Artigos Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Crônica para Charlie Hebdo

Crônica para Charlie Hebdo

Luciano Pires -

O atentado ao jornal Charlie Hebdo, que terminou com 12 mortos, entre eles cinco cartunistas franceses de grande expressão, fez com que aquele clima de ano novo, de esperança, de “agora vai”, fosse apagado num piscar de olhos. Saímos do sonho para a realidade em meio à barbárie. Pensei numa forma de escrever sobre o tema sem cair no nhénhénhém dos críticos sociais de Facebook que hoje abundam. Vamos ver se consigo.

Para mim é impossível imaginar que alguém possa perder a vida por manifestar sua opinião, por mais imbecil, ofensiva, preconceituosa ou violenta que seja. No entanto, tem gente que não só acha que é possível como defende os assassinos! Não sei quem é mais bárbaro…

Opiniões devem ser combatidas com opiniões. Ou com a lei. Quando a opinião é calada pela violência física, econômica, psicológica ou de que forma seja, à margem da justiça, deixamos de viver num estado de direito para experimentar uma ditadura onde vence o mais forte, o mais violento, o que menos se importar com o ser humano. Onde acaba o direito.

E veja que interessante: justamente por não aceitar essa violência é que tolero ler o raciocínio idiota de gente que culpa as vítimas. Aliás, li nas mídias sociais manifestações que praticamente justificaram o atentado, e que me deram vergonha de ser humano.

Atenção, eu não escrevi “do ser humano”, mas “de ser humano”.

Fiquei realmente impactado com o acontecimento, me recolhi a meus livros e num deles encontrei uma imagem que, para mim, serve como a Crônica à Charlie Habdo. É a imagem que ilustra este texto.

Trata-se de uma pintura que está no Museu Nacional de Varsóvia, na Polônia, um dos trabalhos mais famosos do pintor polonês Jan Matejko, que realizou a obra em 1862, quando tinha apenas 24 anos de idade.

Matjeko pintou Stańczyk, o bobo da corte, durante um baile quando a Polônia estava no auge de seu poder cultural, econômico e político. Era a Renascença polonesa no reinado de Sigismundo I, o Velho, entre 1506  e 1548.

Além da fama como bobo da corte, Stańczyk era conhecido e respeitado por sua eloquência, inteligência e perspicácia. Diferente dos bobos da corte de outros países, era considerado muito mais que um palhaço. Era um homem sábio que usava a sátira, a ironia e o humor para comentar o passado, o presente e futuro do país. Como os bobos da corte, Stańczyk  exagerava até o grotesco os vícios e características da sociedade. Como os bobos da corte, era o único súdito a quem era permitido gozar o rei…

E o que essa imagem tem de especial? Bem, o título da obra é “Stańczyk durante um baile na corte da Rainha Bona, diante da perda de Smolensk”.

O bobo da corte é representado de forma sombria, triste, pensativo, enquanto a festa acontece em outra sala. Sobre a mesa, uma carta com a data 1514 e o nome Smolensk, que era uma das maiores cidades da união Lituânia/Polônia. A carta dava conta da tomada da cidade pelo exército de Vasily III da Russia.

O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a gravidade do que estava acontecendo.

Enquanto isso, a corte bailava.

Feliz ano novo.