Artigos Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

652 – A realidade real
652 – A realidade real
Vivemos um tempo no qual muita gente tem dificuldades ...

Ver mais

651 – Era uma vez…
651 – Era uma vez…
A melhor forma de ensinar política para crianças – e ...

Ver mais

650 – A Espiral do Silêncio
650 – A Espiral do Silêncio
Temos um sexto sentido para perceber a tendência da ...

Ver mais

649 – Quando eu tiver 64
649 – Quando eu tiver 64
Fui dar uma olhada nos comentários dos ouvintes do Café ...

Ver mais

LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
LíderCast 140 – Carlos Nepomuceno
Doutor em Ciência da Informação, jornalista, escritor e ...

Ver mais

Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Vem aí a Temporada 11 do LíderCast
Está chegando a Temporada 11 do LíderCast!

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A vida é muito melhor com boechatividade
Henrique Szklo
Como a maioria dos brasileiros, fiquei consternado com a morte do jornalista Ricardo Eugênio Boechat. Não posso dizer que eu era exatamente um fã, mas como sob minha perspectiva, ele utilizou em ...

Ver mais

Noblesse Oblige
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não dá pra saber quem é pior: A autora da bobagem, orgulhosa de sua total falta de noção, ou quem a defende, alegando lutar contra uma misoginia tão falsa quanto a cara de pau do arrivismo ...

Ver mais

Venezuela, Reforma Previdência & Futuro PT
Carlos Nepomuceno
Resumo da Live: Assistir completa: Formação Digital Bimodal: Programa de Formação Bimodal Lives antigas: https://nepo.com.br/category/o-melhor-de-2019/lives-do-nepo-o-digital-na-politica/

Ver mais

Metade cheia do copo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Metade cheia do copo Um pouco de otimismo, pra variar  “A troca está para a evolução cultural como o sexo está para a evolução biológica.” Matt Ridley Em agosto do ano passado, a convite do ...

Ver mais

Cafezinho 151 – Chato à Bessa
Cafezinho 151 – Chato à Bessa
É impressionante ver como o mundo mudou.

Ver mais

Cafezinho 150 – O PAI
Cafezinho 150 – O PAI
No Brasil, imediato é longo prazo.

Ver mais

Cafezinho 149 – Nação, não governo
Cafezinho 149 – Nação, não governo
O Ministro da Educação anuncia que vai impulsionar o ...

Ver mais

Cafezinho 148 – Os Hostis
Cafezinho 148 – Os Hostis
Neste final de semana o Brasil parou para assistir a ...

Ver mais

Ganhar com a copa

Ganhar com a copa

Luciano Pires -

Abro minha palestra “O Complexo de Vira Latas” com uma informação que pouca gente conhece: a Copa do Mundo de 1950 foi disputada no estádio do Maracanã ainda em obras. A concorrência para a construção do estádio foi aberta pela prefeitura do Rio de Janeiro em 1947, as obras iniciaram-se em agosto de 1948, mas só foram completadas em 1965. O impacto da derrota para o Uruguai naquela final de 1950 foi tão grande que apagou de nossa memória todos os outros detalhes do evento.

Ou seja, em se tratando de Copa no Brasil o retrospecto não é bom…

Vejamos a Copa de 2014. O orçamento das obras nos estádios de futebol foi inicialmente de 3,7 bilhões de reais. Em Janeiro de 2011 veio a primeira correção, para R$ 5,6 bi. Em setembro, nova correção: R$ 6,6 bi. Isso só com a construção dos estádios. Se computados os investimentos na infra-estrutura em torno das praças de esportes, nas melhorias em aeroportos, estradas, rede hoteleira e tudo o mais, vamos chegar facilmente aos R$ 40 bi. E acho que estou chutando baixo.

Conheço gente que aposta que o evidente atraso nas obras nada mais é que a velhíssima estratégia de criar dificuldades para vender facilidades: na última hora o governo abre o cofre e gasta o que for, como for, pra não passar vergonha.

O exemplo do Pan do Rio de Janeiro é preocupante. O que se construiu no Rio foi muito mais do que seria necessário para a realização de um Pan. Foi na verdade uma vitrine para mostrar que tínhamos bala na agulha para realizar uma Olimpíada por aqui, e a estimativa inicial de R$ 538 milhões se transformou em R$ 3,7 bilhões. Você leu certo: 3,7 bilhões de reais. E não se fala nos valores necessários para a manutenção das estruturas após os eventos. As informações são de que Atenas, na quebradíssima Grécia, consome algo em torno de US$ 100 milhões por ano apenas para conservação do complexo Olímpico.

Realizar a Copa movimenta o país, traz divisas (muito menos do que se julga) e teoricamente faz a qualidade dos serviços melhorar, mas não é esse o principal ponto. O maior benefício deveria ser a oportunidade de aproveitar a disposição do poder público em abrir os cofres, para realizar mudanças necessárias que causem impacto positivo na sociedade.

Palestrei num evento sobre a Copa no Brasil onde um inglês apresentou dados sobre a realização das Olimpíadas de Londres em 2012. O caso é diferente da Copa, pois a Olimpíada acontece numa cidade só, mas uma coisa chamou a atenção: a forma como foi tomada a decisão de onde localizar as obras do complexo Olímpico. Uma comissão de representantes de vários segmentos da sociedade se reuniu para tomar as decisões estratégicas iniciais. Colocaram um mapa de Londres sobre a mesa e perguntaram: qual é o pior lugar da cidade? Onde estão os mais altos índices de criminalidade? A menor presença do estado? Os lixões? A falta de transporte e de hospitais? Encontraram o lugar e decidiram: é aí! E assim começaram um processo de revitalização que mudou o destino daquela região e, por tabela, da cidade.

Não quero ficar fazendo comparações entre Londres e Brasil, quero apenas enfatizar a diferença entre os motivadores das decisões. Lá, foram sociais e políticas. Aqui são só políticas.

Talvez aí tenhamos uma lição a aprender e sejamos capazes de deixar um legado que independa do resultado do jogo final.

Não me interessa se o Brasil vai ganhar a Copa. Interessa o que é que o Brasil vai ganhar com a Copa.

Luciano Pires