Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Metamorfose ambulante
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou. Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor.” (Raul Seixas)   Foram necessários 18 séculos para que a teoria geocêntrica, segundo a qual a Terra ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Corrida pura

Corrida pura

Luciano Pires -

Vale a pena assistir ao documentário “Senna”, dirigido por Asif Kapadia, um inglês de ascendência indiana. O roteirista, Manish Pandey, é um indiano apaixonado por Senna e pela Fórmula 1. A produção é toda estrangeira, o que permitiu que o filme escapasse da armadilha do nacionalismo bocó. O que vemos na tela é a opinião de gente que gosta da Fórmula 1 pelo que ela é e não pelo super-herói ser brasileiro, inglês ou francês.

O talento de Senna e sua rivalidade com Alain Prost são a linha central do documentário. As imagens de bastidores, a presença do arrogante Jean-Marie Ballestre, o todo poderoso cartola que conduziu a F1 nos anos 80, e a maneira como as decisões foram manipuladas são dignas de um roteiro de cinema. Por isso os produtores decidiram usar apenas material de arquivo. Para eles, a história real é tão poderosa que não precisa da ajuda da ficção. E acertaram em cheio.

É arrebatador ver a satisfação de Senna comentando sobre seu começo de carreira no kart:

– Era corrida pura. Não havia a pressão do dinheiro e da política.

Essa visão é tão presente que, já consagrado campeão do mundo, ao ser perguntado sobre que piloto ele considerava seu principal rival, Senna cita o inglês Terry Fullerton – piloto de kart, e não o nome que todos esperavam: Prost. Para Senna, Terry foi um dos maiores pilotos de todos os tempos exatamente por correr sem ajuda de dinheiro, computadores e decisões políticas. Corrida pura.

Imagens caseiras mostram um Senna como poucas vezes vimos. Perto de Senna, Schumacher é um robô frio, não um ser humano. Vemos Senna abalado com os acidentes que vitimaram outros pilotos; Senna angustiado com decisões políticas que impedem suas vitórias; revoltado com uma pergunta marota de Jackie Stewart e assim por diante. Dá para sentir o sangue correndo em suas veias.

Senna tinha uma visão diferenciada do negócio no qual estava envolvido, sabia que o que estava fazendo era muito mais que correr. Sabia de sua importância como referência para milhões de pessoas. E usava essa sabedoria com maestria, o que certamente ajudou a construir a imagem do campeão dos campeões, que continua presente em nosso dia a dia quase vinte anos após sua morte.

Evidentemente, eu sabia de tudo que aconteceria no final do documentário, naquele primeiro de maio em Ímola. O mocinho morreria. Mas não consegui parar de me mexer na cadeira, sentindo uma tremenda angústia e frio no estômago conforme o filme mostrava os dois dias de treinos, o acidente com Barrichello, a morte de Roland Ratzenberger e a expressão grave de Senna. Os curtos segundos em que vi as imagens de dentro de seu carro até chegar na curva de Tamburello, onde tudo acabou, parecem horas… Impossível não marejar os olhos.

Mas quer saber o que mais me impactou? Num certo momento surge um paralelo entre o sucesso de Senna e a situação complicada que o Brasil vivia em meados dos anos oitenta. É uma bofetada em quem já se esqueceu de tudo o que passamos nos últimos trinta anos. E em meio às imagens do povo consternado com a morte do piloto, uma brasileira humilde diz:

– A única coisa que nós tínhamos de bom, morreu.

Pois é. Estávamos em 1994. Ela não sabia que o Brasil começava ali.

Luciano Pires