Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Sorte? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Meus respeitos

Meus respeitos

Luciano Pires -

Fiz um post comentando a morte de D. Paulo Evaristo Arns no Facebook e o bicho pegou. Dezenas de comentários criticando o comunista que simpatizava com Fidel Castro e ajudou na marcha do Brasil para a esquerda, até dar nisso que aí está.

Sim, D. Paulo tinha uma posição de esquerda. Como tiveram Ferreira Gullar, Antonio Abujamra, Ariano Suassuna, Rubem Alves, só para ficar nos que faleceram recentemente. E nem por isso podemos negar a importância de cada um deles para o Brasil.

É preciso tomar cuidado ao analisar o passado com as lentes do presente. Havia um contexto no final dos anos 60 e durante os 70. D. Paulo estava no olho do furacão e teve uma presença importante na sociedade brasileira, como tiveram centenas de outros esquerdistas já falecidos. O conheci pessoalmente em Brasília, foi muito atencioso e educado, e sempre me pareceu que, com a idade, foi se afastando da militância política. Faltou, como fizeram Ferreira Gullar e Fernando Gabeira, uma autocrítica.

Mas ao longo dos anos 1970 e 1980 não sei se seria possível, na posição que ele ocupava, agir diferente. O regime militar empurrou muita gente para a esquerda, e isso não transforma essa gente em demônios. Reduzir a passagem de D. Paulo pela terra à simpatia com Fidel Castro e movimentos sociais, à teologia da libertação, à ajuda na criação do PT e de Lula, sem considerar o contexto em que isso aconteceu é, no mínimo, míope.

D. Paulo foi mais que um comunista de batina, assim como Mario Lago foi mais que um comunista ator, Jorge Amado foi mais que um comunista escritor, Oscar Niemeyer foi mais que um comunista arquiteto… entre tantos outros.

Então, na Confraria Café Brasil, um dos participantes comenta meu post:

“ Luciano, eu não me sinto capaz de opinar sobre ele pois nem sequer o conhecia, mas lendo isso que você escreveu agora fiquei com a seguinte dúvida: não é sobre isso que trata o marxismo cultural? Quero dizer, ocupar diferentes espaços com comunistas/marxistas e que seja natural que esses sejam mais do que comunistas, ou seja, pessoas influentes por terem atuações inegavelmente diferenciadas em suas áreas? Se fossem comunistas mas fossem uns merdas, eles teriam influência de forma a atender a uma agenda marxista? Não estou afirmando nada, é apenas um pensamento que passou pela minha cabeça para apimentar o debate. Para mim não interfere a ideologia do cara pois o Café Brasil me ensinou a arte de comer picanha rs.”

Minha resposta:

“Claro que é assim. Eles ocupam áreas estratégicas, mas meu ponto é outro. O Brasil seria melhor sem D. Paulo? Sem Chico Buarque? Sem Betinho e Henfil? Sem Oscar Niemeyer? Sem Ariano Suassuna? Como só é possível responder essa pergunta com a conjunção subordinativa condicional ‘ se’, que nos mantém no reino das suposições, prefiro ficar com o benefício da dúvida: cada um desses cumpriu um papel importante na história do meu país e da minha vida. Chico, Darcy Ribeiro, Lima Barreto, Veríssimo e tantos outros… até Marilena Chauí, estão no lado oposto do meu no espectro político, mas há um pedacinho de cada um deles no que sou. Consigo ver em cada um coisas boas e coisas ruins. Sem justificar ou perdoar suas escolhas, na hora da morte, em vez de dizer “ainda bem que se foi”, eu digo “respeito mais um que se foi”. Eu não diria isso de psicopatas como Fidel Castro e Adolf Hitler, por exemplo, mas digo com tranquilidade sobre os que de alguma forma ajudaram a moldar quem sou.”

E se há algo que não sou, é comunista…

Portanto, meus respeitos D. Paulo Evaristo Arns. O senhor jogou do outro lado do gramado, mas ajudou a fazer de mim um jogador melhor.