Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Dona Helena e a Pocahontas

Dona Helena e a Pocahontas

Luciano Pires -

Num final de semana, assistindo ao DVD do filme Novo Mundo de Terrence Malick, encontrei uma cena fascinante. A atriz Q’Orianka Kilcher faz o papel da índia Pocahontas, levada para conviver com os colonos ingleses no começo do século 17 na região onde hoje é a Virgínia nos EUA. Retirada de sua aldeia a índia tem que usar roupas como as mulheres dos colonos e seu processo de “civilização” é complicado. A cena a que me referi acontece no momento em que a índia é trancada dentro de uma cabana e examina em detalhes uma… janela. Uma janela tosca, de madeira, sem nenhuma sofisticação como vidro, fechaduras metálicas ou alumínio. Ela olha sob vários ângulos, fascinada com aquela coisa fantástica que se abre e fecha, permitindo que ela veja a paisagem e também seja protegida das intempéries. Para Pocahontas em 1605 a janela de madeira era um milagre da tecnologia.

Pouco depois fui a Bauru, minha terra natal, fazer uma palestra. Fiquei hospedado na casa de meus pais e lá pelas tantas mostrei meu IPad para a minha mãe, Dona Helena, com seus 78 anos de idade. Vi repetir-se a cena do filme. Dona Helena mostrou a mesma fascinação da Pocahontas com aquele objeto capaz de fazer coisas mágicas, diferente de tudo que ela já havia visto. Para a dona Helena em 2011 o IPad é um milagre da tecnologia.

Agora imagine a rainha Elizabeth I experimentando pela primeira vez um vaso sanitário lá por 1600…  

Voltando para hoje, digamos que você é mulher, com seus vinte e poucos anos, “geração Y” total. Imagine em 2050 seu neto mostrando um videogame holográfico com sistema táctil e cheiros. Aposto que sua expressão será a mesma da Dona Helena de 40 anos atrás. Ou da Pocahontas  e da Rainha Elizabeth I 450 anos antes.  Onde quero chegar? Mais uma vez nessa história de “geração isso, geração aquilo”. A Pocahontas, a Rainha Elizabeth, a Dona Helena e aquela moça geração Y tem a mesma constituição física, o mesmo tamanho de cérebro, o mesmo número de neurônios. Sentem, ou sentiam, fome, sede, frio e calor do mesmo jeito. Se furar o dedo sai sangue. São iguaizinhas. Como igualzinha era a rainha Cleópatra 2050 anos atrás… O que as diferencia é o contexto em que nasceram, o progresso tecnológico, as transformações na economia, a cultura geral. Cada uma é produto de uma sociedade. Portanto, discutir e classificar gerações só tem sentido se a amostragem for constituída de gente que tem uma base comum de cultura histórica, econômica, educacional, linguística e social. Ou você acha que existe “Geração Y” no interior do Senegal? Nas montanhas do Nepal? No meio da selva do Cambodja? Na periferia de qualquer grande cidade brasileira?

Se fosse possível trazer a Pocahontas, que na história famosa tinha 14 anos de idade, para os dias de hoje, quanto tempo você acha que ela levaria para aprender a usar um IPad?

Geração não é horóscopo. É contexto.

Luciano Pires