Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Contemplando o caos

Contemplando o caos

Luciano Pires -

Saí de casa com antecedência de três horas para percorrer um trecho que leva menos de uma hora com trânsito normal, até o aeroporto de Cumbica, em São Paulo. E quase perdi o avião… Mais de duas horas para percorrer 60 quilômetros. O trânsito ficou totalmente parado, até muito perto de meu destino. A razão? Uma van que pegou fogo às sete e meia da manhã.

Detalhe: eu passei por ela às duas e meia da tarde…

Parada no acostamento há sete horas, sem fumaça ou chamas, parcialmente queimada. E os motoristas das cinco faixas reduzindo a velocidade para ver o veículo, provocando o congestionamento de quilômetros. Ao lado da van, um policial de trânsito observando o movimento.

Vi ali um retrato do Brasil que não nos interessa.

O acidente acontece pela manhã e sete horas depois continua o congestionamento que atrapalha a vida de centenas de milhares de pessoas, enquanto as autoridades observam.

Vi coisa parecida nos EUA. A primeira providência que eles tomam por lá é colocar tapumes que impedem a visão dos veículos acidentados. Sem nada para ver, os motoristas continuam trafegando normalmente, sem causar engarrafamentos. Uma providência que chega a ser ridícula pela obviedade, não é? E que tem um custo baixíssimo. Mas que demonstra que existe alguém pensando o problema como um todo, que há um processo para ser colocado em prática quando acontecem acidentes, e todos os envolvidos sabem o papel que lhes cabe.

Isso se chama competência. No Brasil, o policial de trânsito observa o caos… e espera. Provavelmente não tem equipamentos, não tem os tapumes, o guincho está quebrado, não tem a quem recorrer. Ou então acha que o problema não é dele e faz aquilo que pode fazer: observa, “passa um rádio” e… contempla o caos. O processo, quando existe, é pela metade. Fragmentado. Incapaz de cobrir todos os aspectos do problema. No Brasil, a competência é compartimentada, tem aqui, não tem ali, tem um pouquinho acolá, tem nadinha alhures. Lembro-me de uma palestra da Viviane Senna, sobre o Instituto Ayrton Senna, que tem um trabalho espetacular relacionado à educação. Viviane começou sua apresentação dizendo que no Brasil temos que escolher: ou qualidade ou quantidade. Não conseguimos nunca ter qualidade com quantidade. Por isso as ilhas de excelência rodeadas de bolsões de miséria e incompetência. Parece uma maldição. Temos boas ideias, temos gente capaz, temos recursos, temos boa vontade e conseguimos até mesmo desenvolver projetos fantásticos. Mas quando precisamos ampliar o alcance desses projetos, batemos de frente na incompetência.

Esse é, para mim, o maior indicativo da questão educacional no Brasil. Não conseguimos massificar a qualidade por falta de educação. Pela incapacidade das pessoas de compreender a razão do que estão fazendo, de perceber o impacto e a influência de seu trabalho no ambiente que as cerca, de entender a importância – e responsabilidade – que elas têm dentro do processo.

Tem gente que acha que isso é preguiça. Eu acho que é ignorância.

Estava estampada na cara daquele guarda de trânsito que contemplava o caos.

Luciano Pires