Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Little Brother

Little Brother

Luciano Pires -

James Eagan Holmes, o rapaz de 24 anos de idade que entrou no cinema de uma cidadezinha nos EUA e matou 12 pessoas não é um ignorante. É filho de uma enfermeira com um cientista da matemática e obteve com honras a certificação em Neurociência na Universidade da Califórnia, com uma performance escolar que o colocou entre os “top dos tops”. Em seguida, foi cursar doutorado na Universidade do Colorado em Aurora, onde cometeu o crime. Tirando o cabelo pintado de vermelho, Holmes parece um sujeito normal, apesar de tímido e introspectivo.

O que leva um indivíduo a disparar uma arma sobre gente que não conhece? Será o acesso a armas? Talvez os videogames e filmes violentos? Ou, como gostam uns aí, o capitalismo, o neoliberalismo?

O Dr. Grant Duwe, autor do livro “Assassinatos em massa nos Estados Unidos: Uma História”, estudou 140 ocorrências naquele país entre 1900 e 2009. De 1900 a 1965 aconteceram 21 casos. Nos anos 70, 13; nos anos 80, 32, e 43 nos anos 90. E na primeira década dos anos 2000 foram 26, um declínio importante causado pela melhoria de indicadores sociais (emprego, casamentos, nascimentos, casa própria, etc), que derrubaram os índices de criminalidade em geral. A queda do número de casos de assassinato em massa enquanto permaneceu estável o comércio de armas, aliada ao fato da ocorrência de casos em países onde tal comércio é proibido, leva a concluir que o livre acesso a armas não é o fator preponderante. Um outro estudo, do jornal New York Times, mostrou que apesar dos assassinatos serem atribuídos a aspectos violentos da cultura norte americana, em apenas seis de 100 casos examinados os criminosos se mostraram interessados em videogames. E apenas sete em cinema.

Mais da metade dos criminosos estudados apresentou histórico de sérios problemas mentais. 48 tiveram algum tipo de diagnóstico formal de esquizofrenia e, dos 24 que comprovadamente tomavam remédios psiquiátricos, 14 haviam parado com a medicação quando cometeram os crimes. Na maioria dos casos, familiares, amigos e terapeutas não deram importância ou simplesmente ignoraram sinais de deterioração mental que poderiam ter impedido os crimes.

Os senhores da imprensa deveriam definir uma forma de apresentar os fatos não como espetáculo, mas como desestímulo a que outros façam o mesmo. Não é fácil, e muita gente vai usar este argumento para tentar impor o tal controle social sobre a mídia, aquele eufemismo que criaram para dar outro nome à censura.

Resumindo: antes de cinema, televisão ou videogames violentos, facilidade ao acesso de armas ou falta de segurança pública, os assassinatos em massa tem a ver com loucura. Não dá pra prever o que fará um louco, mas dá para prever que algo ele fará…

O Dr. Grant aconselha que estejamos sempre atentos a sinais de comportamento que possam representar situações de risco, como o isolamento social, problemas mentais, violência e ameaças verbais ou escritas, sentimentos de perseguição e de vitimismo. É complicado achar que devemos policiar nossos vizinhos e conhecidos, como se fossemos “little brothers”, uma versão individual do “big brother” de Orwell. Tem um gosto autoritário, de patrulhamento, mas ainda não inventaram arma mais eficiente para prevenir as tragédias.

Você tem alguma outra ideia?

Luciano Pires