Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Meu adversário me define.

Meu adversário me define.

Luciano Pires -

Em 1984, fomos às ruas com mais de 300 mil brasileiros pedindo pelas Diretas Já, o nosso anjo salvador. Entusiasmados, vimos o demônio da Câmara não aprovar a emenda. Broxamos.

Em 1985 elegemos o primeiro presidente civil após anos de governo militar: Tancredo Neves, o anjo salvador. E vem o demônio para matá-lo antes da posse. Broxamos.

Assume José Sarney, que lança o anjo sob a forma do redentor Plano Cruzado. Que logo vira o demônio dos oitenta e seis por cento de inflação ao mês. Broxamos.

Aí vem a Constituinte. O anjo Ulisses Guimarães conduz o povo às ruas e a gente muda tudo. Para ver o demônio nos dar uma montanha confusa de leis que tornam o país quase inviável. Nova broxada.

Surge então o anjo salvador: Fernando Collor de Mello. Que vira demônio e dá no que deu. Broxamos.

Então vem FHC, o anjo que coloca o país nos trilhos em seu primeiro mandato, para virar o demônio do segundo, abrindo caminho para a oposição. Nova broxada.

E então chega Lula, o anjo e seus comerciais. E traz com ele o demônio do Mensalão, do Petrolão, da corrupção institucionalizada. Broxamos mais uma vez…

Em 2013 somos surpreendidos pelo retorno do povo às ruas, milhões de pessoas, pintando uma mudança que… não acontece. Broxamos.

No domingo, 13 de março de 2016, aproximadamente 4 milhões de brasileiros foram às ruas para mudar o Brasil. Três dias depois o mesmo Lula que aquele povo quer na cadeia é indicado como Ministro da Casa Civil.

Broxamos.

E então tenho que ouvir minha filha perguntar:

– Pai, pra que servem essas manifestações, se nada acontece?

Eu respondo. O que nos faz sentir vivos é ter nossas energias canalizadas para vencer um desafio. Depois da broxada das Diretas Já, continuamos lutando e conquistamos o direito de votar para Presidente! Continuamos lutando e fomos aperfeiçoando aquela Constituição Cidadã. Continuamos lutando e tiramos o presidente corrupto. Continuamos lutando e não deixamos que o desarmamento passasse. As conquistas que tivemos vieram da continuidade da luta, apesar das broxadas.

Para o Batman existir, tem de haver o Pinguim, o Coringa. Para o Corinthians ser um grande time, tem de existir o Palmeiras, o São Paulo, o Flamengo, o Grêmio. Frodo e Gandalf existem pois existem Saruman e os Orcs.

O que nos define são os adversários que vencemos. E quanto maiores, mais fortes, mais organizados, mais preparados eles forem, melhor temos de ser para batê-los.

Lula sendo indicado para Ministro é apenas uma reação do adversário, usando as armas que tem. Não pode ser motivo para broxar, mas para contra atacar com outras táticas, com mais mobilização. Eles, apesar de demonstrar sinais de desorganização, de perda da capacidade de mobilização, ainda estão no poder. Têm em mãos uma máquina fabulosa, ainda contam com o aparelhamento de várias instâncias dos três poderes e de parte da imprensa. E não lutam como num UFC cheio de regras, mas como briga de rua mesmo…

Quem disse que seria fácil?

Mas pense comigo, três ou quatro anos atrás, se alguém dissesse a você que vários elementos da cúpula do governo, os donos das construtoras e até um senador em exercício, seriam presos pela polícia federal você acreditaria? É claro que não!

O Brasil está mudando! Talvez não na velocidade que desejamos, mas está!

Então levanta aí, ô. Vamos pra luta! Do jeito que você puder: pelo Facebook, pelo Whatsapp, batendo panelas, indo às ruas, pressionando o político mais próximo, processando os bandidos se você tem as manhas, mobilizando mais gente. Só não dá pra ficar parado, assistindo.

Ah, sim, “mas Luciano, e o Aécio?”

Bem, ele que aguarde a vez dele.

Primeiro temos que bater o Orc que vem na frente.