Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

707 – O benefício da dúvida – Revisitado
707 – O benefício da dúvida – Revisitado
O programa de hoje é a revisita a um episódio publicado ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

LíderCast 189 – Deborah Alves
LíderCast 189 – Deborah Alves
Jovem empreendedora, formada em Ciência da Computação e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Analogias inusuais
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Analogias inusuais  Para desenvolver a criatividade… e para entender as crises econômicas “Para os historiadores cada evento é único. Os economistas, entretanto, sustentam que as forças da ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Vamos combater o novo Coronavirus com Fitness Intelectual.

Ver mais

Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Quando você muda o rótulo, pode até mudar o sentido da ação.

Ver mais

Casimiro e o Bauru

Casimiro e o Bauru

Luciano Pires -

“Inovação como disciplina se pratica por meio do uso imaginativo – e não genial – de conhecimentos que estão ao alcance de todos. Para conceber novas maneiras de fazer velhas coisas.”. Li essa frase num ótimo artigo do Clemente Nóbrega. Olha que legal! A inovação que não precisa de genialidade, que está na cara da gente, que precisa é de imaginação. É essa a inovação necessária, que está ao alcance de qualquer um a qualquer hora e em qualquer lugar…

Foi então que me lembrei de uma historinha que cabe como uma luva no conceito do Clemente: a criação do sanduíche Bauru.

Bauru… Sou de lá, portanto tenho um atributo raro: nasci numa cidade com nome de sanduíche. Jamais ganhei algo com isso a não ser a facilidade de denominar minha origem com um nome bastante familiar. Afinal, não estou falando de um sanduíche qualquer, mas do delicioso e nutritivo Bauru, que é marca de sanduíche muito antes dos BigMacs. Você pode não acreditar, mas o Bauru é internacionalmente conhecido. Eu mesmo vi num bar em Nova Iorque!  Não pedi o sanduíche deles, pois fiquei com medo, mas que deu um orgulho, isso deu…

Sempre que vou pra Bauru, dou uma parada no tradicional Bar do Skinão, onde é servido o Bauru como foi originalmente criado. Recentemente meu pai publicou em seu jornal Bauru Ilustrado uma bela reportagem contando como nasceu o sanduíche. Veja só:

Tudo começou com um estudante bauruense de Direito que vivia na cidade de São Paulo nos anos 30: Casimiro Pinto Neto. Casimiro era frequentador do famoso bar Ponto Chic, no Largo do Paissandú (está lá até hoje, meio caído mas ainda em funcionamento). Um dia, no final dos anos trinta (ninguém sabe precisar a data), Casimiro tomou contato com um livreto chamado “O Livro das Mãezinhas”, uma daquelas publicações que décadas atrás serviram para mudar o quadro da saúde pública brasileira. O livreto foi escrito por Wladimir de Toledo Piza e ensinava as mães a equilibrar a dieta de seus bebês. Casimiro encantou-se com a forma didática com que Wladimir definia a combinação de proteínas, carboidratos, gorduras, minerais e vitaminas. Numa noite, chegando ao Ponto Chic, o bauruense anunciou: “Hoje vou receitar um sanduíche saudável”. E pediu ao sanduicheiro Carlos: “Abra um pão francês, tire o miolo e bote um pouco de queijo derretido. Falta um pouco de albumina e proteína: coloque umas fatias de rosbife. Agora falta vitamina. Bote umas fatias de tomate.“ E assim foi. Naquela época (e acho que ainda um pouco hoje em dia), era costume chamar as pessoas pelo nome da cidade de onde vinham. Casimiro era o “Bauru”. O sanduíche despertou o apetite dos companheiros de mesa que logo pediram: “Fulano, me faz um aí igual ao do Bauru.”.

Pronto! Nasceu o sanduíche Bauru.

Com o tempo o pessoal do Ponto Chic incrementou a receita, com pepino em conserva e uma combinação de queijos fundidos, e o Bauru se transformou num sucesso. Depois algum gênio financeiro resolveu baratear o sanduíche e fez aquela coisa de pão de forma, muzzarela, presunto e tomate. E um oréganozinho pra disfarçar. Um Bauru esculachado, que ficou ainda mais popular.

Viu só? Num simples sanduíche um exemplo de como a imaginação pode transformar o trivial numa inovação. Aposto que Casimiro Pinto Neto não tinha idéia de que estava criando um ícone da culinária nacional.

Mas sabe o que me ocorreu agora? Já pensou se tivessem botado no sanduíche o nome de Casimiro? Ou Pinto? Ou Neto?

Ainda bem que Casimiro era o Bauru…

Saiba mais sobre o Bauru acessando: http://www.lucianopires.com.br/idealbb/view.asp?topicID=13127&pageNo=1#51607

Luciano Pires