Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

2016 – Que ano!
2016 – Que ano!
Hora de parar e olhar pra trás pra ver o quanto ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
Isca intelectual de Suely Pavan que tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados: vendedores debruçados em balcões ou reclamando pelos corredores.

Ver mais

Jane de Jacundá

Jane de Jacundá

Luciano Pires -

Marabá, Pará. Na plateia superlotada, cerca de 200 pequenos e micro empresários e empresárias. No palco, o pessoal do Sebrae – PA, apresentando os serviços que oferece como apoio a quem quer empreender na região. Caberia a mim encerrar o evento com minha palestra A Fórmula da Inovação. Logo na abertura, uma surpresa. Convidaram para um depoimento uma micro empreendedora de Jacundá, município da região, Jane Moreira dos Santos. Mulher humilde, na casa dos 50 anos de idade, evidentemente intimidada diante de tanta gente. Não perguntei, mas é claro que ela é uma pessoa com poucos estudos básicos, que chegou à região sem muitos recursos além da vontade de progredir na vida. Jane conquistou a plateia em segundos, bastou ser ela mesma. Com ajuda do pessoal do Sebrae, foi contando sua história ilustrada por fotos.

Anos atrás ela e Domingos, seu marido, chegaram à região com dinheiro apenas para comprar “uma terrinha e umas vaquinhas”. Pouquinhas. Na ocasião não tinham recursos “nem para comprar pão”. Criavam as vacas soltas no pasto, sem qualquer técnica, ordenhando manualmente, transportando o leite da forma que era possível e sobrevivendo a duras penas. Com o tempo perceberam que, sem conhecimento, não conseguiriam progredir. Contataram o Sebrae e foram para a sala de aula, recebendo orientação necessária para se profissionalizar. Aprenderam a confinar as vacas e a alimentá-las, aprenderam como administrar o negócio, iniciaram um processo de inseminação artificial, foram orientados sobre como conseguir crédito para financiamentos, expandiram os cercados, construíram um galpão para ordenha… E as fotos iam se sucedendo, mostrando claramente a evolução da propriedade. E em 2013, Jane ganha o prêmio Mulher Empreendedora do estado, causando gargalhadas na plateia ao mostrar suas fotos de vestido longo na cerimônia de premiação.

– Nem no meu casamento tirei tanta fotografia …

No final, após as fotos dos modernos equipamentos para ordenha, armazenagem e resfriamento do leite, surge um trator lindo. E ela conta que o comprou financiado. E então mostra outro trator, maior e mais bonito ainda.

– Esse eu acabo de comprar. À vista.

E a plateia explode em aplausos.

Uma pessoa me diz que ficou emocionada ao saber que Jane e o marido ainda vivem numa casinha humilde. Perguntada por que não arrumava a casa, ela disse:

– Estou esperando o engenheiro. Quem vai construir a casa é ele.

Jane tem um casal de filhos, ambos na faculdade de engenharia, e o menino se forma este ano. Seu filho construirá a nova casa da família.

Não há discurso ideológico que resista à história de Jane, que envolve visão capitalista, meritocracia, sistema financeiro e tudo aquilo que tem sido sistematicamente demonizado pelos que acham que todo mundo é igual, que o estado é rei, que empresários são exploradores malvados que querem oprimir para enriquecer. Jane, em sua simplicidade e trabalho duro, aproveita as oportunidades, está progredindo, criando empregos, gerando riqueza na região onde vive. E é recompensada por isso.

E, acredite, existem milhares de Janes pelo Brasil.

A Jane de Jacundá, além da evidente força de vontade, humildade de reconhecer suas deficiências e gana para ir atrás de ajuda, é resultado daquilo que deveria ser a única função do estado: dar instrumentos – e liberdade – a quem quer fazer acontecer.

Ao final de minha palestra, recomendei à plateia:

– Amanhã, ao bater aquela depressão com a visão do inferno que é o Brasil dos telejornais diários, lembrem-se da Jane de Jacundá. Ela não aparecerá na televisão.

E a plateia explodiu em aplausos.

Ainda há esperança.