Artigos Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Arte E Comércio

Arte E Comércio

Luciano Pires -

ARTE E COMÉRCIO

Luciano Pires

Li um texto delicioso de Oscar Wilde, em “A Alma do Homem Sob O Socialismo”, onde ele diz o seguinte:

“Um trabalho de arte é o resultado único de um temperamento único. Sua beleza vem do fato de o autor ser o que ele é. Nada tem a ver com o fato de outras pessoas quererem o que elas querem. No momento em que um artista percebe o que os outros querem, e tenta suprir a demanda, ele deixa de ser um artista e passa a ser um artesão, excelente ou medíocre. Deixa de ser um artista e passa a ser um homem de negócios, honesto ou desonesto”.

Escrito por Oscar Wilde em 1891…
É irresistível refletir sobre essa imagem do artista como um homem de negócios nos dias de hoje, quando os marqueteiros transformaram a produção cultural brasileira numa indústria baseada em pesquisas e focada em nivelar por baixo os produtos ditos “culturais” que cria e promove.
E dá-lhe as bandinhas de axé de acrílico, os pagodeiros derivados de petróleo, o funk de isopor, os livrinhos de auto-ajuda, os programinhas de tv focados na fofoca e nas celebridades e outras barbaridades… São produtos criados em laboratório por comerciantes, não por artistas, e trabalhados para suprir uma demanda que eles próprios criam.
Uma música na novela da Globo, repetida no Domingão do Faustão como sendo a “nova onda”, é capaz de lançar um modismo, de “suprir uma demanda” nacional e projetar um desconhecido, vazio de conteúdo, ao estrelato. É o artesão de Oscar Wilde, alguém que deixou de ser um artista para ser um comerciante.
Mas o problema não é assim tão simples. A engrenagem é complexa… E seus componentes estão no jogo sem compreender seus papéis. Os grandes formadores de opinião, confusos diante de uma postura “politicamente correta”, em que “dão ao povo o que o povo quer”, desempenham uma função crítica no processo. Dão às manifestações comerciais uma dimensão maior do que a merecida. Ao colocar em horário nobre uma entrevista com a funkeira desbocada, com a ex-prostituta que escreveu suas memórias, com o transformista que traiu o namorado, com a bandinha vazia, legitimam um produto que, do contrário, permaneceria restrito a um gueto, apagado pelo tempo. É a legitimação da mídia – jogando o jogo dos comerciantes – e não os atributos artísticos ou culturais, que acaba por criar uma demanda falsa, um sucesso mentiroso. Uma celebridade efêmera. Que nos seis meses de duração venderá dois milhões de cds… Para os trouxas que caíram na conversa.
Você já parou para pensar sobre o seu papel nessa engrenagem? Você é o agente da demanda. Você é a presa dos comerciantes. Você é o manipulado. É o seu “gosto médio” que os comerciantes estão determinando.
E já escrevi uma vez que “gosto médio” não tem gosto. O gosto que tem gosto é o SEU gosto. Seu tesouro. Único. Pessoal. Intransferível.  
Portanto, respeite o artesão. Respeite o comerciante.
Mas valorize seu gosto.
Só o entregue ao artista.