Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Indignite aguda

Indignite aguda

Luciano Pires -

Em 2009 fui contratado para palestrar num grande evento, contratação cheia de exigências, mas pagando muito bem e rapidamente. Convites impressos, divulgação feita, faltando três dias para o evento fui informado de que o tempo para a palestra, que é de 90 minutos, seria de 30 minutos. Como assim 30 minutos? Eu tinha no contrato, em letras vermelhas, que o tempo de duração da palestra é 90 minutos! Trinta minutos é muito pouco para o tema escolhido.

Liguei para ver o que aconteceu e conversei com uma menina de 25 anos de idade, assistente de alguma coisa, que estava mais preocupada com o buffet do que com o conteúdo da palestra. Tentei argumentar, mas logo percebi que era melhor deixar como estava, pois não adiantava reclamar. Aliás, não tinha nem para quem reclamar! Mas não me conformei… Encontrei um amigo e comentei com ele a minha indignação:

– Vão gastar uma bala de dinheiro entre cachê, transporte aéreo, hospedagem e alimentação para eu falar 30 minutos? Não me conformo!

E meu amigo:

– Estão pagando bem? Então vai, faz e fica quieto!

E chegou o dia do evento. Desorganizado, atrasado, com meia dúzia de pessoas no auditório e a certeza de que os promotores realmente se preocuparam mais com o buffet e a decoração milionária do que em encher o auditório de gente interessada. Jogaram dinheiro fora. Não perdi a chance de comentar com os outros dois palestrantes sobre o absurdo da situação. E o que você acha que ouvi?

– Tão pagando muito bem! Faz o seu e fica quieto!

E os dois fizeram suas micro-palestras e não se importaram com mais nada. Enquanto isso eu sofria, pois sabia que tinha deixado de fora da palestra coisas legais e importantes que em 30 minutos não poderiam ser passadas ao público. Estava preocupado com o ritmo, com o humor, com o conteúdo. Queria entregar 120% do que foi contratado. Os outros dois? Nem aí… O cliente pagou bem, tá tudo bem.

Pois vira e mexe essa situação se repete. Será que tenho algum problema? Não consigo me conformar quando vejo coisas erradas! Não consigo ligar o botão do “dane-se” e agir como se nada tivesse acontecido. Não consigo não expressar minha indignação com o desperdício de recursos, com a falta de competência, com a perda de tempo. Não estou naquele evento “por eles”, mas por mim! E por mais que eu tenha feito um bom trabalho, que a avaliação tenha sido excelente, que o cliente tenha ficado satisfeito, aquele sapo não desce. E sou acometido por um surto de indignite aguda.

Mas sou exceção. Os três com quem falei sobre o evento disseram a mesma coisa: se o cliente paga, faça o seu e fica quieto!

Até faço, sabe? Mas sofro antes, durante e depois.

De mim o cliente só comprou a palestra. A consciência não está à venda.

Luciano Pires