Artigos Café Brasil
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Dze Rowlystones

Dze Rowlystones

Luciano Pires -



DZE ROWLYSTONES 





Recebi por e-mail um anúncio publicado em jornal de uma cidade do interior, oferecendo um pacote imperdível a quem quisesse assistir ao show dos Rowlystones na praia de Copacabana, em fevereiro passado. No título do anúncio estava assim mesmo: row-lys-tones.



Mais de um milhão e meio de pessoas reunidas para assistir ao show da mais importante banda de rock em atividade, os Rowlystones.



E as tvs falaram, os jornais cobriram, as rádios anunciaram… O evento do século. Quase duas horas de rock da melhor qualidade, músicas históricas e Mick Jagger e seus companheiros detonando, mesmo sexagenários (ou seria sexuagenários?), rock como não se faz mais.



Para mim, se alguém perguntar o que é Rock´n Roll eu defino: Mick Jagger.



E a maioria vai indagar imediatamente:



– Míqui Jégue? O cantor do rowlystones?



– Você conhece os rowlystones? Canta uma música deles aí!



– Ai quem guéti nou. Sadisféc-chou!



Ouvi isso dezenas de vezes nas monótonas entrevistas pela tv e pelo rádio.



Pois é…



Tenho certeza de que 90% das pessoas que estavam em Copacabana ou acompanhando os Rolling Stones pela TV, não tinham a menor idéia do que um dia representaram aqueles senhores no palco. Afinal, hoje os Rolling Stones são os “Rowlystones”, uma megabanda voltada ao entretenimento puro, sem a mensagem de rebeldia dos anos sessenta. E que gira por ano quase 200 milhões de dólares…



Que tristeza…



Ninguém prestou atenção na letra de “Sympathy for the Devil”. Ninguém sabe o que quer dizer “Brown Sugar”. Ninguém lembra da porrada que foi “Gimme Shelter” em pleno Vietnã… E o que se viu foi mais uma vez a vitória da forma sobre o conteúdo.



Se naquele palco estivesse o Iu Tchu ou a Banda Calypso, seria a mesma coisa… Afinal, tudo o que é preciso é uma celebridade, um pouco de histeria da mídia, luzes, som alto e… Um rebanho.



E o show foi fantástico. A reação do público inesquecível. A energia de Mick Jagger impressionante. As luzes encantadoras. O som perfeito. Um mega show, com direito a ter a transmissão bruscamente interrompida pela Globo, que precisava faturar.



Tudo perfeito.



Como deve ser um xou de roque.