Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

De Marceline para o mundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
De Marceline para o mundo  Encantamento como objetivo   “Gosto do impossível porque lá a concorrência é menor”. Walt Disney O título deste artigo integra o título completo de um livro lançado em ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Cafezinho 10 – Legítima defesa
Cafezinho 10 – Legítima defesa
Quatro anos e 240 mil assassinatos depois, a única ...

Ver mais

Depende do ponto

Depende do ponto

Luciano Pires -

O Island Peak no Nepal

Em oito de abril de 2001 eu estava a 4.300 metros de altitude, num povoado chamado Dingboche – mais propriamente um ajuntamento – no Nepal, a caminho do Campo Base do Everest. Chegamos até lá depois de passar pelo monastério de Tiangboche, onde assisti ao pôr do sol mais fantástico de minha vida. Relato esse momento emocionante em meu site www.omeueverest.com.br e no livro e palestra homônimos. Em meio àquele espetáculo reparei num morrinho em frente ao imponente Everest. Perguntei ao guia:

– Que morrinho é aquele?

– É o Island Peak, uma montanha com 6.180 metros de altura…

O tal “morrinho” tinha o dobro da altura do pico mais alto do Brasil! Perplexo, descobri que eu estava vivendo uma crise de paridade.

Paridade quer dizer igualdade, equidade. Designa o processo que usamos para entender o mundo. Por exemplo, quando vamos comprar um carro, comparamos os atributos da oferta (potência, design, preço, consumo, etc) com tudo o que conhecemos sobre automóveis. Praticamos um exercício de paridade. E concluímos se o negócio é bom.

Mas na trilha do Everest, a paridade era impossível. Não tínhamos árvores, ônibus, prédios, casas ou estradas. Nada familiar, que nos ajudasse a fazer as comparações a que estamos acostumados para determinar distâncias, dimensões e tempo. Sem referências, a imensa montanha virava um morrinho… Os vinte minutos que achávamos que levaríamos “daqui até ali”, demorava duas horas.

Porém, numa coisa a paridade estava presente. Eu estava num lugar onde não existe um interruptor na parede para ligar a luz. A vida é mantida por um aquecedor no centro da sala das casas, cujo combustível é estrume seco. As mulheres tomam banho com uma bacia na soleira da porta da rua. As crianças andam sem a parte de baixo da roupa, até mesmo descalças, em temperaturas abaixo de zero. Eu vi a miséria de um jeito como nunca pensei que veria. Ao retornar ao Brasil, encontrei o país mergulhado numa grande discussão alimentada pelo PT em campanha eleitoral: éramos um país de miseráveis! Mais de 40 milhões de infelizes abandonados. Fui atrás. Afinal, quantos miseráveis existiam no Brasil? Num estudo da Fundação Getúlio Vargas, encontrei 59 milhões. No programa Fome Zero achei 46 milhões. Nos documentos do PT, o número usado para se eleger: 44 milhões. Num trabalho do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, do Ministério do Planejamento, 22 milhões. E num trabalho da pesquisadora Sonia Rocha do IBRE – Instituto Brasileiro de Economia, da FGV, 16 milhões…

Bem, 59, 46, 44, 22, 16, não importa. Ninguém pode se conformar com a existência de um miserável que seja. Mas quando ouvi o rótulo de “país de miseráveis”, imediatamente pratiquei a paridade. Eu havia acabado de ver a miséria com 15 graus abaixo de zero! E minha conclusão foi: comparado ao Nepal, somos um país abençoado.

A cada dia tenho mais certeza de que o Brasil tem uma lixeira. Mas por mais que tentem nos convencer, o Brasil não é a lixeira. Só que para acreditar nisso é necessário ter com o que comparar.

O ponto de vista depende do ponto.

Luciano Pires