Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Fogo na bandeira

Fogo na bandeira

Luciano Pires -

Cena 1: Num grupo de cerca de mil pessoas em São Paulo, fazendo passeata contra a Copa do Mundo, alguém decide queimar a bandeira do Brasil. A foto circula pelas mídias sociais, jornais e revistas. No Facebook considero a atitude uma estupidez, coisa de quem confunde o conceito de “nação” com “governo”, e a discussão começa… A maioria dos comentários concorda comigo, mas cerca de 30% argumentam: “melhor queimar a bandeira do que quebrar um banco”, “queimar a bandeira não agride ninguém”, “é apenas um ato simbólico”, “aquilo é só um pano pintado”… A discussão pode ser vista logo abaixo ou através do link http://on.fb.me/1ndSXkx:

 

Cena 2: Formatura da minha filha, num grande teatro em São Paulo, chega o momento mais importante da cerimônia: o juramento. São vários cursos, propaganda, fotografia, design, etc. Um dos estudantes assume lugar no púlpito e lê o juramento, frase por frase. A turma que ele representa, em pé e com o braço direito levantado, repete cada frase. Na terceira turma o representante displicentemente lê o juramento inteirinho de uma vez só e olha para a turma, esperando que repitam. Todos caem na risada, gritos e bagunça. O coordenador pede que ele leia frase a frase, como fizeram os anteriores. O juramento é lido num clima de risos e esculhambação. Antes que o representante do próximo grupo assuma seu lugar, o sub-reitor vai até o púlpito e, severamente, diz: “Este juramento é um compromisso ético com a carreira e o futuro de cada um de vocês! Por favor, levem a sério este que é um dos momentos mais importantes em suas vidas.”

Deu para ouvir o silêncio de perplexidade, mas também um início de vaia, que acabou não se confirmando. E a cerimônia continuou.

Depois fomos comemorar numa pizzaria. Eu era o mais velho à mesa. Alguém lembrou a fala do sub-reitor: “Onde já se viu? Estávamos em festa e aquele cara não tinha nada que ir lá dar aquela dura! Absurdo!” Eu disse que ele estava certo, que aquilo era uma solenidade, que aquele momento era importante e que a zona da molecada apenas indicava que não estavam nem aí com compromissos. Só queriam saber da festa.

Quase fui expulso da pizzaria sob acusação de “velho”, “ultrapassado” e outras coisas. Como era família, não fui chamado de “conservador”, “coxinha”,”fascista” e “preconceituoso”.

Muito bem. O que é que essas duas cenas têm a ver? Ambas lidam com o conceito de mitos e ritos, do solene, coisas que têm sido sistematicamente destruídas pelo tal “relativismo”. Ambas lidam com valores morais na forma de símbolos que a sociedade cria para definir o que é importante, o que é bom, o que é ruim.

Aí vem o progressista: “Bom ou ruim pra quem, cara pálida? O que é bom pra você pode ser ruim pra mim”.

E assim a bandeira do Brasil pode ser o símbolo da pátria, que desperta a sensação de respeito, pertencimento e orgulho. Ou pode ser um pano pintado que serve para ser incendiado.

O juramento pode ser o momento emocionante que define valores que guiam o comportamento ético na vida. Ou um amontoado de frases velhas que tem mais é que ser esculhambado.

A bandeira e o juramento podem tanto ser valores morais que merecem reverência e respeito, quanto babaquices de gente velha, que têm que ser ridicularizadas. Escolha.

A facilidade com que descartamos valores morais, basicamente por ignorância, apenas reforça a crença de que eles podem ser substituídos por objetos, o que destrói qualquer compreensão sobre o que é bom e o que é ruim. Quem vive seus valores agoniza diante de escolhas morais. Os que deixam esses valores apenas pairarem sobre suas vidas, nem percebem que tais escolhas precisam ser feitas.

Para esses, a bandeira e o juramento são apenas objetos.

O que explica o Brasil de hoje.

Luciano Pires