Artigos Café Brasil
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que você afirmar que é de direita ajuda a esquerda?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Déjà Vu

Déjà Vu

Luciano Pires -

Ando envolvido com o Everest outra vez, acompanhando a aventura de um amigo que está a caminho do topo da maior montanha do mundo. Você também pode acompanhar em www.omeueverest.com.br/blog .

Quando eu era garoto, lá pelos meus 10 ou 12 anos, em Bauru, tive um sonho. Não me lembro de detalhes, a única coisa que guardei foi a visão de uma vila na encosta de uma montanha, com gramados verdes e casinhas. Algo inesperado de se encontrar na encosta de uma montanha a três mil metros de altitude. Não sei por que, achei que aquilo era no Tibet e que um dia eu iria até lá e veria aquela cena. Não me lembro de mais nada do sonho, só a visão da vila.

Depois disso o Tibet passou a ter um significado especial para mim, que sempre vi com curiosidade aquele país, aquela cultura.

Mais de trinta anos depois, aos 44 anos de idade, realizei a minha aventura de caminhar até o campo base do Everest em 2001. E logo no início da caminhada tive uma surpresa que me deixou sem fôlego.

Já caminhando na trilha, a cerca de 2.600 metros de altitude, próximo da vila de Pahkding, faço uma curva e o que vejo? Na encosta de uma das montanhas uma pequena vila com a vegetação verde parecendo gramados. E as casinhas. Era exatamente aquele sonho de 30 anos atrás.

Era a vila do meu sonho! Entre 12 e 15 casinhas tendo em frente um gramado com a característica geografia local: a grama, ou seja lá o que fosse aquela vegetação verde, disposta em platôs como uma grande escada.

Exatamente como vi em meu sonho. E os raios de sol entrando através das nuvens davam àquela visão um sentido mágico. Veja se você acredita na foto que publiquei em http://www.omeueverest.com/diario/3.asp .

Mas o mais interessante – e daí o inexplicável – foi que, assim que entrei na trilha tive uma sensação estranha. Eu sabia que ia ter a visão de meu sonho. A cada curva, esperava por ela. Não me pergunte a razão, era aquela intuição, sabe? Depois descobri que aquela era a vila de Chourikharka, onde moravam dois dos sherpas que nos acompanharam e com os quais mais me identifiquei. Só soube disso no final da viagem…

Muito louco. Esse tipo de coisa já aconteceu com você?

Émile Boirac, um francês que viveu entre 1851 e 1917, foi quem utilizou pela primeira vez um termo para designar essa sensação: déjà vu, que quer dizer “já vi” em francês. O termo déjà vu implica em uma sensação de passado: já vi essa cena, esse lugar… Já estive aqui antes. Se assumirmos que o déjà vu é uma recordação, então temos que acreditar que já estivemos por ali antes, que já vivemos a mesma situação antes.

Mas eu nunca estive no Nepal antes, tenho certeza disso.

Procurando uma explicação científica li que o déjà vu provavelmente vem de uma experiência original que não foi completamente codificada. Um acontecimento, um som, uma visão, um cheiro no presente podem ativar um fragmento de recordação daquele acontecimento do qual temos apenas uma vaga memória.

Quem já experimentou a sensação sabe do impacto que ela é capaz de causar.

Outra explicação é fisiológica: uma ação neuroquímica no cérebro dispararia lembranças de algo que jamais aconteceu, mas que parece ser familiar.

A ciência explica. Mas não é muito mais interessante imaginar que você já esteve ali mesmo, em outra vida? Ou dimensão? Ou que de alguma forma você viu o futuro?

Pois é. Às vezes a ciência pode ser muito sem graça…