Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

De frente para o vazio

De frente para o vazio

Luciano Pires -

Dez anos atrás, em Manhattan, escrevi um texto que repriso hoje.

Aqui estou, no “Ground Zero”, ao sul de Manhattan, onde há pouco mais de um ano se erguiam as torres imponentes do World Trade Center. São duas da manhã. Barracas vendendo quinquilharias para todo lado, gente do mundo inteiro olhando aquele canteiro de obras.

No dia seguinte, passo por lá outra vez. Com o sol brilhando é possível perceber o tamanho da tragédia. Caminhando pelas avenidas retilíneas de Manhattan é impossível olhar para aqueles outros prédios sem imaginar o que foi a cena do avião entrando pela parede. O barulho infernal, a bola de fogo e a queda das torres. Na descrição de quem viu, primeiro um barulho de aço torcido e depois uma sequência de explosões sincronizadas, conforme cada andar vinha abaixo.

E a nuvem de cinzas e pó.

Em pé, de frente para aquela área imensa, vazia, a mente voa. Terá sido assim – guardando as proporções – a Londres depois dos bombardeios alemães? Hiroxima e Nagasaki? O Libano? A Sérvia? E todos os conflitos onde o homem lançou suas armas de destruição atingindo a população civil? Talvez, mas com as torres gêmeas havia uma diferença fundamental, não existia uma guerra. E vem daí o choque: houvesse a guerra, seria de se esperar.

Agora eu estava ali, ao vivo, vendo milhares de oferendas penduradas nas paredes próximas, as fotos dos desaparecidos, os bilhetes de seus familiares e amigos. Uma bandeira do Brasil com várias frases. Uma garota, cara de chinesa, pendurando um bilhete na cerca, com palavras de amor e saudades para uma das vítimas.

De frente para o vazio é impossível não imaginar o que vem depois. A obra de Bin Laden foi perfeita na execução, nos objetivos, na eficiência e na capacidade de chocar. E agora, o que é que pode nos chocar? Um artefato atômico dentro da grande cidade? Pode apostar. E com consequências muito mais catastróficas! Mas não tenho certeza se repetindo o impacto de 11 de setembro de 2001.

Aquele canteiro de obras é uma cicatriz gigantesca, mas que só dói mais que as tragédias do Oriente Médio, da África, da Europa Central porque foi ao vivo, em cores, atingindo gente igual a gente e não uma tribo perdida num país de nome estranho.

Dói porque teve mídia.

De frente para o vazio, revivo cada momento daquela manhã. Ouço os sons, sinto o cheiro, sufoco com o pó, corro de medo, choro com o bombeiro, pego no colo a criança, grito por vingança. De frente para o vazio, me pergunto o que mudou depois de 11 de setembro. E descubro, entristecido, que quem mais sofreu foi a liberdade. Passamos a ser mais vigiados, mais restringidos, mais desconfiados.

De frente para o vazio, senti meu coração vazio. Louco para voltar para a paz (!), a segurança (!), a falta de preconceito (!) do meu Brasil.

Ao menos para isso serviu aquela tragédia.

Luciano Pires