Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Mc Papa

Mc Papa

Luciano Pires -

MCPAPA

Talvez tenha sido em 62 ou 63. Eu devia ter uns seis anos e estava jogando bola no parquinho infantil, ao lado da Igreja Santa Terezinha em Bauru. Repentinamente o sino da igreja começou a tocar e professora juntou a garotada no meio da quadra e comunicou que o Papa havia morrido. Era João XXIII. Eu era jovem demais para entender. Assumiu Paulo VI, que permaneceu até os anos 80. Quando morreu, a mídia já tinha um papel importante na divulgação do processo de escolha de seu sucessor, João Paulo I. Lembro-me da capa do Jornal da Tarde, com a foto de João Paulo I sob a manchete “O Papa que ri”. João Paulo I era mesmo sorridente, uma simpatia. Ficou Papa por um mês e morreu. Veio João Paulo II apresentado como um Papa diferente, atlético, que esquiava, conduzindo a igreja por alguns dos períodos mais conturbados da história. Certos dogmas foram mais fortes que ele, que perdeu muito de sua energia após o atentado e talvez não tenha conseguido reformar a igreja tão profundamente quando desejava. Sua morte encerra definitivamente o século 20.

A mídia superou-se nos funerais e na escolha do novo Papa. Nunca houve uma chaminé como a Sistina e ver milhares de pessoas horas e horas em fila e lágrimas apenas demonstra a força da fé. Mas tenho umas dúvidas.


Quantos estavam no Vaticano menos pelo Papa e mais por poder um dia dizer “eu estava lá?” E aquelas cenas de final de Copa do Mundo, com as pessoas se abraçando e gritando ao anúncio do nome do novo Papa? Os muçulmanos devem ter reagido àquelas imagens da mesma forma que nós quando vemos os milhões de fiéis em Meca…Ou a turba em lágrimas e convulsões carregando a foto do Aiatolá morto. Será que não é tudo a mesma coisa? Claro que sim. Em graus diferentes de fanatismo talvez.


Mas não é essa reflexão que quero sugerir aqui.


O grande desafio do novo Papa será conciliar moral, política e exposição na mídia. Ele já é um produto, “vendido” pela mídia da mesma forma que um Big Mac. Da mesma forma que os terroristas islâmicos. Ou o tsunami.


Mas a biografia e as feições de Bento XVI não parecem ser as de um profissional acostumado com a mídia, transigente e carismático, pelo contrário. Temo que num mundo que precisa urgentemente reaprender a lidar com o intangível, com a imaginação, com a sensibilidade, um Papa focado no comando e controle e apegado a velhos dogmas seja um retrocesso. Mas isso é apenas a primeira impressão, vamos dar tempo ao homem.


Talvez a esperança vença o medo.

Êpa. Onde é que eu já ouvi isso mesmo?