Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Debaixo de vara

Debaixo de vara

Luciano Pires -
“Me preocupa um ex-presidente da República ser conduzido debaixo de vara”, disse o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento à Polícia Federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.
 
“Debaixo de vara”… logo vem à mente a imagem de Lula protegendo a cabeça enquanto agentes da polícia descem a vara sobre ele não é? Mas de onde vem essa vara? Fiquei curioso e fui atrás:
 
A vara, como insígnia do poder dos juízes, vem lá da Roma antiga. A vara era uma haste que os juízes conduziam para serem reconhecidos, também servindo para distinguir os juízes letrados dos leigos. Os letrados carregavam uma vara branca, os leigos uma vara vermelha. Filipe I, da Espanha, sancionou em 1595 as Ordenações Filipinas, uma compilação jurídica que entrou em vigência no reinado de Filipe II, em 1603 e que constituíram a base do Direito Português, com muitas de suas disposições tendo vigência no Brasil até o advento do Código Civil de 1916. Nelas havia até uma previsão de multa aos juízes que saíssem às ruas sem a vara:
 
“E os juízes ordinários trarão varas vermelhas e os juízes de fora brancas continuadamente, quando pella Villa andarem, sob pena de quinhentos réis, por cada vez, que sem ella forem achados” (Ordenações Filipinas, Liv. 1, Título LXV).
Na parte criminal, as Ordenações determinavam que os oficiais de justiça poderiam conduzir testemunhas e réus que resistissem ao convite, debaixo de vara, isto é, à força. O sujeito era conduzido debaixo da vara do juiz…
No Brasil, o Código de Processo Criminal do Império, promulgado em 29 de novembro de 1832, disciplinou a matéria da seguinte forma:
 
“Art. 95. As testemunhas, que não comparecerem sem motivo justificado, tendo sido citadas, serão conduzidas debaixo de vara, e soffrerão a pena de desobediencia.”.
 
Com o Código do Processo Penal de 1941 o uso da vara nas conduções coercitivas desapareceu:
 
“Art. 218. Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública.”
O termo “vara” então, deixou de designar um bastão para designar o local do exercício da magistratura, uma espécie de sinônimo de juízo. “Vara da Infância e Juventude”, “Vara do Trabalho”, “Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher”, etc.
 
Mas e a vara do Lula? No despacho/decisão do Juiz Sérgio Moro para a condução coercitiva de Lula (http://bit.ly/1StXTB1) está escrito (as palavras em maiúsculas estão no texto original):
“Evidentemente, a utilização do mandado só será necessária caso o ex-presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para prestar depoimento na data das buscas e apreensões, não aceite o convite. Expeça-­se quanto a ele mandado de condução coercitiva, consignando o número deste feito, a qualificação e o respectivo endereço extraído da representação.
Consigne-­se no mandado que NÃO deve ser utilizada algema e NÃO deve, em hipótese alguma, ser filmado ou, tanto quanto possível, permitida a filmagem do deslocamento do ex-­Presidente para a colheita do depoimento.
Na colheita do depoimento, deve ser, desnecessário dizer, garantido o direito ao silêncio e a presença do respectivo defensor.
O mandado SÓ DEVE SER UTILIZADO E CUMPRIDO, caso o ex-Presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para depoimento, recuse­-se a fazê­-lo.”
 
Por duas vezes está escrito: a vara só será usada se o ex-Presidente se recusar a acompanhar a autoridade policial. Conforme relato do delegado que foi buscar o ex-presidente, Lula primeiro teria afirmado que só sairia de casa algemado, mas depois de conversar com seu advogado, acompanhou os policiais, que chamou de “gentis e educados” até o local designado para prestar o depoimento.
Não houve portanto, o uso da vara.
 
O que me deixa invocado com essa história é que, se fosse comigo e eu dissesse um “mas” para o delegado, também não haveria vara.
 
Haveria pescoção.
 
Afinal, sou um brasileiro de categoria inferior à de Lula, não é?