Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Nestes tempos de novilíngua, de “mentiras simbólicas” e ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Diferente Deles

Diferente Deles

Luciano Pires -

Olha, eu não canso de me admirar com a capacidade que os políticos têm de conviver com uma situação como essa que envolve o Renan Calheiros. Se fosse comigo eu já teria morrido de vergonha. Saberia que por onde passo as pessoas me olhariam e cochichariam “olha ele aí”. Saberia que na casa de cada brasileiro estariam escancarados os atos que pratiquei e que não são nobres. Eu morreria de vergonha diante da minha família, de meus filhos. Como é que eu encararia meus pais? Como é que eu encararia a moça do caixa na padaria? E o porteiro do prédio? Como seria uma reunião na escola de meus filhos? Ou no meu condomínio? Como é que eu entraria num avião e enfrentaria 150 pares de olhos acusadores? Como é que alguém consegue conviver com isso?

Pensei muito a respeito e cheguei a uma conclusão preocupante. Uma pessoa só consegue suportar uma situação como essa de duas formas: se for provida de uma cara-de-pau infinita ou se conviver entre pessoas que são iguais a ela. Um ladrão não tem vergonha de outros ladrões. Um vigarista não se envergonha diante de outros vigaristas. E me deu um frio na barriga quando entendi que talvez o Renan – e aqueles outros – achem que eu sou igual a eles. Portanto podem conviver comigo como se nada tivesse acontecido.
E se eu estiver correto, então concluo que o caso Renan – como o de outros políticos da mesma cepa – me indigna menos pelas sacanagens que eles cometeram do que pela perspectiva de que eles achem que sou igual a eles…
Definitivamente, não sou igual a eles.
E, sobre esse assunto, recebi um e-mail de um leitor, Alessandre Cordero, com uma idéia interessante:

“Presenciei uma cena num zoológico aqui em SP que foi algo que passaria despercebido em qualquer país: um jovem estava indo jogar objetos no lixo quando desviou e pegou uma lata do chão, deixada ‘pelos outros’. Mas ao tentar colocar no lixo reciclável, viu que este se encontrava cheio. Não pensou duas vezes, amassou a lata e colocou-a no lixo. Uma senhora que estava por perto e presenciou o ato não se conteve e disse: ‘O Brasil deveria ter mais pessoas iguais a você’. E o mais incrível veio em seguida, quando umas 10 ou 15 pessoas próximas começaram a aplaudir o jovem.
Sim, existem muitos bons brasileiros escondidos dentro da massa hipócrita, e precisamos destacá-los para mostrar que é bom ser e fazer o certo. Luciano, aproveitando a desilusão atual de ser brasileiro, podíamos lançar uma nova campanha: ‘Não sou como vocês!’. Essa campanha mostraria o bom indivíduo,  civilista, patriótico e correto. Um brasileiro diferente. Para as pessoas terem orgulho de dizer que jogam lixo no lixo, separam o reciclável, não compram produtos piratas, não usam artimanhas de suborno, não usam o acostamento como pista, não param em fila dupla, dão passagem, agradecem, não furam fila etc. Pessoas que hoje se encontram isoladas e sem muito crédito. Pois estas pessoas deveriam ter orgulho de ser como são e dizer de boca cheia ‘Não sou como vocês!’. Essa campanha seria eterna.”

Li o e-mail do Alessandre entre perplexo e angustiado. Percebi que sua idéia é a mesma de milhões de brasileiros que querem tão pouco… Querem apenas que sejamos civilizados. Honestos. Que sejamos diferentes daqueles “eles”.
Não sei como é pra você. Mas pra mim, constatar que no início do novo milênio nossa ambição se resume ao óbvio, dá uma sensação profunda de que estamos atrasados.

Muito atrasados.