Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
Cafezinho 109 – Zeitgeist Tropical
E hoje? Qual é o zeitgeist do Brasil?

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Depende do ponto

Depende do ponto

Luciano Pires -

O Island Peak no Nepal

Em oito de abril de 2001 eu estava a 4.300 metros de altitude, num povoado chamado Dingboche – mais propriamente um ajuntamento – no Nepal, a caminho do Campo Base do Everest. Chegamos até lá depois de passar pelo monastério de Tiangboche, onde assisti ao pôr do sol mais fantástico de minha vida. Relato esse momento emocionante em meu site www.omeueverest.com.br e no livro e palestra homônimos. Em meio àquele espetáculo reparei num morrinho em frente ao imponente Everest. Perguntei ao guia:

– Que morrinho é aquele?

– É o Island Peak, uma montanha com 6.180 metros de altura…

O tal “morrinho” tinha o dobro da altura do pico mais alto do Brasil! Perplexo, descobri que eu estava vivendo uma crise de paridade.

Paridade quer dizer igualdade, equidade. Designa o processo que usamos para entender o mundo. Por exemplo, quando vamos comprar um carro, comparamos os atributos da oferta (potência, design, preço, consumo, etc) com tudo o que conhecemos sobre automóveis. Praticamos um exercício de paridade. E concluímos se o negócio é bom.

Mas na trilha do Everest, a paridade era impossível. Não tínhamos árvores, ônibus, prédios, casas ou estradas. Nada familiar, que nos ajudasse a fazer as comparações a que estamos acostumados para determinar distâncias, dimensões e tempo. Sem referências, a imensa montanha virava um morrinho… Os vinte minutos que achávamos que levaríamos “daqui até ali”, demorava duas horas.

Porém, numa coisa a paridade estava presente. Eu estava num lugar onde não existe um interruptor na parede para ligar a luz. A vida é mantida por um aquecedor no centro da sala das casas, cujo combustível é estrume seco. As mulheres tomam banho com uma bacia na soleira da porta da rua. As crianças andam sem a parte de baixo da roupa, até mesmo descalças, em temperaturas abaixo de zero. Eu vi a miséria de um jeito como nunca pensei que veria. Ao retornar ao Brasil, encontrei o país mergulhado numa grande discussão alimentada pelo PT em campanha eleitoral: éramos um país de miseráveis! Mais de 40 milhões de infelizes abandonados. Fui atrás. Afinal, quantos miseráveis existiam no Brasil? Num estudo da Fundação Getúlio Vargas, encontrei 59 milhões. No programa Fome Zero achei 46 milhões. Nos documentos do PT, o número usado para se eleger: 44 milhões. Num trabalho do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, do Ministério do Planejamento, 22 milhões. E num trabalho da pesquisadora Sonia Rocha do IBRE – Instituto Brasileiro de Economia, da FGV, 16 milhões…

Bem, 59, 46, 44, 22, 16, não importa. Ninguém pode se conformar com a existência de um miserável que seja. Mas quando ouvi o rótulo de “país de miseráveis”, imediatamente pratiquei a paridade. Eu havia acabado de ver a miséria com 15 graus abaixo de zero! E minha conclusão foi: comparado ao Nepal, somos um país abençoado.

A cada dia tenho mais certeza de que o Brasil tem uma lixeira. Mas por mais que tentem nos convencer, o Brasil não é a lixeira. Só que para acreditar nisso é necessário ter com o que comparar.

O ponto de vista depende do ponto.

Luciano Pires