Artigos Café Brasil
A terceirização e os brontossauros
A terceirização e os brontossauros
A terceirização e os brontossauros. Isca intelectual de ...

Ver mais

A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

554 – Um jeito de ver o mundo
554 – Um jeito de ver o mundo
Podcast Café Brasil 554 - Um jeito de ver o mundo. ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

A economia do puteiro mais high-end de São Paulo
Raiam Santos
Voltei para o blog… e voltei com tudo. Vou confessar que fiquei meio bloqueado para escrever aqui no MundoRaiam por causa da repercussão do último post Por Que Eu Mudei Pra São Paulo… ...

Ver mais

6 passos para uma Liderança Transformadora
Mauro Segura
Transformação
Como ser um líder que viabiliza a transformação? Como se transformar e transformar os outros?

Ver mais

O país da trambicagem: 7 bagulhos doidos sobre a Suíça
Raiam Santos
Vim pra Suíça para completar uma missão pessoal: Conhecer pessoalmente o atual escritor best-seller e ex-maluco hippie doidão Paulo Coelho. Me amarro em escrever, já vivo disso e quero construir ...

Ver mais

Ócio improdutivo
Tom Coelho
Sete Vidas
“A preguiça anda tão devagar que a pobreza facilmente a alcança.” (Confúcio)   O Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro em homenagem a Zumbi dos Palmares, morto nesta ...

Ver mais

Brasiliência

Brasiliência

Luciano Pires -

Já ouviu falar em Brasiliência? Acho que não, esse termo não existe, eu inventei. É a junção de “Brasil” com “resiliência”.

Resiliência é a capacidade de recuperação, de se recobrar diante de adversidades, de se adaptar a mudanças. O melhor exemplo é o lutador do UFC que, mesmo recebendo uma saraivada de pancadas, grogue, quase caindo, consegue reagir e nocautear o oponente. Ou aquele seu parente que faliu anos atrás e hoje está de volta aos negócios, bem sucedido.

Quem desenvolve a resiliência tem mais condições de enfrentar desapontamentos, lidar com perdas e se adaptar a mudanças. A “alma” do resiliente é a capacidade de enxergar os obstáculos como componentes críticos do sucesso. O resiliente tem grande senso de controle sobre seu destino, sabe que pode contar com ajuda de outras pessoas quando necessário e toma iniciativa para resolver seus problemas. Atitude positiva, otimismo, habilidade para controlar emoções e receber as críticas e falhas como algo positivo para fazer melhor. O resiliente aprende com os erros.

Isso é resiliência. Vamos à brasiliência.

Em minha palestra A Fórmula da Inovação, quando trato da “proposta de valor”, dou um exemplo perfeito da brasiliência. Faço um exercício com a plateia, mostrando imagens de um resort, provavelmente no Tahiti, com um casal saboreando o café da manhã numa área coberta, dentro do mar, numa piscina natural, transparente… Maravilhosa!

Em seguida mostro a imagem de uma cidade do interior do Brasil, durante uma inundação. A água pela cintura das pessoas, uma tragédia. A imagem mostra uns caras que fizeram uma boia com uma câmara de ar de caminhão, colocaram um guarda sol em cima, uma tábua como mesa, cervejas e… pronto! Baita festa, curtindo o momento. Um contraponto perfeito aos turistas do Tahiti! E então falo da diferença entre expectativa e realidade.

Mas o momento principal é no final da reflexão, quando coloco as duas imagens lado a lado. Na imagem do Tahiti, naquele paraíso, aparecem turistas europeus, sérios, nenhum sorriso! Na imagem do Brasil, no meio da tragédia, todos com copo na mão, sorrisos largos, abraços, a maior diversão. Quase dá para ouvir o samba. E comento:

– Tá vendo porque o Brasil nunca vai quebrar?

O brasileiro inventou a brasiliência, uma singular capacidade de viver tomando porrada e continuar sorrindo.

O brasiliente faz piada das coisas mais trágicas.

O brasiliente confia que um deus ou um santo há de dar um jeito.

O brasiliente deixa para amanhã os problemas mais graves ou complexos.

O brasiliente acredita em promessas, por mais absurdas que pareçam.

O brasiliente não aprende com os erros, os releva. E comete outra vez.

O brasiliente acha que o que é de todos, não é de ninguém.

O brasiliente não tem paciência para fazer contas.

O brasiliente troca tristeza por alegria, seja onde ou como for.

O brasiliente, até por falta de comparação, se conforma com o meia boca, pois “dá pro gasto”.

O brasiliente tem como estratégia de vida, a esperança de que tudo vai melhorar.

E um dia, lá na frente, machucado, maltratado, roubado, esfolado, zonzo, mas vivo, o brasiliente, com um copo de cerveja na mão e um sambinha ao fundo diz: tá vendo como no fim dá tudo certo?

Brasiliência é uma forma de ver a vida, que faz com que as pessoas, mesmo sofrendo, se sintam felizes.

Deveria ser uma baita qualidade.

Mas dói pra caramba.