Artigos Café Brasil
O bitelo
O bitelo
Sua caixa postal também está cheia de mensagens com ...

Ver mais

O valor da liberdade
O valor da liberdade
Cena 1: no calor infernal de São Paulo, pifa o ar ...

Ver mais

Não passarão.
Não passarão.
As patrulhas do politicamente correto estão aí, mais ...

Ver mais

Crônica para Charlie Hebdo
Crônica para Charlie Hebdo
O atentado ao jornal Charlie Hebdo, que terminou com 12 ...

Ver mais

439 – O limite da liberdade 1
439 – O limite da liberdade 1
Podcast Café Brasil 439 - O Limite da liberdade 1 - E ...

Ver mais

438 – Limpando a lista
438 – Limpando a lista
Podcast Café Brasil 438 - Limpando a lista. Quando você ...

Ver mais

437 – Crônica para Charlie Hebdo
437 – Crônica para Charlie Hebdo
Podcast Café Brasil 437 - Crônica para Charlie Hebdo. E ...

Ver mais

436 – The Dark Side of the Moon
436 – The Dark Side of the Moon
Podcast Café Brasil 436 - The Dark Side of the Moon, a ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

042 – Em busca do lucro perdido 4 – Tudo pelo dinheiro
042 – Em busca do lucro perdido 4 – Tudo pelo dinheiro
Neste episódio Luciano fala das empresas (e pessoas) ...

Ver mais

041 – Em busca do lucro perdido 3 – O Lucro saudável
041 – Em busca do lucro perdido 3 – O Lucro saudável
Neste episódio Luciano discute o que vem a ser o "lucro ...

Ver mais

Os primeiros apagões do segundo mandato
Paulo Rabello de Castro
Iscas BrasilEficiente
No meio da tarde mais quente dos últimos anos, o ONS mandou apagar, preventivamente, parte do sistema de distribuição de energia elétrica do País, para evitar uma queda drástica de todo o ...

Ver mais

Uma ponte longe demais
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
                                              Holanda, setembro de 1944. O alto comando aliado pretende tomar dos nazistas as pontes sobre o rio Reno e alcançar a vitória final. O marechal ...

Ver mais

Simples e levinho
ivan carlos witt
Iscas Horizontes
2014 foi um ano pesadão. Tivemos, como brasileiros, uma copa do mundo que nos desnudou. Uma eleição que nos desmotivou. Vimos a maior empresa brasileira virar pó pela prensa da corrupção. ...

Ver mais

Quando era criança
Jorge Antonio Monteiro de Lima
Iscas Olhos&Alma
Você se lembra de sua infância? De como brincava e se divertia? Como era o mundo que lhe cercava? De que gostava de brincar? Eu fui criança na década de 1970 na cidade de São Paulo. Pertenci a ...

Ver mais

Competência Moral

Competência Moral

Luciano Pires -

Durante um almoço antes de uma de minhas palestras, meu amigo Nelson Bastos conta que foi aos Estados Unidos nas férias. No programa, “assistir com meu filho a um jogo de basquete da NBA em Orlando, no Amway Arena, um espetacular ginásio de esportes”. Ainda no Brasil, Nelson comprou os ingressos pela internet e embarcou para Nova Iorque. No dia de ir para Orlando, uma nevasca impediu o vôo e eles perderam o jogo. Diante do inevitável, Nelson fez o que todos nós brasileiros fazemos: conformou-se.

Alguns dias depois, já de volta ao Brasil, ele recebe um email da Amway Arena dizendo que perceberam que ele não foi assistir ao jogo. E gostariam de saber a razão. Surpreso, Nelson relatou o acontecido. Mais surpreso ainda, recebeu uma resposta dizendo que o ingresso que ele havia comprado incluía um seguro para casos assim. E perguntando:

- O senhor gostaria de utilizar o seguro? 

Nelson concordou e recebeu pelo correio um cheque de cerca de 120 dólares, cobrindo o prejuízo com o qual ele estava conformado.

Putz! Para nós que temos que sair no tapa para tirar o bicão da cadeira numerada que adquirimos nos principais estádios do Brasil pagando uma pequena fortuna; que temos que usar um banheiro imundo; que pagamos uma nota para um guardador de carros não riscar nosso automóvel; que corremos risco de vida a cada vez que vamos a um estádio, o relato do Nelson é peça de ficção. Científica.

Essa história tem muito a dizer com relação à competência técnica e profissional dos norte americanos. Alguém lá criou um programa capaz de perceber que o Nelson não apareceu para ver o jogo. Provavelmente o mesmo programa encontrou os dados dele no registro feito para a compra dos ingressos e disparou um email para averiguar a razão. E diante da explicação (que deve ter sido lida por uma pessoa de carne e osso), alguém não hesitou em oferecer o ressarcimento, mesmo sem o Nelson pedir. Aliás, ele desconhecia o lance do seguro… Não é fantástico?

Pois é. Mas sabe o que realmente me chamou a atenção? Não foi a competência técnica ou profissional. Foi o que eu chamo de “competência moral.”

Alguém tomou a decisão moral de ressarcir quem foi prejudicado, o que de certa forma é de se esperar. Mas a verdadeira profundidade da decisão moral foi: não vamos esperar que a pessoa reclame, vamos nos antecipar e avisar que ela tem direitos e perguntar se quer valer-se deles.

Você consegue imaginar uma situação assim aqui no Brasil?  Deixe de lado a questão estrutural, se temos ou não computadores e gente capaz para implementar um processo idêntico. Concentre-se na pergunta que realmente interessa: temos a competência moral para respeitosamente avisar a pessoa que ela tem um direito? Ou vamos optar pelo velho: “Deixa quieto. Ele nem vai perceber…”?

Pois é. Competência técnica e profissional tem jeito, o dinheiro pode comprar. Mas competência moral, ah, isso vem lá de um lugar que o dinheiro não alcança.
Por isso vai demorar um pouco pra gente chegar lá.

Luciano Pires