Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Facefamily

Facefamily

Luciano Pires -

Esta semana tive uma experiência deliciosa. Minha mãe, aos 80 anos de idade, criou uma página no Facebook! E no mesmo instante os filhos, netos e sobrinhos começaram a aparecer na página da dona Helena. Uma prima publicou uma foto dos primos, cerca de 40 anos atrás lá em Bauru. Uma foto deliciosa, a molecada de pés no chão e roupa suja, com expressões de… crianças. Imediatamente publiquei outra foto que tiramos quatro anos atrás, na comemoração de 80 anos de meu pai, com as mesmas pessoas, na mesma ordem. Em minutos a família estava curtindo, outras pessoas comentando, um acontecimento! Criado num lampejo, usando a tecnologia das redes sociais.

Confesso que nunca entendi direito essas tais redes. Afinal, para que serve o Facebook? O Twitter? Aquela história de “seguidores”, “curtir”, “compartilhar”, tinha cara de coisa de desocupados. Com o tempo fui me familiarizando, aderindo e descobrindo essa nova “mídia” que toma de assalto a humanidade. Como a televisão, o cinema, o rádio e os jornais e revistas, as redes sociais servem para transmitir informações de forma indireta para as pessoas. Mas diferente das mídias tradicionais, que tem mão única, as sociais tem mão dupla. A informação vai e vem, permitindo o diálogo e o controle das informações que queremos receber.

Quando faço uma comparação rápida entre o número de pessoas com as quais eu me relacionava quanto tinha 25 anos de idade (1981) e o número que pessoas que hoje fazem parte de meu círculo de contatos, chega a ser absurdo. Em 1981 eram 10, 20 ou no máximo 30 familiares, amigos e colegas de trabalho, pessoalmente, por telefone ou por carta. Hoje – graças às redes sociais – consigo dialogar com 10 mil pessoas, bastando apertar o “enter”. Fascinante!

Pois é. Mas ter 3.000 seguidores no Facebook não significa “manter relações” com 3.000 pessoas. As mídias sociais continuam sendo apenas mídias: uma forma indireta, ainda nascente, de trocar informações. É então que surge a mágica do Facebook: ele começa a unir familiares. Primos, tios, irmãos que não se veem há anos surgem repentinamente com um pedido de amizade na sua página. Em minutos você está dentro da pagina daquele parente, apreciando as fotografias e revendo pessoas com as quais tinha perdido o contato. É fascinante. E o Facebook passa a desempenhar uma função social que só ele – graças à tecnologia – pode desempenhar: o agregador familiar.

É claro que nada substitui um encontro pessoal, os olhos nos olhos, o tocar e os gestos, expressões e entonação da voz. Mas quando a distância – ou a preguiça – impedem que isso aconteça, as redes sociais aparecem! Sorte de quem souber aproveitá-las!

O desafio é dar aos encontros superficiais das redes sociais a mesma profundidade que eu dava naquelas cartas que eu escrevia 30 anos atrás para meus 10 amigos.

Bem, a foto que eu publiquei é a que você vê ilustrando este texto. Eu sou o garoto de camiseta listrada na parte de cima. E apareço na parte de baixo, 80 quilos depois… Concluí que não estou nem melhor nem pior. Estou diferente.

Fascinante.

Luciano Pires