Artigos Café Brasil
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

O Brasil rumo à OCDE em 2021
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil rumo à OCDE em 2021[1] Introdução Em 30 de maio de 2017, o Brasil formalizou a solicitação de entrada na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Motivação é uma intenção pessoal, engajamento é um ...

Ver mais

Incompetência, burrice ou má fé?

Incompetência, burrice ou má fé?

Luciano Pires -

Sou um empreendedor brasileiro e não me conformo com a incompetência, burrice ou simplesmente má intenção de quem deveria estar facilitando as coisas para que eu possa produzir mais, vender mais, pagar mais impostos, gerar mais empregos. No Brasil, nada é tão ruim que a mão peluda do Estado não possa piorar.

Pela dinâmica de recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) no Estado de origem, todos os produtos vendidos no Brasil pelo sistema de comércio eletrônico deixam o imposto no Estado onde a operação está instalada. Com a expansão do comércio eletrônico desde o começo do século, os valores envolvidos aumentaram absurdamente e abriram o apetite dos governadores, ocasionando o que ficou conhecido como Protocolo 21. Pelo Protocolo, 21 Estados que se sentiram prejudicados pelo sistema obrigaram um recolhimento adicional de 8% do imposto para as compras em empresas localizadas em outros Estados. Esse aumento provocou uma chuva de liminares a partir de 2011, gerando custos adicionais e derrubando a produtividade dos varejistas virtuais. Em 2014, o STF considerou o Protocolo 21 inconstitucional, fazendo com que em 2015 o Congresso Federal aprovasse a Emenda Constitucional 87, que dá a cada um dos 26 Estados e ao Distrito Federal autonomia para regulamentar o recolhimento de sua parte no ICMS.

Não vou entrar nos detalhes sórdidos, apenas comparar o que aconteceu antes e depois da tal EC 87.

Antes de 2016, o varejista eletrônico precisava cumprir um processo com cinco etapas:

1- Gerar a nota fiscal eletrônica.

2- Imprimir duas vias da nota fiscal.

3- Adicionar uma via ao produto vendido.

4- Enviar o produto.

5- Pagar a guia do imposto SIMPLES no final do mês.

A partir de 2016, com entrada em vigor da EC 87, o processo passou a ser este:

1- Gerar a nota fiscal eletrônica.

2- Imprimir duas vias da nota fiscal.

3- Checar a tabela de alíquota de ICMS, de acordo com o seu estado e o do cliente.

4- Calcular a diferença da alíquota interna e a alíquota interestadual entre os dois estados.

5- Dividir esta diferença em duas partes: 40% dela ficam para o Estado do cliente e 60% para o Estado onde está instalado o comércio eletrônico.

6- Entrar no site do SEFAZ – Secretaria da Fazenda e emitir a guia para pagamento dos 40% da diferença que vai para o Estado da venda. Tanto o site como os campos a serem digitados, variam acordo com o estado do cliente, portanto é necessário digitar manualmente as informações da sua empresa e da venda para emitir a  Guia Nacional de Tributos Interestaduais – GNRE.

7- Imprimir a GNRE.

8- Pagar a GNRE.

9- Imprimir o comprovante de pagamento da GNRE.

10- Juntar ao produto vendido a nota fiscal, a GNRE e o comprovante de pagamento.

11- Enviar o produto ao cliente.

12- Pagar a guia do imposto SIMPLES no final do mês.

Entendeu? Isso se aplica a todo tipo de empresa, mesmo as ME – Micro Empresas. Se você emite cinco notas fiscais por dia, terá que repetir o processo cinco vezes. Todo dia. E sabe o mais irritante? Tenho lido comentários de gente dizendo que “logo aparece um software que fará isso automaticamente”…

Repito: não sei se isso é incompetência, burrice ou má fé. É tão absurdo que cheguei a pensar que pudesse ser apenas uma manobra para tirar o foco das discussões do petrolão, impeachment e outras.

O Fórum Econômico Mundial apontou o Brasil como o país com o pior sistema de impostos do planeta. Uma empresa brasileira gasta, ao longo do ano, cerca de 2600 horas apenas para cumprir suas obrigações fiscais. Isso é mais que o dobro do que se gasta na Bolívia e o triplo da Venezuela. E nos Estados Unidos, esse tempo é de 187 horas. Estima-se que o custo dos funcionários e equipamentos para atender a burocracia dos impostos no Brasil seja da ordem de 43 bilhões de reais. Você leu certo: 43 bilhões. Grosseiramente, entre 5 a 10 petrolões…

Insisto: essa fortuna não é o valor dos impostos pagos, é o custo da máquina que as empresas brasileiras têm de ter para poder pagar os impostos, tributos e taxas. Um dinheiro anual, improdutivo, gasto com burocracia, que poderia estar sendo aplicado na geração de valor, na produção, em investimentos. Por isso é tão urgente a tal Reforma Tributária de que tanto se fala e jamais surge.

Recebi um vídeo com um depoimento de um empreendedor que se vê obrigado a fechar seu negócio por incapacidade de suportar os custos da burocracia. Assista, ele explica seu calvário em detalhes, e chega às lágrimas:

Empreender no Brasil é castigo.

Ou burrice.