Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Cafezinho 35 – Pocahontas
Cafezinho 35 – Pocahontas
Geração não é horóscopo. É contexto.

Ver mais

Meu nome é Teco

Meu nome é Teco

Luciano Pires -

Já falei bastante do Tico: Transtorno da Incompetência Compulsiva Obsessiva. Hoje é vez do Teco: Transtorno da Excelência Compulsiva Obsessiva. Empresas de sucesso crescem, os processos ficam complexos e chega a hora de botar ordem no terreiro. Começa a busca por métodos para gerenciamento e controle de grandes massas de dados, informações e pessoas. É quando surge o Teco: o Transtorno da Excelência Compulsiva Obsessiva. Empresas que sofrem do Teco apresentam os seguintes sintomas:

– Arrogância. Acreditam que o mundo gira em torno delas.
– Surge um estranho linguajar repleto de “análise crítica de requisitos”, “capability maturity model”, “usabilidade”, “walkthrough estruturado”, ”declaração de conformidade” entre outros. É a língua do “qualitês” que – convenhamos – é chique no úrtimo.
– Nascem processos derivados de processos que precisam de processos para acompanhar os processos. E dá-lhe melhoria de processos.
– É tanta gente envolvida, tantos processos “estruturados”, que ninguém mais pode ser responsabilizado pelo resultado final.
– O processo de tomada de decisão fica lento e pequenos problemas se transformam em grandes dores de cabeça.  
– Criam estruturas derivadas das áreas de qualidade para auditar as operações conforme roteiros traduzidos do inglês, japonês ou javanês. E como o custo dessas estruturas é considerado “custo da qualidade”, passa a ser sagrado. Reduzir esse custo é reduzir a qualidade.
– Mas reduzir custos é inevitável. Demitem-se os mais experientes (e caros). Trocam um de dez por dois de três, sem perceber que junto com a experiência vai o conhecimento implícito, aquele que é impossível de ser transmitido por sistemas formais.
– Recitam diariamente que “gente é nosso ativo mais importante” e que “o foco no cliente é fundamental”. Mas seus atos vão na contramão.
– Para quem tacoteco não existe vida fora de uma planilha Excel

E então aquela empresa que liderava as listas mundiais de qualidade apresenta defeitos em seus produtos, sem que ninguém descubra de onde vêm. A outra, que tem tecnologia de ponta, não consegue evitar um vazamento desastroso. A outra, bilionária, não consegue manter um esquema decente de atendimento aos clientes. Os problemas não são resolvidos, mas os powerpoints são excelentes. Teco, teco, teco.

Para escapar do Teco, eu já disse e repito: o segredo está na qualidade das conexões e dos relacionamentos entre os públicos externo e interno da empresa. Entenda-se por conexões e relacionamentos a comunicação de duas vias: aquela na qual eu falo e escuto. Se você procurar verá que alguns gregos trataram disso pouco tempo atrás: uns dois mil anos…

Recebi vários emails de pessoas que leram os artigos sobre o Tico e imaginaram que o Teco fosse o oposto, a transição da incompetência para a excelência. Não é.  O Tico e o Teco são excessos, transtornos compulsivos obsessivos, fases distintas da mesma doença: a incompetência.

 

Então o desafio é manter-se no meio termo, eqüidistante do Tico e do Teco? Não. Quem está no meio é medíocre.
O desafio é chegar e permanecer na excelência. Mas isso é papo pra outro artigo.

 

E aí? É Tico ou Teco?

Luciano Pires