Artigos Café Brasil
Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Quando a dureza dos números é insuficiente para dar um ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 – Leo Lopes – Leo Lopes é uma referência ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Tá tudo invertido
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tá tudo invertido Quem diria? “A nova ordem mundial não é explicada pelo declínio dos Estados Unidos da América, mas sim pela ascensão de todos os outros países”. Fareed Zakaria Desde 2009, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Cafezinho 2 – O bobageiro
Cafezinho 2 – O bobageiro
Quando se trata de falar bobagem, pesquisas já ...

Ver mais

Facefamily

Facefamily

Luciano Pires -

Esta semana tive uma experiência deliciosa. Minha mãe, aos 80 anos de idade, criou uma página no Facebook! E no mesmo instante os filhos, netos e sobrinhos começaram a aparecer na página da dona Helena. Uma prima publicou uma foto dos primos, cerca de 40 anos atrás lá em Bauru. Uma foto deliciosa, a molecada de pés no chão e roupa suja, com expressões de… crianças. Imediatamente publiquei outra foto que tiramos quatro anos atrás, na comemoração de 80 anos de meu pai, com as mesmas pessoas, na mesma ordem. Em minutos a família estava curtindo, outras pessoas comentando, um acontecimento! Criado num lampejo, usando a tecnologia das redes sociais.

Confesso que nunca entendi direito essas tais redes. Afinal, para que serve o Facebook? O Twitter? Aquela história de “seguidores”, “curtir”, “compartilhar”, tinha cara de coisa de desocupados. Com o tempo fui me familiarizando, aderindo e descobrindo essa nova “mídia” que toma de assalto a humanidade. Como a televisão, o cinema, o rádio e os jornais e revistas, as redes sociais servem para transmitir informações de forma indireta para as pessoas. Mas diferente das mídias tradicionais, que tem mão única, as sociais tem mão dupla. A informação vai e vem, permitindo o diálogo e o controle das informações que queremos receber.

Quando faço uma comparação rápida entre o número de pessoas com as quais eu me relacionava quanto tinha 25 anos de idade (1981) e o número que pessoas que hoje fazem parte de meu círculo de contatos, chega a ser absurdo. Em 1981 eram 10, 20 ou no máximo 30 familiares, amigos e colegas de trabalho, pessoalmente, por telefone ou por carta. Hoje – graças às redes sociais – consigo dialogar com 10 mil pessoas, bastando apertar o “enter”. Fascinante!

Pois é. Mas ter 3.000 seguidores no Facebook não significa “manter relações” com 3.000 pessoas. As mídias sociais continuam sendo apenas mídias: uma forma indireta, ainda nascente, de trocar informações. É então que surge a mágica do Facebook: ele começa a unir familiares. Primos, tios, irmãos que não se veem há anos surgem repentinamente com um pedido de amizade na sua página. Em minutos você está dentro da pagina daquele parente, apreciando as fotografias e revendo pessoas com as quais tinha perdido o contato. É fascinante. E o Facebook passa a desempenhar uma função social que só ele – graças à tecnologia – pode desempenhar: o agregador familiar.

É claro que nada substitui um encontro pessoal, os olhos nos olhos, o tocar e os gestos, expressões e entonação da voz. Mas quando a distância – ou a preguiça – impedem que isso aconteça, as redes sociais aparecem! Sorte de quem souber aproveitá-las!

O desafio é dar aos encontros superficiais das redes sociais a mesma profundidade que eu dava naquelas cartas que eu escrevia 30 anos atrás para meus 10 amigos.

Bem, a foto que eu publiquei é a que você vê ilustrando este texto. Eu sou o garoto de camiseta listrada na parte de cima. E apareço na parte de baixo, 80 quilos depois… Concluí que não estou nem melhor nem pior. Estou diferente.

Fascinante.

Luciano Pires