Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Love, Janis

Love, Janis

Luciano Pires -

Às vésperas de completar os 10 anos do atentado às Torres Gêmeas em 11 de Setembro de 2011 decidi reproduzir um artigo que escrevi em 2003:

O ano é 2002. Num sábado em Manhattan, descubro um show em Greenwich Village: “Love, Janis”. Duas garotas interpretam Janis Joplin, a cantora e compositora estadunidense que morreu de overdose em 1970. Uma garota canta as músicas, a outra recita textos tirados das cartas de Janis para sua família e de entrevistas ao longo da carreira. O teatro? Parece mais um barzinho, a gente senta quase em cima dos atores. Uma banda igual à de Janis. E eu ali, na expectativa, sozinho.Começa a peça (ou show?). A banda lança os acordes, a garota entra com a vestimenta característica de Janis e detona “Piece of My Heart”. Eu rio. E choro. Ouço a voz e vejo os trejeitos de Joplin… e não tenho como escapar. Volto pra 1967. O show é um arraso. Saio do teatro quase uma da manhã. Torto.  Decido voltar a pé para o hotel, ao lado de Times Square. Longe dali. Ando uns bons minutos, sem saber, na direção contrária do hotel. Chego numa igreja com a cerca coberta de cartazes, camisetas, bonés, fotos, flores. Na porta, um grande painel, onde se lê: “Saída das Cinzas”. Me dá um gelo no estômago. Olho pra esquina, uma barraquinha vendendo bonés e camisetas. E a frase definitiva: Ground Zero.

– Não é possível! Onde é que eu vim parar?

Eu estava onde se erguiam as torres gêmeas, derrubadas pelos aviões em setembro de 2001, um ano antes. O coração bate forte conforme acelero o passo.

– Não é possível!

E eu chego lá. Às duas da manhã. Por acaso. Sem querer, sem saber. Um calçadão com concreto novíssimo e muito claro. Uma imensa cerca de metal com painéis contando a história do World Trade Center. E uma grande cruz feita com vigas de aço da estrutura das torres. Era madrugada. Eu estava saindo de duas horas que mexeram  com minha cabeça. Saindo de 1967 e mergulhando em 2002. A seco. Sem querer… sem esperar. O que fazer? Olhar… Rezar… Buscar alguma explicação para aquele erro de direção que me jogou de volta no século 21.Várias pessoas vagavam pela calçada, como se não tivessem um objetivo claro. Talvez estivessem ali como eu, sem querer?Fiquei por lá uns minutos. Peguei o metrô e voltei para o hotel.

Enquanto eu seguia no vagão vazio, pela cabeça passavam Janis Joplin e Bin Laden.
Rock´n Roll e a CNN. Vietnan e Afeganistão. Vinil e CD. Paz e Amor e Internet. Vivi naquela madrugada em Manhattan um misto de emoções como eu desconhecia. Mudei de séculos em minutos. Saí da poesia para a realidade dura em segundos. Do universo de uma artista que ajudou a formar seu tempo, sua geração, para o do fanático religioso que fez o mesmo.Vivi o mal e o bem em intensidades e formas diferentes. O bem da arte, liquidado pelo mal do vício, levando Janis embora aos 27 anos. O bem da tecnologia, usado pelo mal do fanatismo, levando quase 3.000 vidas embora…

Naqueles minutos no Ground Zero, de frente para o vazio, senti a força do espírito humano para produzir arte e destruição. E no balanço que faço hoje, uma década depois, felizmente ficou o mais forte:

Love, Janis.

Luciano Pires