Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata T2 01
Videocast Nakata Temporada 2 - Epsódio 1. Quem é você, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Finanças pessoais em equilíbrio
Tom Coelho
Sete Vidas
“A parte mais sensível do corpo humano é o bolso.” (Delfim Netto)   Administrar finanças pessoais pouco difere de gerenciar o caixa de uma empresa ou mesmo de um país. Mudam apenas a ...

Ver mais

O Tempo dos Chefes Maus
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
O TEMPO DOS CHEFES MAUS Suely Pavan Zanella Cursos e mais cursos sobre Liderança e Gestão de Pessoas. MBAs e Coachs sobre o tema. Livros de diferentes tipos sobre o assunto. 29.400.000 resultados ...

Ver mais

Meus respeitos

Meus respeitos

Luciano Pires -

Fiz um post comentando a morte de D. Paulo Evaristo Arns no Facebook e o bicho pegou. Dezenas de comentários criticando o comunista que simpatizava com Fidel Castro e ajudou na marcha do Brasil para a esquerda, até dar nisso que aí está.

Sim, D. Paulo tinha uma posição de esquerda. Como tiveram Ferreira Gullar, Antonio Abujamra, Ariano Suassuna, Rubem Alves, só para ficar nos que faleceram recentemente. E nem por isso podemos negar a importância de cada um deles para o Brasil.

É preciso tomar cuidado ao analisar o passado com as lentes do presente. Havia um contexto no final dos anos 60 e durante os 70. D. Paulo estava no olho do furacão e teve uma presença importante na sociedade brasileira, como tiveram centenas de outros esquerdistas já falecidos. O conheci pessoalmente em Brasília, foi muito atencioso e educado, e sempre me pareceu que, com a idade, foi se afastando da militância política. Faltou, como fizeram Ferreira Gullar e Fernando Gabeira, uma autocrítica.

Mas ao longo dos anos 1970 e 1980 não sei se seria possível, na posição que ele ocupava, agir diferente. O regime militar empurrou muita gente para a esquerda, e isso não transforma essa gente em demônios. Reduzir a passagem de D. Paulo pela terra à simpatia com Fidel Castro e movimentos sociais, à teologia da libertação, à ajuda na criação do PT e de Lula, sem considerar o contexto em que isso aconteceu é, no mínimo, míope.

D. Paulo foi mais que um comunista de batina, assim como Mario Lago foi mais que um comunista ator, Jorge Amado foi mais que um comunista escritor, Oscar Niemeyer foi mais que um comunista arquiteto… entre tantos outros.

Então, na Confraria Café Brasil, um dos participantes comenta meu post:

“ Luciano, eu não me sinto capaz de opinar sobre ele pois nem sequer o conhecia, mas lendo isso que você escreveu agora fiquei com a seguinte dúvida: não é sobre isso que trata o marxismo cultural? Quero dizer, ocupar diferentes espaços com comunistas/marxistas e que seja natural que esses sejam mais do que comunistas, ou seja, pessoas influentes por terem atuações inegavelmente diferenciadas em suas áreas? Se fossem comunistas mas fossem uns merdas, eles teriam influência de forma a atender a uma agenda marxista? Não estou afirmando nada, é apenas um pensamento que passou pela minha cabeça para apimentar o debate. Para mim não interfere a ideologia do cara pois o Café Brasil me ensinou a arte de comer picanha rs.”

Minha resposta:

“Claro que é assim. Eles ocupam áreas estratégicas, mas meu ponto é outro. O Brasil seria melhor sem D. Paulo? Sem Chico Buarque? Sem Betinho e Henfil? Sem Oscar Niemeyer? Sem Ariano Suassuna? Como só é possível responder essa pergunta com a conjunção subordinativa condicional ‘ se’, que nos mantém no reino das suposições, prefiro ficar com o benefício da dúvida: cada um desses cumpriu um papel importante na história do meu país e da minha vida. Chico, Darcy Ribeiro, Lima Barreto, Veríssimo e tantos outros… até Marilena Chauí, estão no lado oposto do meu no espectro político, mas há um pedacinho de cada um deles no que sou. Consigo ver em cada um coisas boas e coisas ruins. Sem justificar ou perdoar suas escolhas, na hora da morte, em vez de dizer “ainda bem que se foi”, eu digo “respeito mais um que se foi”. Eu não diria isso de psicopatas como Fidel Castro e Adolf Hitler, por exemplo, mas digo com tranquilidade sobre os que de alguma forma ajudaram a moldar quem sou.”

E se há algo que não sou, é comunista…

Portanto, meus respeitos D. Paulo Evaristo Arns. O senhor jogou do outro lado do gramado, mas ajudou a fazer de mim um jogador melhor.