Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Metamorfose ambulante
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou. Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor.” (Raul Seixas)   Foram necessários 18 séculos para que a teoria geocêntrica, segundo a qual a Terra ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Chiquinho E O Loki

Chiquinho E O Loki

Luciano Pires -

Fui ao cinema assistir Loki, um delicioso documentário sobre a vida de Arnaldo Batista, um dos componentes do grupo Os Mutantes, que impactou a música popular brasileira no final dos anos sessenta e começo dos setenta. Loki são dois documentários em um. O primeiro trata de dois garotos (Arnaldo e Sérgio) e uma menina (Rita) que formaram Os Mutantes, vinte anos à frente de seu tempo. Quando o conjunto foi dissolvido, Arnaldo mergulhou em depressão, foi tratado como louco e internado em sanatórios até tentar o suicídio atirando-se pela janela de um hospital e entrando em coma. Aí começa o segundo documentário. Uma fã, Lucinha Barbosa, entrega-se a uma missão quase impossível: trazer de volta à vida o loki Arnaldo Batista, que ela amava. Graças à dedicação de Lucinha, Arnaldo recuperou-se e mesmo com sequelas motoras e na fala, voltou a compor e transformou-se em pintor. E participou do retorno triunfal dos Mutantes em 2006 em Londres. Lucinha casou-se com ele e é o anjo da guarda do Loki. Uma emocionante história de amor.

Pois bem… Em 1979, próximo a meu estúdio havia uma escola de música e dança. Eu queria uma atividade física que desse prazer e a dança parecia uma boa idéia. Ao matricular-me conheci o dono da escola: Francisco Florentino Rodrigues, o Chiquinho. Não demorou para eu descobrir que o Chiquinho era um coração com uma pessoa batendo dentro… Desenvolvemos uma amizade de irmãos, chegamos a morar juntos e passamos por momentos inesquecíveis. O Chico, seguindo sua vida como músico, tocando em bandas, fazendo jingles e compondo. E eu tentando virar cartunista.

O tempo e as prioridades nos separaram. Pouco nos víamos, mas temos aquele tipo de amizade que não precisa da proximidade física. Só o fato de saber que “ele está lᔠbasta para me trazer conforto, sabe como é?

Cerca de um ano e meio atrás o Chico sumiu. O celular não atendia. Então recebi um email de uma amiga comum: “Parece que o Chiquinho está internado num hospital com problemas sérios de saúde”. O Chico é diabético e já tinha sofrido um infarto. Apreensivo, fui atrás e descobri que ele estava saindo de trinta dias numa UTI depois de mais dois infartos que comprometeram 80% de seu coração. O Chico estava mal! Corri para o hospital para visitar o velho amigo e, ao chegar, conheci a Ângela, que se apresentou como “a namorada do Chico”.

Nos últimos 18 meses Chiquinho viveu um calvário, com água no pulmão, insuficiência renal, infecção hospitalar, catarata, feridas nos pés e seguidas internações. Em quase dois anos, deve ter passado a metade do tempo internado.  E a Ângela a seu lado.

Ângela tem uma filha cantora e entrou em contato com o Chico em 2007, pois ele produzia jingles e poderia se interessar pelo trabalho da menina. Do Orkut surgiu um namoro. Chico com 56 anos, diabético, enfartado, duro, baixinho, careca e feio. E a Ângela com 37, uma bela mulher cheia de energia e um grande sorriso. Quatro meses depois do início do namoro, os dois infartos deram início ao calvário do Chico pelos hospitais. Muita gente sumiu, mas a Ângela ficou. Colocou sua vida de lado para dedicar-se ao Chiquinho, acompanhando-o em todos os momentos, cuidando dele como cuidamos de quem amamos.

E graças a Ângela o Chiquinho está vivo.

Na manhã de sábado passado em Salto, cidadezinha próxima de São Paulo, num cartório simplesinho, fui padrinho do casamento do Chiquinho com a Ângela. Emocionado vi o velho amigo, com andar frágil, 22 quilos a menos e ossos aparecendo onde sempre havia gordurinhas, mostrar aquele mesmo velho humor. Chico, aos 59 anos, irradiava felicidade. E a Ângela, aos 40, tão feliz quanto.

Quem colocou essa moça na vida do Chico? Na hora exata? Que missão é essa que ela cumpre?

A Ângela veio do mesmo lugar de onde saiu Lucinha.

De uma fábrica de anjos.



Ângela e Chiquinho

Arnaldo hoje, com sua atual mulher Lucinha Barbosa. A relação de fã se transformou em apoio quase maternal

Arnaldo e Lucinha



 







pg_troca(0);