Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Meu Programinha

Meu Programinha

Luciano Pires -


MEU PROGRAMINHA


Tenho um programa de rádio. Chamado Café Brasil. Simples, com reflexões, humor, poesia e música popular brasileira diferente. O programa vai ao ar desde abril de 2005 pela rádio Mundial de São Paulo. E também na Internet, pelo meu site. Quando decidi pôr o programa no ar em outras cidades, fiz o que a lógica manda: fui procurar as grandes redes de rádio. Todas se interessaram pelo meu programa, contanto que eu tivesse 40 mil reais por mês para pagar pela veiculação…
Argumentei sobre o conteúdo. Senti que falava para as portas… E depois vieram as fórmulas. Mude o tom daqui. Corte ali. Bote outro tipo de música. Não fale disto que é proibido. Nem daquilo que “nosso público não aceita”… Aplicando as recomendações, meu programa ficaria igual às centenas de lixos que vão ao ar diariamente. Música idiota, texto idiota, apresentador à altura, falando para um público idiota.
A maioria das emissoras de rádio e televisão não faz parte da indústria da informação. Faz parte da indústria da propaganda.
Conteúdo? Só como isca para a publicidade. Para essas emissoras, jovens são idiotas que só se preocupam com festas, só ouvem gente gritando e música enlatada de péssima qualidade. Mulheres são donas de casa vazias, que precisam de receitas de bolo, fofocas e um astrólogo fazendo adivinhações. Velhos só se interessam pelos “Bailes da Saudade”. E todos ouvintes e espectadores são vistos como alguém de quem tirar algum.
Conteúdo? Ah, que bobagem…
Diante da realidade, desisti. Não dá pra vencer pelo conteúdo quando tratamos com os diretores artísticos das rádios de grande audiência. Pois tenho uma convicção: a de que vivemos novamente o momento “Perdidos na Noite”. Para quem não se lembra, esse era o nome do programa de televisão que revelou Fausto Silva como apresentador, nos anos oitenta. Um programa tosco, improvisado, completamente fora dos padrões televisivos e que se tornou um sucesso. Até a Globo transformar naquela coisa insuportável dos domingos. Minha convicção é de que boa parte do público, ao menos as pessoas que ainda não estão inertes, está de saco cheio das regras e das fórmulas prontas da televisão e do rádio. Programinhas repetitivos, com as mesmas propostas rasas e comerciais. Quando aparece uma loucura como o “Pânico”, torna-se um fenômeno. Traz o novo, o inesperado, o irreverente, o politicamente incorreto, tudo que quebra a rotina insossa do bla bla bla de cada dia. Pena que apenas com bobagens…
Propostas que não repitam fórmulas, dificilmente são aceitas por emissoras comerciais. Irreverência não convive com medo. O “alguém pode não gostar” é o grande assassino da criatividade. Mais fácil nivelar por baixo, fazer como os outros fazem e brigar pela mediocridade dos anunciantes que preferem não fazer loucuras. E a conclusão é óbvia: de dentro das salas dos diretores de programação das grandes redes não sairá nenhuma idéia inovadora. São perigosas demais…
É preciso aparecer alguém com coragem para comprar a briga. A coragem dos inovadores ou a dos oportunistas. Então cabe a nós, espectadores e patrocinadores, contribuir para a renovação. Os espectadores dando audiência para o que presta. E os patrocinadores, parando de injetar dinheiro nas porcarias que infestam as redes de rádio e televisão. Simples, não é?
Eu estou fazendo minha parte. Minha audiência, os “Zorras Total”, Gugus e Sabadaços não têm. E sempre que posso, provoco os diretores de marketing das empresas que põem dinheiro nessas barbaridades.
Mas fui além. Estou gerando conteúdo. Sozinho, pequenino, desconhecido e metido a besta. Por isso, se você é dono ou tem penetração em alguma rádio e está interessado num conteúdo que não seja imbecil, me dê um alô no
[email protected] . Tenho um programinha, com um pouquinho de reflexões, poesia, filosofia e música popular brasileira… Mas é só um programinha. Que talvez contribua com um pouquinho de inteligência e humor, numa rádio que lhe interesse.
Mas não se preocupe, viu? De inteligência, meu programa só tem um pouquinho.
O que, no Brasil dos pocotós, é um excelente começo…