Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

687 – A herança maldita
687 – A herança maldita
Uma apresentação, com números, do descompromisso, a ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

De frente para o vazio

De frente para o vazio

Luciano Pires -

Dez anos atrás, em Manhattan, escrevi um texto que repriso hoje.

Aqui estou, no “Ground Zero”, ao sul de Manhattan, onde há pouco mais de um ano se erguiam as torres imponentes do World Trade Center. São duas da manhã. Barracas vendendo quinquilharias para todo lado, gente do mundo inteiro olhando aquele canteiro de obras.

No dia seguinte, passo por lá outra vez. Com o sol brilhando é possível perceber o tamanho da tragédia. Caminhando pelas avenidas retilíneas de Manhattan é impossível olhar para aqueles outros prédios sem imaginar o que foi a cena do avião entrando pela parede. O barulho infernal, a bola de fogo e a queda das torres. Na descrição de quem viu, primeiro um barulho de aço torcido e depois uma sequência de explosões sincronizadas, conforme cada andar vinha abaixo.

E a nuvem de cinzas e pó.

Em pé, de frente para aquela área imensa, vazia, a mente voa. Terá sido assim – guardando as proporções – a Londres depois dos bombardeios alemães? Hiroxima e Nagasaki? O Libano? A Sérvia? E todos os conflitos onde o homem lançou suas armas de destruição atingindo a população civil? Talvez, mas com as torres gêmeas havia uma diferença fundamental, não existia uma guerra. E vem daí o choque: houvesse a guerra, seria de se esperar.

Agora eu estava ali, ao vivo, vendo milhares de oferendas penduradas nas paredes próximas, as fotos dos desaparecidos, os bilhetes de seus familiares e amigos. Uma bandeira do Brasil com várias frases. Uma garota, cara de chinesa, pendurando um bilhete na cerca, com palavras de amor e saudades para uma das vítimas.

De frente para o vazio é impossível não imaginar o que vem depois. A obra de Bin Laden foi perfeita na execução, nos objetivos, na eficiência e na capacidade de chocar. E agora, o que é que pode nos chocar? Um artefato atômico dentro da grande cidade? Pode apostar. E com consequências muito mais catastróficas! Mas não tenho certeza se repetindo o impacto de 11 de setembro de 2001.

Aquele canteiro de obras é uma cicatriz gigantesca, mas que só dói mais que as tragédias do Oriente Médio, da África, da Europa Central porque foi ao vivo, em cores, atingindo gente igual a gente e não uma tribo perdida num país de nome estranho.

Dói porque teve mídia.

De frente para o vazio, revivo cada momento daquela manhã. Ouço os sons, sinto o cheiro, sufoco com o pó, corro de medo, choro com o bombeiro, pego no colo a criança, grito por vingança. De frente para o vazio, me pergunto o que mudou depois de 11 de setembro. E descubro, entristecido, que quem mais sofreu foi a liberdade. Passamos a ser mais vigiados, mais restringidos, mais desconfiados.

De frente para o vazio, senti meu coração vazio. Louco para voltar para a paz (!), a segurança (!), a falta de preconceito (!) do meu Brasil.

Ao menos para isso serviu aquela tragédia.

Luciano Pires