Artigos Café Brasil
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Gênios por natureza

Gênios por natureza

Luciano Pires -

Ao final de minha palestra “Geração T”, um dos jovens perguntou se a pessoa nasce gênio ou estuda para se transformar em gênio. Respondi com uma história de dois gênios. O primeiro é o inglês Eric Clapton, um dos maiores guitarristas de blues em atividade. O sujeito é tão bom que por volta de 1966, quando tocava na banda John Mayall & The Bluesbreakers, os fãs pixavam pelas ruas de Londres a inscrição “Clapton is God”. Com uma carreira já cinquentenária, Eric continua nos brindando com sua arte, tirando da guitarra sons deliciosos. Eric é um gênio e assisti a uma entrevista na qual ele conta uma história que nos apresenta ao segundo gênio. Enquanto dirigia na região de Detroit ele ouviu no rádio, pela primeira vez, um guitarrista que tocava de forma assombrosa: Stevie Ray Vaughan, o maior guitarrista do blues rock que já ouvi. Mas é quando Eric Clapton explica o que sentiu quando viu Stevie Ray Vaughan tocar, que temos uma noção de genialidade:

“Quando toco, vou pensando na sequência de acordes. Penso para concluir que daqui tenho que ir para ali, o que leva uma fração de segundo. Stevie Ray Vaughan não pensa! Ele muda de um acorde para o outro como se a guitarra fosse uma extensão de seu corpo, sem pensar no que vem em seguida. É algo natural, instintivo!”

Eric Clapton estudou para se tornar um gênio. Stevie também estudou, mas nasceu com “algo mais” que habilidade, o que fez dele um gênio capaz de assombrar um deus da guitarra! Meu amigo, outro gênio da guitarra, Nuno Mindelis, disse que quando sobe no palco, “uma coisa” toma conta dele. “É uma espécie de autismo”. Ele integra-se à guitarra, tocando de uma forma que nem ele entende.

Gênios que estudam para se tornar gênios, gênios que nascem gênios e estudam para desenvolver sua capacidade. E citei para o jovem que perguntou, outro gênio por natureza: Neymar. Admiro os gênios, mas sei que a genialidade cobra um alto preço. Ela consome uma energia brutal, que faz com que a pessoa se torne um anormal em certos traços da personalidade. Um não toma banho. Outro tem manias com cores. Outro bate na mulher. Muitos se suicidam. Outros mergulham em vícios. Genialidade é desequilíbrio…

E eu disse para o garoto: “O gênio é um anormal, alguém que está fora da média e que não responde aos mesmos estímulos dos normais (ou medíocres). O mais importante é refletir sobre suas forças e habilidades para definir onde é que você deve investir. Em muitos pontos você ficará apenas bom, o que já é uma conquista, mas em outros poderá chegar até as raias da genialidade.”

Concluí a explicação com uma frase de Simone de Beauvoir que resume o assunto: “Não nascemos gênios, nos tornamos gênios”.

Pois é. Mas dá tanto trabalho e incomodação que a maioria prefere ficar na média.

Luciano Pires

PS: se você quer ver Stevie Ray Vaughan no auge da genialidade, vá até aqui: http://www.portalcafebrasil.com.br/livre/artes/steve-ray-vaughn