Artigos Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

Manual de disrupção do marketing
Mauro Segura
Transformação
17 fenômenos acontecendo no marketing que nem todo mundo está enxergando

Ver mais

Fogo na bandeira

Fogo na bandeira

Luciano Pires -

Cena 1: Num grupo de cerca de mil pessoas em São Paulo, fazendo passeata contra a Copa do Mundo, alguém decide queimar a bandeira do Brasil. A foto circula pelas mídias sociais, jornais e revistas. No Facebook considero a atitude uma estupidez, coisa de quem confunde o conceito de “nação” com “governo”, e a discussão começa… A maioria dos comentários concorda comigo, mas cerca de 30% argumentam: “melhor queimar a bandeira do que quebrar um banco”, “queimar a bandeira não agride ninguém”, “é apenas um ato simbólico”, “aquilo é só um pano pintado”… A discussão pode ser vista logo abaixo ou através do link http://on.fb.me/1ndSXkx:

 

Cena 2: Formatura da minha filha, num grande teatro em São Paulo, chega o momento mais importante da cerimônia: o juramento. São vários cursos, propaganda, fotografia, design, etc. Um dos estudantes assume lugar no púlpito e lê o juramento, frase por frase. A turma que ele representa, em pé e com o braço direito levantado, repete cada frase. Na terceira turma o representante displicentemente lê o juramento inteirinho de uma vez só e olha para a turma, esperando que repitam. Todos caem na risada, gritos e bagunça. O coordenador pede que ele leia frase a frase, como fizeram os anteriores. O juramento é lido num clima de risos e esculhambação. Antes que o representante do próximo grupo assuma seu lugar, o sub-reitor vai até o púlpito e, severamente, diz: “Este juramento é um compromisso ético com a carreira e o futuro de cada um de vocês! Por favor, levem a sério este que é um dos momentos mais importantes em suas vidas.”

Deu para ouvir o silêncio de perplexidade, mas também um início de vaia, que acabou não se confirmando. E a cerimônia continuou.

Depois fomos comemorar numa pizzaria. Eu era o mais velho à mesa. Alguém lembrou a fala do sub-reitor: “Onde já se viu? Estávamos em festa e aquele cara não tinha nada que ir lá dar aquela dura! Absurdo!” Eu disse que ele estava certo, que aquilo era uma solenidade, que aquele momento era importante e que a zona da molecada apenas indicava que não estavam nem aí com compromissos. Só queriam saber da festa.

Quase fui expulso da pizzaria sob acusação de “velho”, “ultrapassado” e outras coisas. Como era família, não fui chamado de “conservador”, “coxinha”,”fascista” e “preconceituoso”.

Muito bem. O que é que essas duas cenas têm a ver? Ambas lidam com o conceito de mitos e ritos, do solene, coisas que têm sido sistematicamente destruídas pelo tal “relativismo”. Ambas lidam com valores morais na forma de símbolos que a sociedade cria para definir o que é importante, o que é bom, o que é ruim.

Aí vem o progressista: “Bom ou ruim pra quem, cara pálida? O que é bom pra você pode ser ruim pra mim”.

E assim a bandeira do Brasil pode ser o símbolo da pátria, que desperta a sensação de respeito, pertencimento e orgulho. Ou pode ser um pano pintado que serve para ser incendiado.

O juramento pode ser o momento emocionante que define valores que guiam o comportamento ético na vida. Ou um amontoado de frases velhas que tem mais é que ser esculhambado.

A bandeira e o juramento podem tanto ser valores morais que merecem reverência e respeito, quanto babaquices de gente velha, que têm que ser ridicularizadas. Escolha.

A facilidade com que descartamos valores morais, basicamente por ignorância, apenas reforça a crença de que eles podem ser substituídos por objetos, o que destrói qualquer compreensão sobre o que é bom e o que é ruim. Quem vive seus valores agoniza diante de escolhas morais. Os que deixam esses valores apenas pairarem sobre suas vidas, nem percebem que tais escolhas precisam ser feitas.

Para esses, a bandeira e o juramento são apenas objetos.

O que explica o Brasil de hoje.

Luciano Pires