Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Desemprego Qualificado

Desemprego Qualificado

Luciano Pires -

Socorro! Minha casa está em reforma! O pedreiro estraga a porta, o marceneiro estraga o gesso, o gesseiro estraga a pintura, o pintor estraga o piso, o ladrilheiro estraga a parede… Contratei uma empresa para não ter dor-de-cabeça com os pedreiros e agora tenho dor-de-cabeça com os donos da empresa.

Como é difícil encontrar bons profissionais! Por isso fico cismado com a questão do desemprego em nosso país. Afinal, faltam empregos ou faltam profissionais?

Em 2007 tínhamos no Brasil 98,6 milhões de pessoas inseridas no mercado de trabalho. E, desse total, 8 milhões desocupadas. Oito milhões de desempregados e não consigo um pedreiro que preste!

Aí leio num artigo “A falta de mão-de-obra é hoje um dos principais gargalos do setor da construção civil no Brasil. Segundo pesquisa da Escola Politécnica da USP, isso custará ao setor R$ 5,1 bilhões, valor estimado para a geração de vagas em cursos de capacitação e para certificação de trabalhadores. A pesquisa levantou que precisamos multiplicar por mais de 13 vezes a oferta para atender a demanda.”

Logo em seguida encontro a pesquisa “Falta de Talentos”, realizada pela Manpower, uma das grandes empresas globais na área de Recursos Humanos. A pesquisa aconteceu em 2006 em 23 países, envolvendo 33 mil empregadores. O objetivo era determinar o impacto que a ausência de candidatos qualificados está causando no mercado de trabalho.

Os resultados revelaram que 40% dos empregadores têm dificuldades para ocupar posições, por falta de talentos em seus mercados.

A Manpower diz que “em dez anos veremos muitos negócios fracassarem por não saberem planejar com antecipação a maneira como encarar a escassez de talentos.”

Então dois amigos, excelentes profissionais, dizem que essa conversa de falta de talentos é papo-furado, que eles têm todas as qualificações mas estão desempregados há meses. Quando se candidatam a uma vaga, invariavelmente recebem a informação de que estão superqualificados. E que estão acima da idade desejada para o cargo.

Será que estamos medindo direito o desemprego, hein? Que perguntas são feitas para definir se o sujeito é um desempregado? Será que alguém pergunta sobre a razão de ele estar desempregado? Ou isso não é importante?

Pois faço um desafio. Em vez de medir a quantidade, que tal medir a qualidade do desemprego? Sim, senhor, qualidade: que emprego está sendo oferecido e não consegue candidatos à altura?

Não será surpresa descobrir que não existe um “desemprego no Brasil”. Existem vários. Qualificados. Aqui sobram vagas, pois faltam talentos, e ali sobram talentos, pois faltam vagas. E simplesmente somar, dividir por dois e anunciar que o desemprego no Brasil é “xis” não leva a qualquer conclusão prática!

Mas a surpresa – ou não – acontecerá quando começarmos a questionar quem está fazendo o recrutamento e a seleção nas empresas. Veremos que a maioria é gente limitada a seguir “scripts” e buscar o impossível: um jovem recém-formado com “pelo menos três anos de experiência profissional”…

Desemprego qualificadO :   só assim entenderemos o problema.

Mas muita gente vai se incomodar ao descobrir que o combate ao desemprego no Brasil não é apenas uma questão de qualificar os candidatos. Tem que qualificar os empregadores também.

Alguém conhece um pedreiro bom por aí?