Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Brazil-zil-zil

Brazil-zil-zil

Luciano Pires -

Desde o início fui contra esse mega evento esportivo no Brasil. Ele me lembra o pai desempregado organizando uma festa de debutante cinematográfica para a filha…

A organização dos jogos dá espaço para a expressão máxima do Lado Negro da Cultura Brasileira:

1. Assumir compromissos sem certeza de conseguir cumprir;
2. Chutar orçamentos baixos e ganhos altos para obter a simpatia popular;
3. Se achar o máximo apenas pela capacidade de dizer que se é o máximo;
4. Priorização das aparências em detrimento do conteúdo, da organização e dos processos;
5. Fazer propaganda em cima de feitos futuros e, portanto, incertos;
6. Absoluta incapacidade de priorização e, por consequência, de planejamento;
7. Contar com ajuda divina para os recursos que hão de chegar;
8. Empurrar para terceiros a responsabilidade dos compromissos por si assumidos;
9. Jamais reconhecer os erros ou fazê-lo tarde demais;
10. Arrogância;
11. Desperdício do dinheiro público;
12. Roubo do dinheiro público;
13. Mobilização de estruturas do Estado para atender emergencialmente a segurança do evento. Depois dos jogos e de autoridades dizendo “viu como foi seguro?”, volta tudo ao normal;
14. Após o evento, esquecimento total, não prestação de contas, nenhuma responsabilização sobre os problemas, nenhum aprendizado;

e, por fim.

15. Quando alguém falar mal da bagunça, falta de planejamento e incompetência, rotular como falta de patriotismo, mal humorado, indivíduo desagregador ou elite/coxinha/fascista e outros.

No fim, assim como no carnaval, os jogos terão sido uma grande festa, as cagadas encobertas/esquecidas por qualquer brasileiro com um copo de cerveja na mão; dois ou três atletas que ganharão algumas medalhas serão endeusados; turistas nacionais e estrangeiros serão depenados e ficarão encantados com o Pão de Açúcar e o Corcovado; a Rede Globo vai se esgoelar com aquele pseudo-patriotismo típico; alguns políticos vão tentar tirar lasquinhas; a culpa das obras inacabadas será da crise internacional; começam as reformas dos equipamentos inaugurados para os jogos e alguém descobrirá que não tem grana para a manutenção anual milionária desses equipamentos, que serão abandonados. E a população sofrerá as consequências, enquanto eu e você pagamos as contas.

Calma.

Estou falando da Copa do Mundo de Futebol.